ir para o conteúdo
 • 

Estadinho

11.maio.2013 07:00:01

Lobo bom

lobinho.jpg

(Por Aryane Cararo)

Um lobo bom é um lobo de verdade? Como responder a isso se nas histórias o lobo é sempre mau? E o que fazem os lobos bons? Eles uivam? Certamente. Derrubam casas? Não. Comem gente? Definitivamente não.

O lobinho Rolf, que era amigo da dona Julieta, gostava de fazer bolos, comia todos os legumes e era legal com os porquinhos e a Chapeuzinho. Um dia, o Lobo Mau o encontra e não acredita no que vê: um lobo bom?! É essa a história de O Lobinho Bom. Neste livro, você vai descobrir que Rolf tem, sim, um lado selvagem, principalmente quando mexem com seus amigos. Mas será que um lobo bonzinho sobrevive nas histórias infantis?

sem comentários | comente

  • A + A -
06.maio.2013 07:00:08

Objetos perdidos

chapeu.jpg

(Por Aryane Cararo)

Vivemos perdendo e encontrando coisas na rua, na escola, nos espaços públicos. Você já encontrou algum objeto que quis levar para casa? O que foi? Você chegou a se perguntar de quem poderia ser e a história que aquele objeto tinha vivido? Pois Hugo encontrou um chapéu esquecido num banco de praça no livro Chapéu. Imediatamente, ele começou a pensar em tudo o que poderia fazer com aquele chapéu: se proteger da chuva, do sol, fazer mágicas, deslizar em cima dele na neve. Ele queria levar para casa. Mas sua mãe fez uma simples pergunta: “E se alguém precisar deste chapéu?”

Hugo pensou na moça que molharia o cabelo na chuva, no salva-vidas torrando ao sol, no mágico sem truques e no menino que não brincaria na neve. E sabe o que Hugo fez? Pois tente imaginar!

Chapéu. Autor: Paul Hoppe. Brinque-book, R$ 31,80.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
01.maio.2013 07:00:49

Quantas Chapeuzinhos!

 chapeu2.jpg

(Por Aryane Cararo)

Sabia que nem sempre Chapeuzinho Vermelho acaba engolida pelo lobo? Depois que a história foi contada a primeira vez, muitas outras versões foram inventadas. A maioria só muda um ou outro detalhe. Mas algumas modificam terrivelmente o conto. E tornam essa obra clássica ainda mais viva e engraçada.

chapeu1.jpg

Um desses livros é Uma Chapeuzinho Vermelho, de Marjolaine Leray. A começar pelo formato simpático, menorzinho, que cabe sem pesar na mochila. As ilustrações também são muito diferentes, feitas em lápis, usando o mínimo de cor (só vermelho, preto, cinza e branco), e tão simples que ficaram muito legais! Nesse livro, a Chapeuzinho não é nada boba. Muito pelo contrário, ela engana o lobo direitinho. O lobo se acha esperto sequestrando a menina e levando para a mesa que, quando ela começa a fazer perguntas, ele nem desconfia de seu plano. Ela diz que ele tem bafo e não quer ser engolida por ele e oferece, então, uma bala para melhorar o hálito. Mas essa não era uma bala normal. Digamos que ela é feita da mesma maçã da Branca de Neve…

(Uma Chapeuzinho Vermelho. Autora: Marjolaine Leray. Companhia das Letrinhas, R$ 32)

 chapeu3.jpg

Já em Chapeuzinho Redondo, uma história de Geoffroy de Pennart, a menina encontra o lobo a caminho da casa da avó e não resiste: acorda o bichão com uma corneta. O lobo toma um baita susto e, com a cara atordoada, é confundido pela Chapeuzinho com um cachorro. O coitado acaba atropelado na história e fica de cama na casa da vovó. O problema é que a menina acha que ele engoliu sua avó e bate com o candelabro nele. E esta é a história do lobo que não conseguiu ser mau e só se deu mal.

(Chapeuzinho Redondo. Autor: Geoffroy de Pennart. Brinque-Book, R$ 29)

sem comentários | comente

  • A + A -
27.setembro.2012 18:15:12

Brincando com jornal

O Estadinho do último sábado (dia 22) falou de um livro muito legal, que mostra o quanto pode ser divertido um jornal. Reproduzimos abaixo o que saiu para você ver:

 j1.JPG

Mas, durante a semana, outra coisa muito legal aconteceu. A autora do livro, Patricia Auerbach, nos escreveu para compartilhar um vídeo em que fala um pouco sobre a origem da obra e ensina a fazer um chapéu, um barco e uma espada de papel. É muito bacana. Quer aprender? Pegue uma folha de jornal grandona e assista ao vídeo abaixo. Depois, é só colocar a imaginação para inventar mil histórias.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
03.agosto.2012 15:38:21

Não! Não! E não!

nao.jpg

(Por Aryane Cararo)

O que será que um cachorro pensa quando bagunça todo o jornal ou revira o lixo? Será que sente que está ajudando? Pois Não, o cachorro do livro Não!, dá sua versão dos fatos para tudo o que a gente pensa que é apenas travessura canina. Quando ele pega uma coxa de frango “emprestada” da mesa, é apenas para se certificar de que a comida está realmente perfeita para consumo dos donos. E você pensou que fosse diferente?

Pois esta história curtinha, de poucas palavras de Marta Altés, mostra o ponto de vista do cão, que só não entende porque sua coleira carrega outro nome. Uma ideia engraçada, com ilustrações idem, que renderem à autora a indicação no The People’s Book Prize 2012, da Inglaterra. E um final impossível de não rir.

 

Não! Autora: Marta Altés. Brinque-book, R$ 30,50.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
11.maio.2012 07:00:44

Quem será?

quem1.jpg

(Por Aryane Cararo)

O livro Quem É Ela?, de Eliane Pimenta, e lindamente ilustrado por Ionit Zilberman, propõe uma espécie de adivinha. Quer tentar identificar? Vamos dar aqui algumas pistas:

- tem pernas de guepardo para correr rápido;
- braços de polvo para segurar as coisas;
- ouvidos de elefante;
- barriga de ursa;
- e boca de maritaca.

Faça suas apostas. A resposta a gente não pode contar. Mas garantimos que você conhece uma!

Quem É Ela? Texto: Eliane Pimenta. Ilustrações: Ionit Zilberman. Editora Brinque-Book, R$ 28.

 

 

sem comentários | comente

  • A + A -
08.maio.2012 07:00:03

Esconde-esconde

analia.jpg

(Por Aryane Cararo)

Natália gosta de brincar de esconde-esconde. Mas como  se esconde um camaleão se ele já nasceu para se esconder? Bom, você já deve ter ouvido falar que os camaleões (aqueles répteis que se parecem com lagartos) têm a capacidade de mudar a coloração da sua pele de acordo com o ambiente. Isso se chama camuflagem. E quando eles fazem isso fica difícil para valer achar o lugar onde estão.

Mas Natália propõe a brincadeira justamente para outra camuflada: sua avó Anália. A vovó já conhece alguns segredos dos camaleões. Procura, procura, procura e, no fim, encontra a neta justo no momento em que Amália, mãe de Natália e filha de Anália, começa a procurar idosa. Então as duas, sapecas, ficam ali escondidas, a mais velha brincando de ser criança e a mais nova de ser experiente. Puxa, quanta palavra e papel trocado! Mas posso falar? Vale a pena ler essa doce confusão no livro Anália, Natália, Amália.

Anália, Natália, Amália. Texto: Lorenz Pauli. Ilustrações: Kathrin Schärer. Ed. Brinque-Book, R$ 29,90.

sem comentários | comente

  • A + A -
03.maio.2012 07:00:06

A cor da água

aquarela.jpg

(Por Aryane Cararo)

Que cor a água tem? Se você procurar em um livro de ciências, vai descobrir que a água não tem cor, nem cheiro, nem sabor. Mas se, por acaso, abrir o livro Aquarela, da Janaina Tokitaka, vai descobrir que água tem cor sim, como um dia você já deve ter suspeitado.

Afinal, diga você, o mar não parece ser bem colorido? Às vezes, está verdinho, outras, azul claro. Mas, se estiver bravo, pode virar até marrom! Um lago, muitas vezes, pode ser verde ou em tons de marrom, mas, se for fim de tarde, toda a água pode ficar maravilhada com o adeus ao sol e ficar vermelha, amarela e laranja. E se for água de cachoeira, até espuma branca pode aparecer! Vá dizer agora que água não tem cor! Pelo menos no mundo da poesia ela tem, e muitas… Neste livro gostoso de ler e de fantasiar, com as delicadas ilustrações da Janaina, você descobre algumas cores (e depois inventa outras).

Aquarela. Autora: Janaina Tokitaka. Editora Brinque-Book, R$ 28,70.

sem comentários | comente

  • A + A -

piratas.jpg

 

(Por Aryane Cararo)

Pirata é sujo, malvado e perigoso, não é? Pois era o que todo mundo de Mar-Nublado, uma cidade com 2.222 habitantes, pensava. “Eles usam roupas velhas e chapéus surrados. E me contaram que os seus navios estão de ratos infestados!”, dizia uma vizinha. “Os dentes deles são pretos e as unhas também!”, falou outra. Todos estavam de acordo: não era bom ter piratas numa cidade tão arrumadinha e certinha.

Quer dizer, quase todo mundo. Porque Matilda, uma menina que sentia falta de mais crianças para ser amiga, achou que eles eram bem legais, especialmente o Jim Júnior, um menino pirata. Ela foi a única amiga da família Bandeira-Pirata enquanto eles estiveram em terra firme (é que lugar de pirata, você sabe, é no mar e eles só ficaram numa casa enquanto o navio deles era consertado). Sim, eles foram embora. Mas, antes, deixaram uma surpresa para os vizinhos, para provar que eles não eram tão maus assim.

Será que eles mudam a opinião sobre a família dos mares? Isso você lê no livro Os Vizinhos Piratas, de Jonny Duddle, que tem ilustrações superlegais e um final irônico. Não sabe o que é irônico? Bom, se puder, leia o livro primeiro antes de perguntar a seu pai o significado (vai ficar mais fácil entender).

Os Vizinhos Piratas. Autor: Jonny Duddle. Editora Brinque-Book, R$ 39.

sem comentários | comente

  • A + A -
05.abril.2012 07:00:22

Amor à primeira vista

(Por Aryane Cararo)

Os irmãos Clara e Gabriel agora estão apaixonados. Mas não é nada disso que você está pensando. Não é paixão por meninos e meninas. É por objetos mesmo. Já teve uma coisa de que você gostava tanto que não queria tirar ou se separar mesmo na hora de dormir? Um brinquedo, uma fantasia, uma roupa…

cla.jpg

Pois foi o que aconteceu primeiro com a Clara, em A Tiara da Clara. Um dia, ela descobriu que gostava de tiaras: de estrelinha, antenas redondas, cristais, plumas, mãozinhas, orelhas… Isso até ganhar do Gabriel uma tiara azul de plástico e lantejoulas, com um laço bem grande. Foi amor à primeira vista. Ela não tirava nem para tomar banho.

gab.jpg

Gabriel estava achando isso tudo muito estranho. “Nunca vi alguém gostar tanto de uma tiara! Eu não tenho esse grude com nada neste mundo!”. Ele estava dizendo justamente isso quando seu pai entrou em casa com uma caixa. Dentro, tinha um par de botas azul com um raio amarelo. Ele ficou hipnotizado. Daquele dia em diante, não tirou mais as botas nem para jogar futebol. E isso você lê em As Botas do Gabriel.

Com uma narrativa simples, Ilan Brenman (que já escreveu Até as Princesas Soltam Pum) criou duas histórias fáceis de ler e de se identificar, ideais para quem está aprendendo a ler. E Silvana Rando (que já fez Gildo e Peppa) deixou tudo ainda mais interessante e divertido com suas ilustrações fofas.

E você, já se apaixonou por algum objeto? Conte para a gente: estadinho@grupoestado.com.br

A Tiara da Clara. Texto: Ilan Brenman. Ilustrações: Silvana Rando. Editora Brinque-Book, R$ 31,50.

As Botas do Gabriel. Texto: Ilan Brenman. Ilustrações: Silvana Rando. Editora Brinque-Book, R$ 31,50.

sem comentários | comente

  • A + A -
  • Galeria Estadinho

Comentários recentes

  • olivio jekupe: hoje em dia os autores indígenas estão cada vez mais publicando seus trabalhos, aqui na nossa aldeia...
  • kellynha: adorei só algumas que é meio sem sentido !!!
  • loana de campos: Adorei a sua ideia, vou tentar fazer
  • Liane: Olha, isso da própria criança gerenciar sua leitura é bem interessante, assim como vários outros aspectos...
  • giovanna: nãão , gosteei muito ;[[

Enquete

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.

Arquivo

Blogs do Estadão