1. Usuário
Assine o Estadão
assine
sexta-feira 29/10/10 19:52

Uma nova revolução?

Foca22_Mariana_editada

1984. Não, não é o livro de George Orwell. Aquele foi o ano em que a Apple de Steve Jobs lançou o primeiro Macintosh e inovou o mercado de computadores pessoais. 2010. Vinte e seis anos depois, a Apple apresentou o iPad. Seria uma nova revolução? Ao que tudo indica, sim. O iPad ainda não é vendido no Brasil, mas algumas das principais publicações impressas nacionais já lançaram suas versões para o tablet. É o caso do Estadão, ...

Ler post
sexta-feira 29/10/10 16:31

Trabalhando em equipe: a arte do infográfico

Foca23_Marina_editada

Neste início de carreira como jornalista, já cometi muitos erros. Mas o mais constrangedor deles envolvia um infográfico. Procurando evitar novos deslizes, fui conversar com Rubens Paiva, infografista do Estado, para saber mais sobre o assunto. Meu maior equívoco na época foi achar que a minha responsabilidade como jornalista acabava tão logo eu entregava o texto ao infografista. Ingenuamente, pensava que não interferir no trabalho do profissional era um sinal de respeito. Afinal, ele sabia o que estava fazendo ...

Ler post
sexta-feira 29/10/10 12:22

Tinha de ser ele, uai!

Foca24_Nayara_editada

paulo.jpg Paulo Saldaña, foca da turma de 2008, é repórter do Metrópole A lista dos 30 focas da turma de 2008 saiu e ele não estava lá. “O que eu tenho de errado? Ah, relaxa, vai. Desencana. Você já está num lugar legal (Folha Online)”, conversou com seus botões e pronto. Dias depois, em casa, sozinho e assistindo a um desenho animado qualquer na hora do almoço, o telefone toca: - Alô. - Paulo? - Isso. - Aqui é o ...

Ler post
quinta-feira 28/10/10 20:00

A caça da pauta

Foca20_Ivan_editada

Na viagem que fizemos pelo curso à cidade de Santa Cruz do Sul (RS), tivemos a missão de apurar, e posteriormente, escrever um texto jornalístico no tamanho de 40 a 50 linhas de texto. O tema era livre, recebemos a recomendação de sermos criativos e estarmos atentos ao que fosse interessante.

Por isso, quando embarquei rumo a Santa Cruz, busquei me preparar para prestar atenção em tudo o que pudesse render uma matéria diferente. Essa não foi a primeira reportagem que tivemos que produzir sobre um local específico. Também não foi a primeira na qual os focas buscaram pautas não escolhidas por outro aluno.

Entretanto, ainda não havíamos produzido uma pauta em uma viagem patrocinada. Como o texto de Flávia abordou de maneira exata, a programação da visita, elaborada pela assessoria da indústria de cigarros Philip Morris Brasil (PMB), limitou o número de temas possíveis de se realizar, pois não deixava tempo livre para apuração. Aí surgiu o desafio: como não repetir o mesmo tema e como fugir da pauta óbvia?

Minha estratégia foi prestar atenção não só às palestras. Decidi dar importância especial a tudo o que fazíamos e víamos fora da programação oficial de palestras da visita. Precisava depender o mínimo possível da assessoria de imprensa da indústria, que provavelmente receberia depois da visita um volume grande de solicitações e poderia não atender todos no prazo do deadline.

Em um dos jantares que tivemos em Santa Cruz, quando assistimos à apresentação do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Tropeiros da Amizade (retratada no último texto de Bernardo), fomos recebidos por executivos da Philip Morris e de entidades ligadas à economia do tabaco. Cada um deles sentou em
à mesa junto a focas para conversar. Na minha, ficou o diretor da Philip Morris na América Latina.

A interação com os alunos fluiu bem e perguntei a ele sobre sua trajetória de vida profissional. Durante mais de uma hora falamos sobre sua carreira e sobre o que pensava ser essencial para obter o sucesso profissional. A história me chamou a atenção porque, filho de pequenos produtores de tabaco, ele havia trabalhado como office boy para pagar a faculdade. Depois, ingressou na indústria do fumo como trainee e deu início a uma carreira de rápida ascensão. Passou por três multinacionais do ramo e em todas chegou ao cargo de gerência. Decidi ali que meu texto seria o perfil do executivo e que traria o cigarro como elemento secundário e não como tema principal.

Não me arrependi, pois além de ter praticado a escrita de um dos gêneros que mais gosto no jornalismo, acertei na previsão sobre a assessoria de imprensa da PMB, que não conseguiu atender todas as solicitações de imprensa.

Ivan Martínez, de 21 anos, cursa o último ano de Jornalismo na Universidade de Taubaté (Unitau)

Ler post
quinta-feira 28/10/10 16:30

Sobre café, cigarros e jornalismo

Foca19_Henrique_editada

Ontem, 27, alguns focas tiveram uma grata surpresa ao entrar na sala. A mesinha com duas garrafas de café, o adoçado e o puro, estava lá dentro, logo depois da primeira fileira. Nos dias anteriores, o ato de sair para pegar um cafezinho era, paradoxalmente, uma pausa para o relaxamento. Ao redor da mesinha, nos reuníamos para comentar a aula, uma pauta, ou simplesmente lamentar o acúmulo de roupa suja por causa da atribulada rotina do curso. Ontem, não. Sem pudor, ...

Ler post
quinta-feira 28/10/10 13:00

O que você tiraria do seu jornal?

Foca21_Lucas_editada

Pode parecer uma pergunta simples, mas pensar – e propor – algo para ser tirado das páginas do Estado (ou de qual for o seu jornal preferido) é um trabalho jornalístico difícil e desafiador. Não se trata de excluir algo desinteressante para você ou fazer um brainstorm de ideias rascunhadas em um bloquinho de anotações. Esse trabalho, que nos foi passado pelo editor-chefe do Estado, Roberto Gazzi, requer conhecimento do jornal, ciência do projeto gráfico e habilidade em edição. Além de ter justificativa ...

Ler post
quarta-feira 27/10/10 16:00

Lutar contra o relógio ou pensar em estratégias?

Foca17_GustavoAleixo_editada

A questão leva à polêmica: assessor de imprensa pode ser considerado jornalista? Em conversa recente com os focas, a jornalista e relações públicas Marcia Glogowski falou sobre aspectos práticos das duas atividades. Para ela, que atuou no Grupo Estado por 30 anos, uma das principais diferenças entre ambas consiste no ritmo de trabalho. Vamos às explicações. Profissionais de redação têm grande senso de urgência e lutam contra o relógio diariamente. Eles vivem em busca de boas pautas. Os assessores, em geral, ...

Ler post
quarta-feira 27/10/10 12:17

Tambaú agradece

Foca16_GustavoAntonio_editada

A possibilidade de o jornal de papel acabar em um futuro próximo é um dos temas de que mais ouço falar desde que entrei na faculdade, em 2006. Dias atrás, voltei a me deparar com essa discussão em uma palestra de Roberto Gazzi, editor-chefe do Estadão e responsável pela reformulação de produtos do Grupo Estado em 2010. Gazzi destacou que, mesmo com a internet, o jornal mantém-se como um produto interessante, tendo um espaço muito grande para crescer no mercado brasileiro. “O ...

Ler post
terça-feira 26/10/10 19:30

‘Não tem sacanagem’

chico e bruna

Desde o primeiro dia de aula, Francisco Ornellas, coordenador do curso, repete exaustivamente: “Não tem sacanagem”. Resume, nesta frase, a ideia de que toda atitude tem suas consequências, cabendo a nós alcançar as melhores. Assim tem sido há 21 anos. [caption id="attachment_230" align="alignnone" width="300" caption="Francisco Ornellas e Bruna Maia, uma das 30 focas de 2010 (Foto: Lucas Sampaio)"][/caption] Chico falou ao Em Foca sobre sua experiência à frente do programa. O jornalista dá dicas ...

Ler post