1. Usuário
Assine o Estadão
assine
sexta-feira 24/10/14 21:34

Caminhos e possibilidades do jornalismo multimídia

Brandt e Giacomo respondem aos estudantes de jornalismo

Por Raul Galhardi
Reportagens multimídias e a utilização de “games” como ferramenta jornalística. Esses foram os temas que permearam o bloco “Das grande reportagens aos newsgames” no quarto e último dia da Semana Estado de Jornalismo. “A internet é espaço propício para experimentação”, defendeu o repórter especial do Estadão Ricardo Brandt.
O jornalista, autor da reportagem "Crack, a invasão da droga nos rincões do sossego", disse que essa matéria já nasceu sendo pensada ...

Ler post
sexta-feira 24/10/14 21:21

Encerramento da Semana Estado vai da tradição à vanguarda

Brandt e Di Giacomo falam sobre reportagens multimídia

Por Túlio Kruse
No último dia da Semana Estado de Jornalismo 2014, os debates foram sobre as transformações da profissão e seus valores, a vanguarda e a tradição. Convidados discutiram a apuração do repórter, experiências multimídia, o conceito de newsgame, a contribuição da tecnologia para o mercado e a importância da imprensa para a democracia.
"É preciso ter apuração criteriosa igual à de um repórter para fazer um newsgame," revelou Fred di Giacomo, editor do núcleo jovem digital da Editora Abril. Giacomo ...

Ler post
sexta-feira 24/10/14 21:16

‘Produção jornalística só tem a ganhar com internet’, diz Ricardo Brandt

Por Natália Cacioli A internet tem espaço para tudo, disse o jornalista do Estadão Ricardo Brandt,  durante a Semana Estado de Jornalismo. O repórter premiado apresentou a estudantes  sua reportagem multimídia sobre o crack, recentemente premiada pela Associação Brasileira de Psiquiatria. Segundo ele, as ferramentas tecnológicas permitem enriquecer o texto jornalístico, que pode continuar longo e bem trabalhado. “Produzir para a internet não significa que o texto terá que ser reduzido. Isso é muito relativo. A reportagem do crack, por exemplo, é um webdocumentário, ...

Ler post
sexta-feira 24/10/14 21:13

Vídeo-games levam o leitor para dentro das notícias e ganham espaço na produção jornalística

Por Raquel Brandão

Os jogos do Super Mário ou do Donkey Kong, por exemplo, fizeram parte da infância de muita gente e, sem dúvida, ainda ganham o coração de muitos adultos. Mas agora os vídeo-games não se restringem aos momentos de lazer, eles também são ferramentas de informação. Em 2003 surgiu o conceito de newsgames: jogos feitos com base em notícias ou informações. Que, desde então, aparecem cada vez mais nos sites dos mais importantes veículos do mundo como New York Times e The Guardian.

O editor do núcleo jovem digital da editora Abril Fred Di Giacomo é uma das referências em newsgames no Brasil. Formado pela Unesp, desde a faculdade ele sabia que sua área era a multimídia. “Eu pensava que estava fazendo a plataforma do meu tempo. Então, não era aquele que ficava mais preocupado com o tamanho do texto, mas fazia webdocumentário e sites”, explica.

Como conclusão do Curso Abril de 2006, Giacomo produziu um projeto digital para a Capricho, que lhe rendeu uma vaga no site da revista Mundo Estranho. Foi lá que o jornalista começou a produzir seus primeiros newsgames. “Meu editor pediu que eu inventasse o site mais legal que eu pudesse imaginar”, conta Giacomo que desenvolveu, no início de 2007, uma página rica em conteúdo multimídia, com vídeos, áudios e, claro, jogos. “O ano de 2007 parece ser o que inaugura o formato do jogo de notícias. Foi quando, além do nosso núcleo, outros veículos, como o G1, começaram a experimentar esses modelos.”

A experiência de maior sucesso foi o Filosofighters,  um newsgame da Superinteressante inspirado no célebre jogo Street Fighter, em que os mais famosos filósofos lutam entre si com armas criadas a partir de suas teorias. O jogo ganhou repercussão internacional, como na revista PC Games e no jornal Le Monde Diplomatique, e foi criada até uma versão em inglês para usuários do restante do mundo.

De acordo com Giacomo, um jornalista não precisa saber programar para criar um jogo noticioso, o mais importante é pensar no roteiro e como o leitor vai interagir com a notícia. “O vídeo-game tem poder de simulação, o que permite que o leitor esteja dentro da notícia.” Por isso, a apuração é ainda mais detalhada. “Nada está por acaso no newsgame. A apuração é específica, vai além da história.”

Para quem quer se aventurar nos newsgames, Giacomo dá algumas dicas: “Jogue vídeo-game e leve a sério. Pense como fazer uma linguagem mais aprofundada. Esse é um dos mercados que mais fatura no mundo.”

Ler post
sexta-feira 24/10/14 21:07

Tecnologias abrem possibilidades, acreditam palestrantes

"O jornalismo nunca foi tão lido e presente quanto agora", afirma Bucci

Eugênio Bucci e Renato Cruz discutiram novas ferramentas no jornalismo   Por Matheus Martins Fontes e Stéfano Mariotto de Moura A crise do jornalismo é assunto desde o início dos anos 2000. Demissões em massa, muitas vezes, são atribuídas ao desenvolvimento tecnológico - o que não deixa de ser verdade. Mas o colunista do Estado, Eugênio Bucci, vê o cenário sob outra perspectiva. Na sua ótica, há uma grande crise, sim. Mas no modelo de negócios, e não na profissão para a qual ...

Ler post
sexta-feira 24/10/14 21:01

‘Inovação em empresas é pauta pouco explorada em tecnologia’, diz Renato Cruz

Por Natália Cacioli Smartphones, tablets, óculos inteligentes, drones. Tecnologia de última geração presente na vida das pessoas e na imprensa. Mas o jornalista que quer cobrir uma área em constante evolução não precisa – e nem deve – se prender a esses assuntos: no mundo além gadgets, existem empresas cujo lema principal é a inovação. Essa é a opinião do colunista de tecnologia do Estado Renato Cruz, que falou a estudantes durante a Semana Estado de Jornalismo. Para ele, os jovens jornalistas que querem começar ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 19:56

Representantes do Facebook e Twitter comentam a importância das redes sociais para o jornalismo

Por Luiz Felipe Barbiéri e Maria Tereza Matos

Antes de se apresentarem no terceiro dia da 22° Semana Estado de Jornalismo, o diretor de Jornalismo e política do Twitter no Brasil, Leonardo Stamillo, e o diretor de parceria de mídias para América Latina do Facebook, Luis Olivalves, falaram sobre a utilização das redes sociais por jornalistas. Os dois afirmam que há uma influência crescente dessas plataformas no trabalho jornalístico, desde apuracão à divulgação de uma matéria.

Como exemplo da ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 19:51

Queremos atingir 200 milhões de pessoas no Brasil, diz diretor do Facebook

Por Mateus Luiz de Souza

Uma rede em franco crescimento, tanto em número de usuários quanto em importância para o tráfego na internet. Essa é a visão de Luis Olivalves, diretor do Facebook para a América Latina, em palestra para a 22ª Semana Estado de Jornalismo. Atualmente em 89 milhões de usuários no Brasil, de um total de 105 milhões de pessoas conectadas à internet, ele diz que o grande desafio é atingir os outros 100 milhões ainda sem conectividade ...

Ler post
quinta-feira 23/10/14 19:14

Novas ferramentas são destaque no terceiro dia

Tecnologia e mídias sociais foram os destaques do terceiro dia da Semana Estado de Jornalismo. Cerca de 200 estudantes lotaram o auditório do Estado para tentar compreender o impacto das novas ferramentas tecnológicas no cotidiano das redações. A palestra Tecnologia a nosso favor contou com a participação do editor do Link, Camilo Rocha, e do repórter Murilo Roncolato. Além de explicarem um pouco sobre a história e o dia a dia da editoria, os jornalistas falaram sobre plataformas inovadoras que ...

Ler post