1. Usuário
Assine o Estadão
assine
quarta-feira 20/07/05 16:29

Torcedores apagam relatos de vandalismo

Um deles nega ter sido o autor de mensagem admitindo ter saqueado bancas na avenida Paulista

Edmundo Leite

São Paulo - A repercussão da notícia de que torcedores são-paulinos assumiram, em comunidades no site Orkut, atos de vandalismo na avenida Paulista na última sexta-feira fez com que alguns deles se retratassem de diferentes maneiras nesta quarta-feira. Em mensagens no próprio Orkut e numa ligação telefônica ...

Ler post
terça-feira 19/07/05 16:53

No Orkut, torcedores assumem vandalismo

Edmundo Leite São Paulo - Pouco depois dos tumultos da madrugada de sexta-feira, já era possível ler na internet alguns relatos de torcedores do São Paulo que estiveram na avenida Paulista para festejar o título de tricampeão da Libertadores, mas que acabaram presenciando ou, em alguns casos, participando ativamente das cenas de violência que tomaram conta da comemoração. Enquanto uns aproveitaram os fóruns de discussão ligados ao time e sua torcida no site Orkut para condenar a violência, tanto da ...

Ler post
quinta-feira 10/02/05 19:16

Fazer jornalismo na internet

10anos_internet

1995-2005

10anos_internet

Fazer jornalismo na internet

por Edmundo Leite “… A nostalgia, como sempre, havia apagado as lembranças ruins e aperfeiçoado as boas. Ninguém se salvava de seus estragos…” (Gabriel Garcia Márquez, em Viver para Contar) Fato corriqueiro nos dias de hoje, as primeiras coberturas jornalísticas com enviados especiais voltados exclusivamente para a internet provocavam estranhamento nos colegas repórteres, principalmente de jornais impressos. Em janeiro de 2000, pude ver essa ...

Ler post
segunda-feira 24/01/05 02:03

Cachorro Quente II

Cachorro Quente II (*adendo a Cachorro Quente)

Olá Beer, Galfano e Pinéccio,

Sei de cachorroquentistas que, por increça que parível, parecem ter esquecido que cachorro quente é para ser comido. Desmontam o bicho inteirinho, separam os ingredientes e começam a analisar. Cortam tudo em pedaços tão pequenos que muitas vezes não dá nem para perceber que aquilo era um cachorro quente. Um dos seus passatempos preferidos é tentar saber como foram feitos o pão e a salsicha. E, como qualquer um que se propõe a saber de onde vêm as salsichas, acabam tendo algumas surpresas, nem sempre agradáveis.

Uma vez vi dois caras discutindo porque um deles falou que aquele tipo de salsicha já tinha sido usada num antigo prato que não era mais servido nos dias de hoje. O primeiro estrilou, dizendo que era um absurdo, afirmando que a salsicha só existia por causa do cachorro quente. No meio da discussão, acabaram derrubando o cachorro quente no chão e estão sem se falar até hoje.

Uma outra briga que sempre vejo é por causa de um das lanchonetes que mais vendem cachorro quente, localizada em frente a uma grande escola para adolescentes. Tinha um cachorroquentista que não suportava ver a multidão se esbaldar de cachorro quente e toda vez que passava por lá praguejava contra o dono do estabelecimento. Dizia que ele, assim como outras lanchonetes muito freqüentadas, não podia vender cachorro quente e que seus clientes (na verdade ele disse “aqueles bostinhas”) nem ao menos comer cachorro quente sabiam. Ele quase morria de raiva ao ver os meninos comendo cachorro quente misturado com outras coisas que, para ele, eram gororobas.

Não adiantou o cara da lanchonete explicar que a molecada estava com fome, que gostavam de misturar tudo, e que alguns dos que nunca tinham comido cachorro quente adoraram. Irado, esse cachorroquentista disse ao comerciante (desculpem o termo) que cachorro quente era para poucos e que era preciso entender o valor nutricional, calórico e digestivo do cachorro quente para poder comer. Até abaixo assinado para impedir a lanchonete de vender cachorro quente ele fez. Chegou a conseguir umas assinaturas, mas não deu em nada.

O pior é que esse cachorroquentista às vezes tem que passar um carão, pois muitas vezes a lanchonete é o único lugar por perto que tem cachorro quente. Assim, quando não consegue que o sobrinho compre o cachorro quente para ele, sem opção, vai até lá, compra, mas nem olha para o cara do carrinho.

O que eu ainda continuo sem entender é essa estranha lógica dos cachorroquentistas:  querem vetar algumas casas que servem cachorro quente de oferecê-lo, dizendo que elas não são dignas de servi-lo, e ao mesmo tempo gritam “SERVE CACHORRO QUENTE!!!” em todas as outras que não servem.

É verdade que existem umas lanchonetes que têm vários cachorros quentes originais feitos com antigas receitas e poucas vezes servidos, mas os deixam lá no congelador, misturado com um monte de outras coisas igualmente boas. Parece que já encontram uma fórmula para reproduzir a receita e logo vão oferecer novamente cachorro quente original, só que em nova embalagem.

Abraços,

Edmundo

(Publicado originalmente em 24/1/2005 02:03 no grupo de discussões Komuna)

Ler post
sexta-feira 21/01/05 15:36

Sai em DVD show de Ray Charles no Brasil em 1963

ray2-n

O Brasil ganhou um lugar de destaque na nova onda em torno do cantor e músico Ray Charles, que morreu no ano passado aos 73 anos. Em meio à expectativa das indicações do filme que conta a sua vida ao Oscar e ao sucesso do tributo Genius Loves Company, foi lançado na Europa e Estados Unidos um DVD com um registro raro da primeira turnê de Ray Charles no Brasil, em 1963. Com um erro de acentuação no título, Ô-genio ...

Ler post
sábado 08/01/05 22:57

Rio usa estudo histórico do Estado para discutir violência

Aspectos Humanos da Favela Carioca

Aspectos Humanos da Favela Carioca

Aspectos Humanos da Favela Carioca

Edmundo Leite São Paulo – Um estudo histórico sobre as favelas cariocas encomendado pelo jornal O Estado de S. Paulo na década de 60 está servindo como base para a prefeitura do Rio de Janeiro discutir o problema da violência nos morros da cidade. Publicado originalmente nas páginas do Estado em 13 e ...

Ler post