1. Usuário
Assine o Estadão
assine

E vocês, o que acham do ‘Diário de um Banana’?

Bia Reis

quinta-feira 28/06/12

Quem tem filhos ou crianças por perto, com idade entre 8 e 12 anos (às vezes um pouco mais, às vezes um pouco menos), certamente já ouviu falar da série best seller Diário de um Banana, cujo sexto volume – Casa dos Horrores – acaba de chegar às livrarias. O escritor norte-americano Jeff Kinney começou [...]

Quem tem filhos ou crianças por perto, com idade entre 8 e 12 anos (às vezes um pouco mais, às vezes um pouco menos), certamente já ouviu falar da série best seller Diário de um Banana, cujo sexto volume – Casa dos Horrores – acaba de chegar às livrarias.

O escritor norte-americano Jeff Kinney começou a escrever a saga em 2007 e, após sucessivas recusas de editoras, resolveu colocar o primeiro diário, Um Romance em Quadrinhos, na internet. O texto passou a ser lido por crianças e adolescentes de várias partes do mundo e, claro, as editoras correram atrás dele.

A série mostra a vida do banana Greg, um menino que mora no subúrbio dos Estados Unidos com os pais e dois irmãos: um mais velho que o atormenta e um caçula mimado pela família. Os livros contam histórias de Greg na escola, com seus amigos (e inimigos), professores e sua relação os pais e irmãos.

A série já vendeu 75 milhões de exemplares, sendo cerca de 800 mil deles no Brasil. Lançado no ano passado nos EUA, o Diário de um Banana – Casa dos Horrores chega ao País com tiragem inicial de 200 mil exemplares. Nesta primeira semana de lançamento, as livrarias brasileiras venderam cerca de 6 mil cópias por dia.

Ontem, conversei com o editor de infantojuvenil e quadrinhos da V&R Editoras, Fabrício Valério, para tentar entender um pouco o sucesso desta série, que deu origem a várias outras, no Brasil e em outros países, com base na mesma fórmula. Valério afirma que não há uma explicação única, mas tem pistas.

“Trata-se de um diário, que é um gênero consagrado. As pessoas têm a curiosidade de saber como é a vida dos outros. O Greg não é um herói idealizado, é uma pessoa comum, um menino que tenta sobreviver no mundo escolar, o que faz com que o leitor se identifique com ele. O garoto vem de uma família média americana, que em muitos aspectos se parece com tantas outras. Por fim, o livro mescla um manuscrito infantil com quadrinhos. É um formato simples, gostoso de ler”, conta Valério. Por fora, os livros da série lembram os para adultos – têm mais de 200 páginas e capa dura -, um atrativo para quem já encara textos maiores.

Já vi muitos pais torcendo o nariz, dizendo que há livros de qualidade muito superior para crianças e adolescentes, mas, pela quantidade de exemplares vendidos, não resta dúvida de que os leitores adoram.

Para mim, as crianças devem ler tudo o que cai na mão e precisam, sim, ter o direito de escolher. Claro que podemos – e devemos – sempre apresentar coisas novas, mostrar o que gostamos, mas acho que também precisamos dar a elas a chance de optar. E vocês, o que acham?

Serviço
Diário de um Banana – Casa dos Horrores
Autor e ilustrador: Jeff Kinney
V&R Editoras
Preço: R$ 34,90