ir para o conteúdo
 • 

Estadinho

30.janeiro.2013 07:01:15

O segredo da felicidade

segredo.jpg

(Por Aryane Cararo)

O que é felicidade? Esta pergunta é sempre muito complicada de responder. Às vezes, é melhor perguntar o que faz você feliz? Ou melhor, o que você gosta de fazer? Brincar com os amigos, comer sua comida preferida, ouvir uma música que mexe com você, ganhar um abraço… Todos esses sinais de carinho, amor, diversão fazem a gente sentir algo a que chamamos de felicidade. Isso torna a resposta um pouco mais fácil, mas ainda assim está longe de responder. Porque a felicidade mora em muitas coisas, mas só pode ser encontrada em um único lugar. Será que você sabe qual é?

Em A Menina e o Segredo da Avó, de Alexandre Perlingeiro, a neta descobre a resposta conversando com sua avó. E as ilustrações de Cláudio Martins tornam tudo mais alegre.

 

A Menina e o Segredo da Avó. Texto: Alexandre Perlingeiro. Ilustrações: Cláudio Martins. Autêntica, R$ 29,90.

 

sem comentários | comente

  • A + A -
28.janeiro.2013 07:00:09

Para todas as Linas

lina.jpg

(Por Aryane Cararo)

Lina quase não brinca. Não tem amigos. Não vai à escola. Em vez disso, ficava em casa ajudando sua tia Abigail, uma mulher que não gosta de poeira e que não sabe ser doce. Era Lina quem fazia o serviço da casa. Tirava pó, descascava batatas, areava as panelas, esticava os lençóis na cama, varria a casa, batia o tapete. Lina nunca podia repetir a sobremesa e, na festa de dona Abigail, não tinha o direito de nem comer coxinhas. Ela não reclamava, tinha medo dos olhares da tia. Apenas sonhava com o mundo do faz de conta nas suas tarefas domésticas (escondido, porque a tia ralhava). Até que um dia, no lixo, ela descobre uma carta que faz mudar sua atitude. Era de sua mãe.

Estrelas de São João, este livro sensível e um pouco triste, faz com que a gente fique torcendo para que Lina encontre, finalmente, a felicidade. Aliás, para que todas as Linas da vida real consigam ter um mundo de sonhos, fantasias e brincadeiras. Que possam ser crianças.

Estrelas de São João. Autora: Graziela Bozano Hetzel. Ilustrações: Elisabeth Teixeira. Manati, R$ 35.

sem comentários | comente

  • A + A -
26.janeiro.2013 07:00:33

Volta às aulas

Capa blog_1.jpg
(Por Natália Mazzoni)

O Estadinho desta semana viajou no tempo e foi até a sala de aula dos seus pais e avós para mostrar o que tinha dentro da mochila deles. Tem muita coisa diferente do que você usa na escola. Caneta-tinteiro, ábaco, cartilhas. Não viu ainda? Clique nas páginas abaixo e continue a leitura por aqui:

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

Mata-borrão, alongador de lápis…

Vamos descobrir o que mais fez parte da infância dos seus pais, avós e bisavós na escola?  Nós damos mais sugestões abaixo. Converse com eles, descubra outras coisas e conte para a gente nos comentários!

 

cin.bmp
O “cineminha” feito de madeira e rolo de papel era usado nas escolas para contar histórias em 1937. Fonte: CRE Mário Covas.

mat.bmp

Esse objeto estranho é um mata-borrão, usado para absorver o excesso de tinta das canetas tinteiro. Coleção: Sr.SebastiãoMartinsVieira, CREMárioCovas.

mochila.png

Na época de seus pais, ou avós, as crianças levavam os materiais em malas de couro. Foto: Reprodução

alongador.jpg

Os alongadores de lápis eram usados para fazer o lápis render até o finalzinho. Foi muito usado nos anos 1950 e 60. Foto: Reprodução

RETR___DECALQUES_ANOS_70.png

As meninas dos anos 1970 e 80 adoravam decorar seus cadernos com decalques. Era preciso mergulhá-lo na água para ele se soltar da embalagem e ter muita paciência para que o desenho não estragasse quando fosse passado para o papel. Foto: Reprodução

mimeografo.jpg

As provas na escola, até os anos 1980, vinham com cheirinho de álcool. É que as professoras “imprimiam” os testes nos mimeógrafos, uma espécie de impressora manual que funcionava com papel e álcool. Foto: Reprodução

Ana_Kelme.jpg

Os estojos com botões viraram febre entre as meninas nos anos 1980. Foto: Reprodução

desenhocop.jpg

Os livros Desenhocop ajudavam na lição de casa de quem não sabia desenhar nos anos 1960. Era só passar o lápis por cima dos decalques e pronto! Foto: Reprodução

img_190023840_1328612956_abig.jpg

Os globos terrestres eram essenciais nas aulas de geografia! Foto: Reprodução

img.jpg

As lancheiras de plástico com garrafinha eram moda nas escolas nos anos 1970! Foto: Reprodução

 

 

comentários (15) | comente

  • A + A -
26.janeiro.2013 06:55:09

E você, tem medo de quê?

medo2.jpg

Clique aqui para ampliar

Uma coleção de livros muito legal sobre medos acaba de ser lançada pela editora Salamandra. Escrita por Ruth Rocha, tem texto em versos muito divertido e ilustrações muito bacanas da Mariana Massarani, que contou para o Estadinho quais são seus medos. Clique aqui e leia a entrevista.

sem comentários | comente

  • A + A -

Andi Rubenstein conta hoje a história do menino que carregava água na peneira, de Manoel de Barros.

sem comentários | comente

  • A + A -
26.janeiro.2013 06:50:21

Zumbis do faroeste

theo.JPG

O Theo Guimarães, de 9 anos, mora em Santa Isabel, no interior de São Paulo, e nos mandou uma história sobre os Zumbis do Faroeste. Uma parte foi publicada no Estadinho impresso, mas você lê o texto inteiro aqui:

 

“A história dessa vez vai ser de um faroeste, calmo, tranquilo e sossegado, porém, cheio de mortos-vivos, comedores de carne humana! Num certo dia, uma escola fez um passeio ao Faroeste da Cascavel, no dia 12 de maio de 2012. Um grupo ia ter que pegar a bandeira da cor do time adversário, por isso, eles terão que achar. Naquele faroeste, tinha uma mina abandonada, onde colocaram placas assim: ‘Cuidado! Não entre! Não entre desarmado! Proibido!’

Chegando ao Faroeste da Cascavel, eles encontraram um moço falando assim:

- Cuidado! Tem pessoas que não são normais, então, tomem muito cuidado, para vocês que são jovens! Sobrevivam o quanto puderem!

Ele achou estranho aquilo de ‘Sobrevivam o quanto puderem!’ Desconfiou dessa frase assustadora, mas continuou em frente. A professora disse assim:

- Que comece a corrida!

Todos começaram a procurar, mas o grupo foi parar perto da mina! Eles encontraram as placas, mas não duvidaram. Pegaram tochas e começaram a andar. Então, ouviram gemidos estranhos. Eles ficaram com medo e não conseguiam ver a luz da entrada da mina. O gemido começou a ficar alto, alto, alto, até aparecer um zumbi!

Um aluno chamado Zeck foi pego!

(LEIA O FINAL A PARTIR DAQUI)

Os outros correram para a entrada da mina. Largaram as tochas e correram para o ônibus. O aluno foi achado morto, sem um braço, estava quase de olhos abertos, mas não virou um também. Os alunos ficaram com medo e perceberam o último aviso: ‘Não entre desarmado!’

Uma mão sem o dedo indicador, do aluno Zeck, que foi pego pelo zumbi, levantou gemendo e saiu à procura de carne!

À noite, os alunos iam dormir pensando que estava tudo bem, mas não estava. Ouvindo os gemidos do seu amigo Zeck, eles ficaram com medo e foram ver o que era.

- Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!

- O que foi isso? – perguntou o Lucas.

- Não sei – respondeu seu amigo.

Eles saíram da cama e foram ver o que era. Eram dois Zumbis se alimentando da carne dos outros amigos.

- Cara! Vamos sair daqui! – disse Lucas, apavorado.

- Tá bom – respondeu seu amigo, com muito medo.

Eles saíram! Foram se esconder no porão da casa de madeira. Com muito medo, os dois ouviram gritos de crianças. O homem que lhe disse estava lá fora com uma arma, atirando, lutando pela sobrevivência das outras pessoas. Ele abriu a porta do porão e disse:

- Vamos! Nós não temos muito tempo de vida!

Eles saíram do porão apavorados e entraram no ônibus escolar com uma rapidez! Mas lembraram que tinha um morto-vivo a bordo. Eles gritaram tanto que ele começou a ficar com medo também. O Lucas deu um belo de um chute na fuça do zumbi e ele até parou de gemer, indo embora. Os dois conseguiram sobreviver a tempo!

Voltando para casa a salvo, eles tomaram um belo de um banho na casa de sua mãe, o moço, ele e o amigo. Todos ficaram apavorados com o terror. Mas, desta vez, não deu certo. A mina, como estava aberta, soltou os outros zumbis. Então, as outras pessoas começaram a acreditar na história. Mas, aos poucos, os zumbis foram chegando numa vagareza.

Olha, essa parte eu não vou contar, porque a parte 2 do Zumbis no Faroeste ainda vai ser lançada.”

1 Comentário | comente

  • A + A -
23.janeiro.2013 07:00:59

É tupituguês

taina.jpg

(Por Aryane Cararo)

Que palavra maluca é esta? Tupituguês é uma mistura de tupi, um língua indígena, com português. Quem fala isso? Todos nós! É que muitas palavras indígenas foram absorvidas pela língua portuguesa e hoje as pronunciamos sem nem desconfiar. Por isso, no livro O Mundo de Tainá, Uma Aventura em Tupituguês, a indiazinha Tainá (aquela do filme) conta o significado de muitas palavras em tupi e algumas curiosidades sobre elas. O livro tem também muitas lendas, como a do Curupira, do Caipora, da Flecha-cobra, do guaraná, do Muiraquitã… e algumas brincadeiras. É bem divertido e muito curioso!

Você sabia, por exemplo, que “sapeca” vem do tupi sapeg e significa “tostar ao fogo”? Quando dizem que uma criança é sapeca é porque ela é bem atiçada como o fogo, explica Tainá. E é por isso que o verbo “sapecar” quer dizer fazer uma coisa bem rápida. Gostou?

Quer tentar identificar algumas palavras? Relacione os nomes aos seus significados!

1) Abacaxi
2) Açaí
3) Bambu
4) Cupuaçu
5) Goiaba
6) Pipoca

 

A) Só a casca
B) Ajuntamento de caroços
C) Fruta que chora
D) Fruta cheirosa
E) A pele que dá estalos
F) Fruta grande

 

E fique esperto que Tainá logo, logo estará nas telinhas de novo. No dia 8 de fevereiro, estreia o filme Tainá – A Origem. O Estadinho conta mais em breve!

 

O Mundo de Tainá, Uma Aventura em Tupituguês. Texto: Cláudia Levay. Ilustrações: Isabel de Paiva. Companhia das Letrinhas, R$ 29,50.
Respostas: 1 – D, 2 – C, 3 – A, 4 – F, 5 – B, 6 – E

sem comentários | comente

  • A + A -

(Aryane Cararo)

Passar as férias no shopping pode ser bem divertido. Em São Paulo, a maioria tem atividades até o fim de janeiro. Alguns, estendem as brincadeiras para o mês de fevereiro. Boa parte é ambientada em personagens, como a Barbie e os carrinhos Hot Wheels no São Bernardo Plaza Shopping, a Turma da Mônica no Butantã e no Bourbon, o Tarzan no Villa-Lobos, a Galinha Pintadinha no Granja Viana e a tartaruga Sammy no Tamboré. Em outros, há atividades de costura e pintura, como no Frei Caneca, e montagem de brinquedos, no JK Iguatemi.

O Estadinho foi conferir se as atrações eram realmente divertidas e visitou dois shoppings para conversar com quem estava lá. No São Bernardo Plaza, as atividades da Barbie deixavam as meninas maluquinhas. Por fora, já é muito legal: uma exposição com 65 bonecas Barbie Collectors.

 

 

Mas, por dentro, é demais: as garotas podem ser a própria Barbie! Elas escolhem as roupas da Barbie que estão nas araras e se vestem para uma foto no closet, que tem até perfume da boneca. Depois, seguem para uma mesa em que escolhem que roupas e acessórios vão vestir na Barbie. No fim, as bonecas desfilam e as meninas ganham até certificado de “estilistas”. É tudo muito legal. Mas tem duas coisas ruins: a espera (por senha) pode levar até 3 horas no fim de semana e tudo passa muito rápido, já que cada turma de garotas fica no espaço por apenas 15 minutos. Perguntei para as meninas se realmente vale a pena. E elas me disseram: “Sim!!!”

Já os meninos podiam se divertir ao lado, nos games e nas pistas de Hot Wheels. Tinha até competição: quem lançasse o carrinho com mais força e habilidade ganhava a corrida e tirava foto no pódio, como campeão. Se vocês ficaram animados com a ideia, é bom se apressar: a atividade fica no shopping só até o dia 25 de janeiro.

Também fomos ao Frei Caneca para ver as crianças costurando e personalizando suas próprias bolsas. Para quem acha que o Ateliê de Bolsas é atividade só de menina, está enganado. Muitos meninos passaram por lá para fazer bolsas e presentear as mães e as tias. A atividade acontece a cada 50 minutos e as monitoras ajudam com a costura. Mas, na hora de enfeitar a bolsa, todo mundo fica livre para colar o que quiser. Fica muito legal sair desfilando sua própria criação. Quem não quer, pode ficar na oficina de pintura ao lado. O ponto ruim é que só tem duas máquinas de costura e, por isso, é preciso esperar um tempinho para chegar sua vez. As atividades no Frei Caneca vão só até o dia 27 de janeiro.

Veja nas fotos abaixo o que conversamos com as crianças que estavam lá. E se você quiser saber o que acontece nos outros shoppings, continue a leitura mais abaixo.

 

Barbie Tudo Pode Acontecer! e Team Hot Wheels
São Bernardo Plaza Shopping (Av. Rotary, 624, São Bernardo do Campo). Diariamente, das 10h30 às 22h30. Até 25 de janeiro. Para crianças de 4 a 12 anos.

Ateliê de Bolsas e Oficina de Arte em Madeira
Shopping Frei Caneca (Rua Frei Caneca, 569, Cerqueira César). Diariamente, das 14 h às 20 h. Até 27 de janeiro. Para crianças de 4 a 12 anos.

Sammy – A Grande Fuga
Tem campeonato de badminton (jogo parecido com o tênis, em que se usam petecas e raquetes), tem preparação e decoração de cup cakes (monitores é que cuidam do forno elétrico), oficina para fazer marcador de livro com palito de sorvete e outra brincadeira para separar o lixo do mar numa piscina de bolinhas. Tem também games com tema aquático no Wii e uma gincana num navio cheio de passagens secretas.
Shopping Tamboré (Av. Piracema, 669, Tamboré, Barueri). De segunda a sábado, das 12 h às 20 h, e domingos e feriados das 14h às 20 h. Até 3 de fevereiro. Para crianças de 4 a 12 anos.

O Pequeno Tarzan

Ambientado na selva, as crianças poderão fazer arvorismo indoor, com escalada e tirolesa, pintura com a Jane e reproduzir o som de um elefante usando instrumentos musicais. Tem ainda cineminha, jogos de Wii e brinquedoteca.
Shopping Villa-Lobos (Av. das Nações Unidas, 4.777, Alto de Pinheiros). De segunda a sábado, das 10 h às 22 h; e aos domingos e feriados, das 14 h às 20 h. Até 17 de fevereiro. Para crianças de 3 a 12 anos.

Fábulas com a Turma da Mônica
Tem seis áreas temáticas relacionadas a histórias clássicas como João e Maria. Mas tudo com a Turma da Mônica! Tem a Doce Casinha da bruxa da história de João e Maria, o Labirinto-Floresta que leva até a casa da Vovó da Chapeuzinho Vermelho, teatrinho de fantoche da turma e as crianças ainda podem se vestir como personagens dos contos de fadas.
Shopping Butantã (Av. Francisco Morato, 2.718). Das 14 h às 20 h. Até 17 de fevereiro. Para crianças de 4 a 12 anos.

Click Oficinas
Daniel Warren, do Click do canal Gloob, estará no Shopping Vila Olímpia com atividades semelhantes àquelas que ele apresenta na tevê. As crianças poderão montar Chapéu Feliz, Girocóptero, Cartão Boca e Peteca (as oficinas duram de 30 a 60 minutos)
Shopping Vila Olímpia (Rua Olimpíadas, 360, Vila Olímpia). Das 14 h às 19h30 (Daniel participará das oficinas nos dias 26 e 27 de janeiro e 2 e 3 de fevereiro). Até 3 de fevereiro. Para crianças de 2 a 12 anos

Eco-Alegria com a Turma da Mônica
São seis atrações apresentadas pela turma com temática de conscientização ambiental. Tem luta para salvar o planeta e combater o Capitão Feio no Jogando contra a sujeira, tem o Despoluidor, uma invenção do Franjinha para despoluir os rios usando braços mecânicos, o Animais em perigo, o Bola ao cesto reciclável e uma atividade muito legal: o Força no pedal, em que a criança pedala para acender uma lâmpada ou ligar um notebook.
Bourbon Shopping (Rua Turiaçu, 2.100, Pompeia). De domingo a sexta, das 14 h às 20 h e, aos sábados, das 10 h às 20 h. Até 27 de janeiro. Para crianças de 4 a 12 anos.

Arte com CFK – Creativity for Kids
Em três espaços da Faber-Castell no JK Iguatemi, as crianças vão poder decorar e levar para casa peças dos brinquedos Minijogo de chá e Panelinhas gourmet, pintar seu próprio toy art inflável ou simplesmente pintar e desenhar à vontade.
JK Iguatemi (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2.041 – 3º piso). Sábado e domingo, das 14 às 20 horas. Até 27 de janeiro. Para crianças a partir de 2 anos.

 

 

 

 

sem comentários | comente

  • A + A -
19.janeiro.2013 07:00:49

Cães heróis

Capa_blog.jpg

(Por Natália Mazzoni)

Quem leu o Estadinho desta semana já sabe que Rati, Beck e Google treinam duro para salvar vidas. Eles são diferentes dos heróis dos quadrinhos, não têm superpoderes e não usam uniformes. E eles são cachorros! Não leu ainda? Clique nas páginas abaixo, depois, volte aqui para saber mais sobre o trabalho dos “cães bombeiros”, conhecer Joe Spencer, o cachorro “terapeuta” que trabalha no Hospital São Paulo e Boris, o cão-guia que mudou a cidade.

Página 1

Página 2

Google, o buscador

Como você viu em nossa reportagem de capa, os cães do quartel dos bombeiros treinam ainda filhotes para aprender a achar pessoas em situações de emergência. Quando o Estadinho visitou o quartel, Google exibiu suas habilidades encontrando um bombeiro que estava escondido em uma das caixas. Se você ficou curioso para ver como isso aconteceu, assista ao vídeo abaixo.

Boris, o cão-guia

0__12106249_EX_00.jpg
Foto: Reprodução

O cão da foto acima é muito especial. Seu nome é Boris e ele foi os olhos de sua dona, Thays Martinez, por 8 anos. Ele morreu em 2009, mas seu trabalho jamais será esquecido. E não é só por sua dona. Boris fez parte de uma história que trouxe algo muito bom para a cidade de São Paulo: o direito de acesso irrestrito por cães-guia ao metrô. Tudo começou em 2000, quando sua dona foi impedida de usar o transporte público por estar na companhia de um cachorro, já que animais não são permitidos no lugar. A história do labrador virou até livro, o Minha Vida Com Boris (Editora Globo, R$ 24,90).

Joey, o cão terapeuta

Uma vez por semana, o golden retriever Joe Spencer, de 8 anos, percorre o Hospital São Paulo. Seu trabalho é visitar crianças, idosos e adultos que estejam internados. O cão é supervisionado e acompanhado por veterinários, vacinado e vermifugado, para que não tenha nenhum problema de contaminação nas visitas, que já acontecem há 6 anos. Mansinho, ele coloca a pata em cima da cama, deita a cabeça no colo dos pacientes, brinca e recebe carinho de todo mundo. É um terapeuta que não fala, mas sente tudo ao seu redor.

Quer conhecê-lo? Clique na nossa galeria de fotos.

 

comentários (2) | comente

  • A + A -
19.janeiro.2013 06:55:59

A mosca no leite

Andi Rubenstein conta a história da mosca que caiu na panela de leite. Como ela fará para se salvar? Veja!

1 Comentário | comente

  • A + A -
  • Galeria Estadinho

Comentários recentes

  • olivio jekupe: hoje em dia os autores indígenas estão cada vez mais publicando seus trabalhos, aqui na nossa aldeia...
  • kellynha: adorei só algumas que é meio sem sentido !!!
  • loana de campos: Adorei a sua ideia, vou tentar fazer
  • Liane: Olha, isso da própria criança gerenciar sua leitura é bem interessante, assim como vários outros aspectos...
  • giovanna: nãão , gosteei muito ;[[

Enquete

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.

Arquivo

Blogs do Estadão