ir para o conteúdo
 • 

Estadinho

DSCF0383__640x361_.jpg

(Por Natália Mazzoni)

O tempo perguntou para o tempo quando tempo o tempo tem. Afinal, quanto tempo o tempo tem? Pergunta estranha essa, não é? Foi assim que começou o Circuito Estadinho do último sábado, lá na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos.
As Contantes Contentes Kika Antunes e Renata Truffa contaram histórias que falavam sobre o tempo. Teve o conto de uma menina que deixava tudo para daqui a pouco, da formiga que perdeu tanto tempo reclamando que não viu a neve derreter e a de um pescador que passou 300 anos no fundo do mar. Essa última foi bem legal, e teve até quem ficou bem triste com o final da história. Mas, como no Circuito Estadinho todo mundo é feliz, as meninas quebraram o clima com uma adivinha muito engraçada. Nossa, quanta emoção! Quer ver as fotos de quem apareceu por lá?

sem comentários | comente

  • A + A -
28.abril.2012 07:00:08

Para ver estrelas

capa blog_2.jpg

(Por Natália Mazzoni)

Quem leu o Estadinho deste sábado (28), já aprendeu como nasce e como morre uma estrela. Também ganhou um mapa com indicações de como achar constelações no céu. E ainda ficou sabendo como ouvir o barulho da rotação das estrelas e onde encontrar um meteorito de verdade. Não viu ainda? Clique nas páginas abaixo. E continue lendo este texto, pois tem dicas de livros legais sobre o espaço e um programa de computador que deixa você passear pelas estrelas.

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

Livros

omais.jpg

 Zoo Cósmico, galáxias cintilantes, produtos espaciais, robôs exploradores. Essas coisas parecem até de outro mundo, não é? Tudo isso está num livro lindo, cheio de ilustrações incríveis. O Mais Sensacional Guia Intergaláctico do Espaço – Por Ideias Brilhantes explica muitas (muitas coisas mesmo!) sobre o universo. Você vai se divertir e aprender bastante.

O Mais Sensacional Guia Intergaláctico do Espaço – Por Ideias Brilhantes, de Carlos Stott com ilustrações de Lisa Swerling e Ralph Lazar, Companhia das Letrinhas, R$ 42.

 9788524915055.jpg

Luquinhas e Julinha eram fascinados pelas estrelas e todas as noites observavam o céu. Um dia, eles embarcaram na maior aventura de suas vidas. Na história do avô Deslandes eles viajaram até o Sistema Solar!
Conheceram o Sol, os planetas, as estrelas e as constelações no Uma Aventura no Espaço. Quer embarcar nessa viagem?

Uma Aventura no Espaço, de Iara Jardim e Marcos Calil com ilustrações de Silvana de Menezes, Editora Cortez, R$ 29.

Um programa de estrelas

Se você gostou muito da ideia de ver estrelas, pode instalar no seu computador o Stellarium. Você vai precisar da ajuda de um adulto para entender todas as funções do programa, mas vale a pena, já que, com ele, você pode ver o céu de várias cidades do mundo, como Paris, na França. Dá para ver também o desenho das constelações e a localização de alguns planetas. Para instalar clique aqui.

 

Planisfério

Outro passo para descobrir mais constelações no céu é usar um planisfério (uma representação do céu em forma plana) da Olimpíada Brasileira de Astronomia Astronáutica. Você vai precisar imprimir três partes desse “esquema”. Uma explica como funciona e as outras duas devem ficar sobrepostas (uma em cima da outra).

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Agora, é só quebrar a cabeça para achar todas as constelações. Bons céus!

1 Comentário | comente

  • A + A -
28.abril.2012 06:55:08

Siga esta entrevista!

seta1.jpg

(Por Aryane Cararo)

A portuguesa Isabel Minhós Martins é uma autora que volta e meia aparece aqui nas indicações de livros do Estadinho. Isso porque ela escreve livros muito legais. Tão legais que o que ela publica lá em Portugal, pela editora Planeta Tangerina, acaba interessando às editoras daqui do Brasil. E conquista fácil, fácil muitos leitores. Ela já escreveu Meu Vizinho é um Cão, A Manta, Pê de Pai e vários outros muito bons. E agora fez o incrível Siga a Seta! (Cia. das Letrinhas, R$ 33). Por que é incrível? Porque tem uma ideia muito boa, daquelas que fazem a gente pensar na vida, e desenhos bacanas do Andrés Sandoval. Falamos dele no Estadinho de papel, vocês viram? Se não, clique no link abaixo. E quem ficou com gostinho de quero mais, pode ler a entrevista completa que a Isabel deu. Vale a pena!

Clique aqui para abrir a página

isabel1.jpg

 

Estadinho:  Como surgiu a ideia de Siga a Seta?
Isabel: A ideia para o Siga a Seta surgiu num daqueles dias, entre 2.ª e 6.ª feira, em que temos os minutos contados para tudo e corremos para todo lado… Nesses dias, está tudo tão programado que há pouquíssimo espaço para o imprevisto e para o devaneio, e a sensação que tenho é a de que quase nem somos pessoas. Mais parecemos robôs a cumprir um horário e uma série de tarefas predestinadas. E a sensação não é muito boa. Sobretudo quando esta rotina claustrofóbica se repete dias após dia, acho que corremos grande perigo. Deixamos de viver com os olhos abertos, deixamos de procurar coisas novas, não deixamos que a surpresa entre nas nossas vidas, deixamos de ter tempo para olhar e ouvir os outros e também para deixar fluir os pensamentos. Tudo isso mata a imaginação e, acho eu, uma série de outras coisas importantes: a liberdade, o sentido crítico, a capacidade de pensarmos pela nossa cabeça.

Portanto, estas setas iniciais que deram origem ao livro são setas do quotidiano, muitas vezes colocadas por nós próprios e não por outros. Depois, à medida que fui desenhando a história, as setas ganharam uma dimensão diferente e podem ser setas mais universais, que podem significar, por exemplo, a tendência a seguirmos um rebanho, uma moda, uma mania, uma ideia imposta de fora que não questionamos… Ou até falta de liberdade imposta por terceiros, repressão mesmo.

Que setas você encontrou em sua vida?
Aquelas setas que toda gente encontra: as do “tens que fazer porque os outros fazem”… Ou as mais relacionadas com horários muito rígidos.

Qual foi o pior lugar que uma seta a levou?
Talvez ir parar a um centro comercial (shopping) numa véspera de Natal…

E os melhores?
Por exemplo, aquela ideia que aparece no livro: ir à praia nos dias de inverno. Não gosto dos lugares onde há grandes multidões e prefiro praias desertas, aquelas que não vêm nos mapas. Também gosto muito quando decido viajar por uma estrada mais rural, pouco movimentada. E gosto de ignorar a seta que diz: “Agora tens de comprar isto porque toda a gente já tem!”. “Reduz as necessidades se queres passar bem”, diz um cantor de que eu gosto muito…

Quando devemos fugir das setas?
Quando as setas nos levam para lugares perigosos. Fuja dessas setas, rápido!
Quando as setas nos dizem para fazermos uma coisa com a qual não concordamos ou que não nos faz sentir bem.
Quando as setas não nos deixam pensar pela nossa cabeça, ter a nossa opinião.
Quando as setas nos levam sempre aos mesmos lugares e nos impedem de ter ideias novas, de ser criativos!
Quando as setas nos roubam o espaço para respirar, preguiçar… Filosofar.
Quando as setas correspondem a regras tontas, impostas por uma sociedade preconceituosa.

E quando devemos segui-las?
Esta pergunta é importante! Quando escrevi este livro, não foi com a intenção de que os leitores começassem de repente a desrespeitar as regras. As regras são importantes, até a rotina é muito importante. Por exemplo, para as crianças  é algo estruturante e fundamental: deve haver uma hora para dormir, acordar, comer, brincar e aprender. E, para vivermos todos juntos em sociedade, seria um caos se não existissem regras: imaginem se não existissem setas no trânsito, por exemplo!
Claro que este livro é uma caricatura, no sentido em que exagera a ideia para se perceber melhor a mensagem. Por isso digo: as setas do trânsito são para seguir, as regras relacionadas com o respeito por nós próprios e pelos outros também. Mas é importante pensar na razão das regras e não fazer as coisas só “porque sim”. “Questionar as coisas”, ora, aí está uma frase boa para vir escrita numa seta!

sem comentários | comente

  • A + A -
27.abril.2012 15:39:14

Contando o tempo

contantes.jpg

Às vezes, o tempo passa muito rápido. Geralmente, esses dias são aqueles em que brincamos e nos divertimos muito. Mas tem horas que uma hora demora a passar… Como quando a gente tem prova ou uma aula de que não gosta. Afinal, quanto tempo o tempo tem?

Se você gostou do assunto não perca o Circuito Estadinho deste sábado (dia 28). Kika Antunes e Renata Truffa, do grupo Contantes Contentes, vão trazer histórias sobre isso. Será às 15 h, na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos.

 

Circuito Estadinho: contação de histórias com Contantes Contentes na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos (Av. das Nações Unidas, 4.777, Alto de Pinheiros), às 15 h. Grátis!

 

sem comentários | comente

  • A + A -
26.abril.2012 07:00:56

Como são as suas asas?

asas.jpg

 

(Por Aryane Cararo)

Lia queria ter asas para voar como os passarinhos. Pediu para sua mãe, que era ilustradora, desenhá-la. Mas nenhuma asa parecia ser a sua asa. Elas não eram como as das aves. Também não eram leves como as nuvens. Nem pesadas como o chumbo. Sua mãe a desenhou com todo o tipo de asas que podia imaginar: de queijo, de bolhas de sabão, de papel, de borboleta, de morcego… e nada! Nem mesmo Lia sabia de que tipo eram suas asas e para onde queria voar. Mas foi só dormir para um sonho revelar como ela podia voar.

O livro Asas, de Maya Hanoch, com lindas ilustrações de Ofra Amit, ambas moradoras de Israel, tem uma ideia desafiadora: se pudesse voar, que tipo de asa seria a sua? Acho que eu gostaria de uma que soltasse tinta e pudesse colorir os lugares feios e os sentimentos ruins. Uma que lançasse estrelinhas a cada batida também não seria má ideia. E você, que asa teria?

Asas. Texto: Maya Hanoch. Ilustrações: Ofra Amit. Editora Peirópolis, R$ 42.

sem comentários | comente

  • A + A -
24.abril.2012 07:05:41

Papel sensível ao toque

aperte.jpg

(Por Aryane Cararo)

O livro Aperte Aqui, do francês Hervé Tullet, até parece um tablet. Sabe aqueles livros digitais que pedem que você vire o iPad para os objetos ficarem todos bagunçados na tela? Hervé utiliza esse mesmo princípio da brincadeira. Mas, em vez de usar uma tela sensível ao toque, quem é “sensível”, neste caso, é o próprio papel.

Tudo começa com uma bolinha amarela e um aviso: “Aperte a bola amarela e vire a página”. É preciso seguir as instruções direitinho. Então, você vira a página e estão lá duas bolinhas amarelas. Aos poucos, descobre que dá para assoprar o papel para afastar a cor preta, sacudir o livro para bagunçar as bolinhas, clicar para acender a luz…

Não tem nada de pop-up, nada salta do papel. É só a imaginação mesmo que tem de ser usada para essa brincadeira inocente de Hervé funcionar. Pode ser que, depois de brincar uma vez, você até ache que o livro serve só para seu irmão menor. Mas você vai concordar com uma coisa: a ideia é genial! E superdivertida de brincar.

Aperte Aqui. Autor: Hervé Tullet. Editora Ática, R$ 28,50.

sem comentários | comente

  • A + A -

mad_abre.JPG

 

(Por Aryane Cararo)

Parecia até filme de terror: uma neblina tomou conta da seção infantil da Livraria Cultura do Bourbon Shopping no último sábado, dia 21. Mas não era nada disso. Era só o final da apresentação da Mad Science no Circuito Estadinho. Os cientistas malucos foram lá para falar dos três estados da matéria: sólido, líquido e gasoso. Como nenhuma apresentação deles nunca é muito normal, teve gelo seco, imitação de molécula, bolhas de vapor de gelo seco e muita gente curiosa com as experiências. No fim, todo mundo foi embora com um folder para fazer seus experimentos malucos em casa. Vejam como foi:

 

 

O próximo Circuito Estadinho, de 28 de abril, vai ter histórias do grupo Contantes Contentes. Eles vão falar quanto tempo o tempo tem na Livraria Cultura do Shopping Villa-Lobos, às 15 horas. Apareça!

sem comentários | comente

  • A + A -
21.abril.2012 07:10:45

Dia de fazer o bem

capa.jpg

(Por Natália Mazzoni)

Quem leu o Estadinho de hoje já descobriu que a próxima quinta-feira, dia 26, será bem especial. É dia de fazer o bem, de pensar positivo e imaginar um mundo muito melhor.

O Dia Mundial da Boa Ação surgiu na Austrália, em 2007, e já tem vários seguidores pelo mundo. Aqui, no Brasil, a Corrente do Bem é um deles. Com início no ano passado, o movimento tem como proposta conscientizar as pessoas do valor das boas ações e do impacto delas para o mundo. E a novidade deste ano é o Mapa do Bem, um mapa virtual em que qualquer pessoa pode registrar uma boa ação, feita ou recebida.

O mapa já está cheio de pontos de luz pelo Brasil, que indicam que coisas boas foram feitas ali. Você pode se juntar ao movimento e registrar sua boa atitude no mapa, é só acessar o site do movimento clicando aqui. Não sabe o que fazer? O Estadinho desta semana ajuda você com várias ideias. Tem histórias de crianças que fizeram algo grande pelo mundo e de outras que fizeram simples (mas boas) ações num fim de semana.

Página 1

Página 2

Página 3

Página 4

 A Corrente do Bem

corrente_bem2.jpg

Cena do filme A Corrente do Bem (Foto: Reprodução)

A Corrente do Bem, o filme que inspirou a criação do Dia Mundial da Boa Ação, foi lançado em 20o0 e é uma boa inspiração para quem quer celebrar a próxima quinta-feira. Trevor Mckinney está na sétima série e apresenta para seu professor e colegas de classe uma ideia que poderia mudar o mundo: cada um deveria fazer o bem para três pessoas, que deveriam retribuir a ação para outras três. Essa corrente, então, cresceria numa progressão geométrica, ou seja, 3 pessoas são ajudadas, que ajudam outras noves, que ajudam outras 27… Em algum tempo, todas as pessoas do mundo receberiam e fariam o bem.

O filme é comovente e tem momentos tristes também, mas vale a pena conhecer uma história da ficção que inspirou algo real, o Dia do Bem.

DVD A Corrente do Bem, Warner, R$ 17,90.

O que Severn disse ao mundo

Severn Cullis-Suzuki, do Canadá, ajudou o mundo quando criança. Você já conheceu a história dela na reportagem desta semana no Estadinho, mas, aqui, você lê o discurso que ela fez num congresso ambiental no Rio de Janeiro.

“Eu falo por todas as crianças que estão por vir… por todas as crianças famintas ao redor do mundo e pelos inúmeros animais que estão morrendo. Tenho medo de sair ao sol por causa dos buracos na camada de ozônio, ou de respirar, porque não sei que substâncias nocivas o ar contém. Tenho medo, também, pelos animais e plantas que se tornam extintos todos os dias. Vocês tinham que se preocupar com essas coisas quando tinha a minha idade? Sou apenas uma criança, mas sei que se todo o dinheiro gasto em guerras fosse usado para acabar com a pobreza e para encontrar soluções ambientais, a Terra seria um lugar maravilhoso. Você nos ensinam a nos comportar, a não brigar uns com os outros, a encontrar soluções, a respeitar os outros, limpar o que sujamos, não fazer mal a outras criaturas, a compartilhar e não ser gananciosos. Então, por que vocês não fazem as mesmas coisas que nos ensinam a fazer? Vocês, adultos, dizem que nos amam. Eu os desafio: façam suas ações refletir suas palavras.”

 

Jogo do Bem do Estadinho

jjjjj.JPG

Pronto para fazer a sua parte? Inspirações não faltaram para você sair por aí fazendo algo de bom para o mundo. Se você quiser, pode imprimir em casa o Jogo do Bem do Estadinho, colorir do seu jeito e jogar com os amigos. É só clicar aqui. Boa sorte e feliz Dia Mundial da Boa Ação!

comentários (4) | comente

  • A + A -

kruti.jpg
Kruti Parekh, ilusionista pelo bem (Foto: divulgação)

(Por Natália Mazzoni)

O Estadinho de papel mostrou a história de Kruti Parekh, uma jovem ilusionista que começou a dar palestras sobre como cuidar do planeta com apenas 13 anos. Dez anos depois, ela continua usando seu talento para chamar a atenção para questões ambientais. Tem mais do bate-papo com ela aqui, veja só:

A mensagem de suas palestras é “salvar o planeta não é uma ilusão”. Conte um pouquinho mais.
As consequências de não fazer algo de bom para o planeta são bem perigosas, já que temos problemas como o aquecimento global, problemas relacionados ao lixo e espécies ameaçadas de extinção. Com a ajuda da mágica e do ilusionismo, eu mostro coisas como o que pode acontecer se o lixo não for separado. Por isso, meu show de mágica é chamado de “Salve a magia da Terra”.

Como é sua vida hoje? Você ainda luta pelo bem da natureza?
Sim, a vida ainda está me ensinando a lutar pelo bem do mundo. Hoje, ensino mágica para crianças surdas e mudas, capacitando-as para fazer algo de bom para si mesmas e para o mundo. Isso faz com que eles criem um sentimento de realização maravilhoso. Participo também de um projeto em Mumbai (na Índia) chamado Escola Shard Mandir High, que ajuda crianças carentes e visito escolas rurais do interior da Índia levando treinamento da mente.

O que você diria para as crianças que querem fazer algo de bom no Dia Mundial da Boa Ação?
As crianças têm uma qualidade muito grande: elas são inocentes e apaixonadas pelo desejo de fazer algo de bom para o mundo. Eu gostaria, então, de dizer a todas as crianças do Brasil para seguirem os seus sonhos e suas paixões. Façam o bem para o meio ambiente, este é o nosso mundo e, por isso, temos de trabalhar juntos para fazer dele um lugar melhor. Você certamente irá enfrentar alguns problemas e desafios, mas eles farão de vocês vencedores.

sem comentários | comente

  • A + A -
21.abril.2012 07:08:07

Quem se importa?

quemse.jpg

(Por Natália Mazzoni) 

Dirigido por Mara Mourão e narrado por Rodrigo Santoro, o documentário Quem se Importa? estreou na sexta-feira para  mostrar histórias de pessoas que arregaçaram as mangas e mudaram tudo a sua volta. Criaram organizações inovadoras capazes de causar impacto social suficiente para que suas ideias sejam colocadas em prática e virem políticas públicas em várias partes do mundo. O documentário, que  foi foi gravado em 20 locações em apenas 40 dias, tem animações e cenas gravadas em três idiomas diferentes (português, inglês e espanhol).

Veja abaixo as salas e horários de exibição em São Paulo.

Reserva Cultural de Cinema – Reserva Cultural 3
13:50/15:35/17:20/19:10/21:00/23:00 somente aos sábados

Espaço Itaú de Cinema – Shopping Frei Caneca – Sala 8
16:30/ 21:30  (dublado).

Unibanco Arteplex Frei Caneca – Sala 8
16:30/21:30

sem comentários | comente

  • A + A -
  • Galeria Estadinho

Comentários recentes

  • olivio jekupe: hoje em dia os autores indígenas estão cada vez mais publicando seus trabalhos, aqui na nossa aldeia...
  • kellynha: adorei só algumas que é meio sem sentido !!!
  • loana de campos: Adorei a sua ideia, vou tentar fazer
  • Liane: Olha, isso da própria criança gerenciar sua leitura é bem interessante, assim como vários outros aspectos...
  • giovanna: nãão , gosteei muito ;[[

Enquete

Desculpe, não há enquetes disponíveis no momento.

Arquivo

Blogs do Estadão