ir para o conteúdo
 • 

Estadinho

22.setembro.2012 07:00:23

De papo para a lua

lobo1.jpg

Você já viu um lobisomem? Tem gente que jura ter visto um monstro desses por aí. O Estadinho desta semana está cheio de curiosidades sobre este ser meio homem, meio lobo, que surge em noites de lua cheia. Na 10ª edição do Festival Internacional de Cinema Infantil (Fici), um dos filmes é Alfie, o Pequeno Lobisomem, em que o protagonista é exatamente um destes monstros. Quando completa 7 anos de idade, Alfie descobre que é diferente das outras crianças. Pelos surgem por todo o seu corpo, bem como uma grande vontade de comer galinha. Clique nas páginas abaixo para ler o que saiu no papel.

Página 1

Página 2

Assim como o garoto, os lobisomens que foram vistos no Brasil costumam atacar galinheiros e fazendas de gado para se alimentar. Mas alguns deles têm um gosto meio diferente. Na cidade de Mariana, em Minas Gerais, um senhor viu um grupo grande desses monstros invadindo e atacando uma plantação de goiaba. Quem conta é o secretário-geral da Associação dos Caçadores de Monstros de Mariana, Leandro Henrique dos Santos.

Este tipo bem brasileiro de monstro é chamado de Lobisomem Pezão, já que tem patas muito grandes. “Ele é maior do que os outros e geralmente anda em grupos”, conta Leandro. Além disso, é muito mais rápido do que um ser humano. No interior de Minas Gerais, os habitantes ficam acordados durante as noites de lua cheia para vigiar as plantações. Eles tentam capturar os lobisomens, mas nunca conseguiram pegar nenhum.

Saiba mais sobre o Festival Internacional de Cinema Infantil (Fici)

O caderno Divirta-se, do Estadão, publicou ontem uma matéria especial para aproveitar bem o Fici na cidade de São Paulo. Mais do que isso, entrevistou crianças para dizer o que vale a pena ser visto dos 100 filmes (70% deles inéditos). Nós reproduzimos aqui a reportagem para que você não perca nenhum detalhe!


fici1e2.jpg

Clique aqui para abrir páginas 1 e 2

fici3e4.jpg

 Clique aqui para abrir páginas 3 e 4

fici5e6.jpg

Clique aqui para abrir páginas 5 e 6

fici7e8.jpg

 Clique aqui para abrir páginas 7 e 8

 

Entrevista com Carla Esmeralda

Pergunta de Maria Eduarda Musolino Japiassu, de 8 anos:

Quanto tempo demora para traduzir um filme?
A tradução dos diálogos dura no máximo três dias. Depois, recebemos os materiais de dublagem dos produtores dos filmes e partimos para o estúdio. O processo no estúdio pode durar entre 4 e 7 dias, dependendo do número de personagens e duração do filme.

Perguntas de Guilherme Dantas Rameh, 10 anos:

De quem foi a ideia de criar este festival e como foi o processo até ele virar realidade?
A ideia foi da Carla Camurati.  Ela viu um festival de filmes para crianças em Estocolmo e pensou: “Quero fazer um festival assim para as crianças brasileiras!” Como um festival precisa de muita gente que goste da ideia, ela começou a convencer as pessoas de que seria incrível fazer um festival no Brasil.  Primeiro, os profissionais da Rede Cinemark. Depois, ela me convenceu que a ideia era boa. Eu convenci produtores de cinema no mundo todo.  É assim: se você tem uma boa ideia, deve convencer as pessoas de que elas devem contribuir para que  se torne realidade.

Como se faz para traduzir um filme cuja língua poucas pessoas falam no Brasil, como “Meu Nome é Kalam”, que é indiano?
Os indianos têm mais de 20 dialetos, então, eles falam inglês como segunda língua. No caso da Dinamarca, Noruega, Finlândia e outros, recebemos a lista de diálogos em inglês para a tradução.

Perguntas de Rodrigo Dantas Rameh, 10 anos:

Há outros países em que há este tipo de festival?  
Sim, há festivais como este no mundo todo.  Eu já fui a festivais assim na Holanda, Alemanha e Estados Unidos.

Qual filme do festival mais a marcou?
Gosto muito dos filmes da roteirista holandesa Mieke De Jong.  Nesta edição do Fici, vocês podem ver Tony 10 – filme escrito por ela e dirigido por Misha Kamp.

 

 

 

 

sem comentários | comente

  • A + A -

Deixe um comentário:

  • Galeria Estadinho

Comentários recentes

  • olivio jekupe: hoje em dia os autores indígenas estão cada vez mais publicando seus trabalhos, aqui na nossa aldeia...
  • kellynha: adorei só algumas que é meio sem sentido !!!
  • loana de campos: Adorei a sua ideia, vou tentar fazer
  • Liane: Olha, isso da própria criança gerenciar sua leitura é bem interessante, assim como vários outros aspectos...
  • giovanna: nãão , gosteei muito ;[[

Enquete

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.

Arquivo

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo