ir para o conteúdo
 • 

Estadinho

27.junho.2013 16:00:51

Vovô mãos de tesoura

vovo.jpg

(Por Aryane Cararo)

O escritor americano Lane Smith tem um livro de que gosto muito, chama-se É um livro. De tão bom, foi eleito para integrar a Seleção Estadinho – Melhores Livros 2010. É por isso que, quando Vovô Verde chegou até minhas mãos, fiquei curiosa para saber o que as páginas revelariam, se Lane conseguiria me surpreender de novo. E ele não me decepcionou! Seu novo livro é lindo. A começar pela ilustração da capa, com um vovô jardineiro criando com a tesoura um elefante de arbustos. É delicada e dá o tom do que se segue.

A história é contada pelo bisneto, que narra a vida do bisavô desde o nascimento, passando pela infância entre animais da fazenda, a catapora, a vontade de estudar horticultura, a ida para a guerra, o casamento. O legal é que, acompanhando a narrativa simples e sensível, há sempre ilustrações de criaturas que surgem da poda dos arbustos e brincam com o texto. Tem galo, coelho, os personagens de O Mágico de Oz, trenzinho, coração… E tem horas que você não sabe se o bisavô virou o próprio arbusto, de tanto que viveu a cortá-los, dando vida para a imaginação. Afinal, as histórias de sua vida estão todas contadas nas plantas. É só saber ler imagens. Demais!

 Vovô Verde. Autor: Lane Smith. Companhia das Letrinhas, R$ 29.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
01.maio.2013 07:00:49

Quantas Chapeuzinhos!

 chapeu2.jpg

(Por Aryane Cararo)

Sabia que nem sempre Chapeuzinho Vermelho acaba engolida pelo lobo? Depois que a história foi contada a primeira vez, muitas outras versões foram inventadas. A maioria só muda um ou outro detalhe. Mas algumas modificam terrivelmente o conto. E tornam essa obra clássica ainda mais viva e engraçada.

chapeu1.jpg

Um desses livros é Uma Chapeuzinho Vermelho, de Marjolaine Leray. A começar pelo formato simpático, menorzinho, que cabe sem pesar na mochila. As ilustrações também são muito diferentes, feitas em lápis, usando o mínimo de cor (só vermelho, preto, cinza e branco), e tão simples que ficaram muito legais! Nesse livro, a Chapeuzinho não é nada boba. Muito pelo contrário, ela engana o lobo direitinho. O lobo se acha esperto sequestrando a menina e levando para a mesa que, quando ela começa a fazer perguntas, ele nem desconfia de seu plano. Ela diz que ele tem bafo e não quer ser engolida por ele e oferece, então, uma bala para melhorar o hálito. Mas essa não era uma bala normal. Digamos que ela é feita da mesma maçã da Branca de Neve…

(Uma Chapeuzinho Vermelho. Autora: Marjolaine Leray. Companhia das Letrinhas, R$ 32)

 chapeu3.jpg

Já em Chapeuzinho Redondo, uma história de Geoffroy de Pennart, a menina encontra o lobo a caminho da casa da avó e não resiste: acorda o bichão com uma corneta. O lobo toma um baita susto e, com a cara atordoada, é confundido pela Chapeuzinho com um cachorro. O coitado acaba atropelado na história e fica de cama na casa da vovó. O problema é que a menina acha que ele engoliu sua avó e bate com o candelabro nele. E esta é a história do lobo que não conseguiu ser mau e só se deu mal.

(Chapeuzinho Redondo. Autor: Geoffroy de Pennart. Brinque-Book, R$ 29)

sem comentários | comente

  • A + A -
09.abril.2013 07:01:40

Bravo guerreiro

barbaro.jpg

(Por Aryane Cararo)

O bravo cavaleiro cavalga sem medo, cavalga sem parar. De espada em punho e escudo na outra mão, ele enfrenta todos os perigos sem se preocupar. Não abre sequer os olhos. Pula por cima de cobras venenosas, encara as flechas inimigas, salta por cima dos gigantes de um olho só, não teme nem um pouquinho as plantas carnívoras. Dragões, trovões, monstros marinhos não são páreos para sua bravura. Mas, então, mãos humanas enormes se lançam em sua direção. E o cavaleiro chora, abre o bocão. O que será que fez tão bravo guerreiro se esgoelar?

Neste livro de ilustrações incríveis de Renato Moriconi, chamado de Bárbaro, uma história toda é contada sem nenhuma palavra. Uma história de bravura, de aventuras, de muita imaginação. E com um final surpreendente e divertido. Renato acertou mais uma vez!

Bárbaro. Autor: Renato Moriconi. Companhia das Letrinhas, R$ 39,50.

sem comentários | comente

  • A + A -
25.fevereiro.2013 07:00:24

Elefanssarinho

adonis_vale.jpg

 

(Por Aryane Cararo)

Elefante é elefante. Grande, pesado e, geralmente, sujo de lama. Passarinho é passarinho. Pequeno, leve e de plumas geralmente impecáveis e muito limpas. Mas eis que um elefante, um dia, achou que era um passarinho. Ou quase isso. Adonis não entendia muito bem por que cresceram asas nas suas costas se ele mal conseguia ficar em cima de uma árvore para tentar voar. E eram tão pequenas que pareciam quase um lacinho.

Tudo bem que Adonis era filhote. Mas asas daquele tamanho não lhe adiantavam de nada, a não ser plantar uma grande dúvida em sua cabeça: se não era elefante nem passarinho, o que era, então? Sua mãe vai dar um jeito de resolver fácil, fácil esse problema. Ah, se não fossem as mães, não é?

Este livro fofo foi escrito pela Blandina Franco, que é autora de um monte de livros legais, como o Quem Soltou o Pum?, Os Seres Falados, Tem Uma Janela na Minha Boca, Grande, Pequeno… Mas, desta vez, é um livro diferente, porque ela não faz dupla com o Lollo, que é seu marido e ilustrador da maioria das histórias que ela escreve (eles inventam muito juntos, na verdade). Quem faz os desenhos é a Isabel Nadal, que mora na Espanha.

Adonis. Texto: Blandina Franco. Ilustrações: Isabel Nadal. Companhia das Letrinhas, R$ 34,50.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
23.janeiro.2013 07:00:59

É tupituguês

taina.jpg

(Por Aryane Cararo)

Que palavra maluca é esta? Tupituguês é uma mistura de tupi, um língua indígena, com português. Quem fala isso? Todos nós! É que muitas palavras indígenas foram absorvidas pela língua portuguesa e hoje as pronunciamos sem nem desconfiar. Por isso, no livro O Mundo de Tainá, Uma Aventura em Tupituguês, a indiazinha Tainá (aquela do filme) conta o significado de muitas palavras em tupi e algumas curiosidades sobre elas. O livro tem também muitas lendas, como a do Curupira, do Caipora, da Flecha-cobra, do guaraná, do Muiraquitã… e algumas brincadeiras. É bem divertido e muito curioso!

Você sabia, por exemplo, que “sapeca” vem do tupi sapeg e significa “tostar ao fogo”? Quando dizem que uma criança é sapeca é porque ela é bem atiçada como o fogo, explica Tainá. E é por isso que o verbo “sapecar” quer dizer fazer uma coisa bem rápida. Gostou?

Quer tentar identificar algumas palavras? Relacione os nomes aos seus significados!

1) Abacaxi
2) Açaí
3) Bambu
4) Cupuaçu
5) Goiaba
6) Pipoca

 

A) Só a casca
B) Ajuntamento de caroços
C) Fruta que chora
D) Fruta cheirosa
E) A pele que dá estalos
F) Fruta grande

 

E fique esperto que Tainá logo, logo estará nas telinhas de novo. No dia 8 de fevereiro, estreia o filme Tainá – A Origem. O Estadinho conta mais em breve!

 

O Mundo de Tainá, Uma Aventura em Tupituguês. Texto: Cláudia Levay. Ilustrações: Isabel de Paiva. Companhia das Letrinhas, R$ 29,50.
Respostas: 1 – D, 2 – C, 3 – A, 4 – F, 5 – B, 6 – E

sem comentários | comente

  • A + A -
09.janeiro.2013 07:00:34

É só o começo

hocus.jpg

(Por Aryane Cararo)

“O começo é sempre o lugar onde a gente está quando encontra uma coisa importante. O começo é naquele instante.”

Esta é uma frase do livro Hocus Pocus – Um Pai de Presente, em que Kiara Terra conta uma história baseada na vida da ilustradora Ionit Zilberman, e dela própria. Há começos na maternidade, quando os pais recebem o bebê com fotos e lembrancinhas. Mas há outros começos, como o da menina da história, que conheceu seu pai quando já era menina um pouco crescida. Na verdade, o pai escolheu a mãe e ela veio junto.

Eles foram aprendendo a ser pai e filha um pouquinho a cada dia, como quem aprende a andar de bicicleta. Um dia, o pai mostrou uma máquina mágica, de foto instantânea. Disse que servia para guardar coisas especiais. A primeira coisa especial que a menina guardou foi o próprio pai, num lindo retrato com cores que apareciam devagarzinho até tomar forma. O pai dizia que era preciso falar as palavras mágicas para a imagem aparecer: Hocus Pocus! E com essas palavras mágicas ela aprendeu não só a fotografar, como desenhar as coisas importantes que ela via ou que estavam na sua cabeça.

Linda história, não é? E a Kiara, que é contadora de histórias das boas, conta tudo de um jeito tão gostoso que não dá para parar de ler. Ainda mais que a Ionit, que faz sempre desenhos tão lindos, ilustrou. Um livro sensível, para apertar contra o peito, e depois sair correndo dar um abraço naqueles que fazem parte do seu começo. Qualquer que seja o seu começo ou quantos começos você tenha.

Hocus Pocus – Um Pai de Presente. Autoras: Kiara Terra e Ionit Zilberman. Companhia das Letrinhas, R$ 31,50.

sem comentários | comente

  • A + A -
26.dezembro.2012 07:00:00

Uma gata mimada

nina.jpg

(Por Aryane Cararo)

Nina é uma gata que adora se sentir especial, diferente. Mas ela acha que, para isso, precisa ter coisas. É assim que começa Os Desejos de Nina, uma história de Gilles Eduar. Primeiro, Nina cisma com um pássaro com estrela na testa. Depois, acha que só poderá ser feliz se tiver uma coroa. De coroa na cabeça, inventa que quer o peixe-gato laranja, raro no aquário.

São muitos pedidos para a felicidade, mas Heitor, o cavalo apaixonado, não se recusa a conseguir nenhum para ela. Mesmo quando eles têm de deixar a cidade para encontrar tulipas azuis com bolinhas douradas. É assim que Nina descobre que tudo o que ela quis ter para ser exclusiva existe de montão no mundo. Mas uma coisa ela já tinha ao lado e que, essa sim, era diferente, única e especial. Você pode imaginar o que é, não?

Os Desejos de Nina. Autor: Gilles Eduar. Companhia das Letrinhas, R$ 34,50.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
30.junho.2012 06:55:56

Escapou!

pum1.jpg

(Ilustração: José Carlos Lollo, livro Soltei o Pum na Escola)

(Por Aryane Cararo)

Quem disse que soltar o Pum poderia render tanta diversão? Nem mesmo a escritora Blandina Franco e o ilustrador José Carlos Lollo, casados na vida real, poderiam imaginar. “Ficamos surpresos com tanta gente gostando do nosso Pum”, diz Blandina. Foi tanto o sucesso que o cachorrinho de nome engraçado fez que não dava para deixá-lo solto apenas por um livro (ou no iPad). Por isso, ele surge agora em outra confusão, desta vez, na escola.

Em Soltei o Pum na Escola, cada criança pode levar seu animal de estimação para o colégio. O cachorro Pum até fica sem jeito no começo, mas logo se lambuza no tanque de areia, revira o lixo durante a aula de geografia e faz um monte de barulho e confusão. Vai parar na sala da diretora. Só mesmo a dona Liniz, a professora, para reclamar do Pum, porque ninguém mais reclamou, contam Blandina e Lollo.

Se você não viu no Estadinho de papel, clique aqui.

“O Pum só trouxe alegria”, diz o casal. Com tanta estripulia, a gente fica esperando pela próxima vez em que o Pum vai escapar, porque é sempre muito engraçada a leitura. Impossível não rir com os trocadilhos e as piadinhas (e a brincadeira não ficou repetitiva neste segundo livro). A pedido do Estadinho, o Lollo até desenhou o melhor amigo do Pum, o Chulé, um gato que gruda no pé do Pum (e que ainda não apareceu nos livros).

chule1.JPG

O gato Chulé, desenhado pelo Lollo exclusivamente para o Estadinho

Os autores dizem que “não há outro Pum programado” (mas eles até já pensaram em como poderia ser: nas férias). O que sabemos é que quase todos os lugares podem receber a bagunça inesperada do cãozinho. Afinal, “não existe lugar impróprio, até porque, normalmente, o Pum escapa, não é solto”, dizem eles.

Mas o Lollo e a Blandina não sabem apenas soltar o Pum nos livros. Eles já fizeram obras muito sensíveis, como a história do Peixe e a Passarinha (de 2012), e outras bem engraçadas, como Grande, Pequeno (de 2011). Outros livros que eles lançaram em 2012 foram Tem Sempre um Diferente, Dona Zulmira Vai ao Circo, Tem Uma Janela na Minha Boca. E vem muito mais pela frente: Adonis, O Livro dos Tutus, Os Seres Falados, O Menino que Queria Ir

 

Soltei o Pum na Escola. Autores: Blandina Franco e José Carlos Lollo. Companhia das Letrinhas, R$ 25.

sem comentários | comente

  • A + A -
23.junho.2012 06:50:10

Almoço divertido

c0_1.JPG

(Por Aryane Cararo)

Dalcio Machado é cartunista dos bons e já fez muitas ilustrações para jornais e revistas. Mas neste ano resolveu retomar um pouco da sua infância e escrever para crianças. E assim surgiu Não Brinque com a Comida!, um livro divertido, editado pela Companhia das Letrinhas, que mostra que não são apenas os humanos que brincam com seu prato. Nele, o filhote de ave pula corda com a minhoca, o bebê panda se equilibra com o bambu e um robozinho eletrônico faz travessuras com a fonte de energia. Pensando nisso, pedimos para o Dalcio brincar um pouco mais com a comida e ele não só respondeu com palavras como com desenhos exclusivos para o Estadinho. Adoramos! E repetimos eles aqui no blog, maiores, para vocês não perderem nenhum detalhe.

Se você não viu a matéria que saiu no Estadinho impresso, clique aqui. Se quiser ver outras perguntas que fizemos ao Dalcio, continue a leitura lá embaixo.

d2.JPG

O leão brincaria de estilingue com os chifres do Orix (antílope).

d3.JPG

O carrapato brincaria de peão com o boi de rodeio.

d1.JPG

A elefanta brincaria de Eva com a folha.

d4.JPG

E o Dalcio brincaria de vampiro com batatas fritas como presas.

 

Este é seu primeiro livro infantil?
Dalcio: Sim. Sempre que sobrava um tempinho, rabiscava texto e desenhos de uma história e botava na gaveta. Quando vi, a gaveta já estava transbordando! Ou publicava logo o primeiro ou comprava outra gaveta.

O que você não gostava de comer?
Argh! Pé de galinha, língua de boi, rodelonas de cebola crua… Alguém aí gosta?

Está preparando outro livro?
A Companhia das Letrinhas e eu já botamos o próximo livro no forno (e está começando a cheirar bem!). Deve se chamar O equilibrista.

sem comentários | comente

  • A + A -

garrafinha.jpg

(Por Aryane Cararo)

Por trás dos óculos fundo de garrafa, existe uma menina gordinha, baixinha e com cabelos de molinhas ruivas. Ela atende pelo apelido de Garrafinha. Mas isso é o que os outros veem nela. Porque, por trás daquelas lentes, o que existe de verdade é uma menina muito criativa e talentosa, que só quer ter amigos.

Garrafinha costumava ficar sozinha nas festas. Você conhece alguém que também é deixado de canto nas festas ou na escola? Algum dia já tentou conversar com essa pessoa? Puxa, sabe quando deram uma chance para a Garrafinha ser ouvida? Quando ela começou a fazer desenhos e inventar histórias muito legais. Foi nessa hora que todos viram o que ela tinha por dentro. Gostou? Você pode ler essa história no livro Garrafinha, escrito pela Mariana Caltabiano (que também inventou o Gui e o Stopa e fez o filme Brasil Animado).

A Garrafinha, que agora está em livro, já foi série de bonecos animados na tevê Globo, de 1998 a 2001. E também personagem de animação, como no desenho abaixo:

 

Garrafinha. Texto: Mariana Caltabiano. Ilustrações: Rodrigo Leão. Companhia das Letrinhas, R$ 26,50.

sem comentários | comente

  • A + A -
  • Galeria Estadinho

Comentários recentes

  • olivio jekupe: hoje em dia os autores indígenas estão cada vez mais publicando seus trabalhos, aqui na nossa aldeia...
  • kellynha: adorei só algumas que é meio sem sentido !!!
  • loana de campos: Adorei a sua ideia, vou tentar fazer
  • Liane: Olha, isso da própria criança gerenciar sua leitura é bem interessante, assim como vários outros aspectos...
  • giovanna: nãão , gosteei muito ;[[

Enquete

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.

Arquivo

Blogs do Estadão