1. Usuário
Assine o Estadão
assine

“Ficamos surpresos quando encontramos ouro no subsolo do Ibirapuera”

Edison Veiga

21 agosto 2014 | 13:08

Engenheiro civil que trabalhou na obra recorda-se do curioso episódio

Foto: Reprodução/ Acervo Estadão

Em 1988, operários encontraram ouro em pleno subsolo do Parque do Ibirapuera. Eles cavavam um túnel para interligar as avenidas 23 de Maio e Juscelino Kubitschek – obra que só seria inaugurada em 1995, sob o nome de Complexo Viário Ayrton Senna. A quantidade do metal precioso encontrada foi pequena, irrisória – 4 décimos de grama. Mas, sem dúvida, trata-se de uma das mais curiosas histórias dos 60 anos do parque mais famoso de São Paulo.

Localizamos um dos que trabalharam na obra, o engenheiro civil Sidney dos Passos Ramos. Que, na época, tinha 36 anos e era responsável pela produção do trabalho.

Funcionário da Odebrechet, atualmente ele mora na Colômbia – é diretor de investimentos da empresa lá. A pedido da reportagem, recordou-se do episódio:

Como aconteceu a descoberta do ouro no subsolo do Ibirapuera?

Na escavação do poço de acesso para emboque do túnel, perto do Mausoléu, no qual trabalhávamos 24 horas por dia, um funcionário encheu um capacete com um tipo de material que encontramos na escavação. Ao final da escavação do poço, depois de preparar o emboque do túnel, ele analisou esse material e achou umas pequenas pepitas.

Como vocês reagiram à descoberta?

Ficamos surpresos. Mas era proveniente de um material que estava bem acima da cota do túnel, e que já tinha sido totalmente escavado. A descoberta foi comunicada à Prefeitura, responsável pela obra, que a tornou pública, tendo saído na imprensa, na época.

O que foi feito com o material recolhido?

O material proveniente da escavação foi transportado parte para um bota-fora na periferia de São Paulo, parte para um aterro que havia onde hoje se encontra o Shopping Villa-Lobos. O ouro foi entregue à Prefeitura.