ir para o conteúdo
 • 

Edison Veiga

26.fevereiro.2014 19:04:12

Morre Arnesto, o homem que inspirou o samba de Adoniran Barbosa

FOTO: LEONARDO SOARES/ ESTADÃO

Morreu na tarde de hoje, aos 99 anos, um dos personagens mais famosos da música brasileira: Ernesto Paulelli. Ou melhor: Arnesto, aquele do samba de Adoniran Barbosa (1910-1982). De acordo com a família, ele estava internado desde a última sexta no Hospital Sancta Maggiore, após fraturar o fêmur. O enterro ocorrerá às 10h de amanhã, no Cemitério do Araçá.

Arnesto deixa dois filhos, dez netos e nove bisnetos. E uma fama de furão – como assim, convidou o Adoniran para um samba e deu o bolo? – que passou a vida a desmentir. “O Adoniran era um fanfarrão. Nunca o convidei para um samba em casa”, disse ao Estado em 2010.

Uma vez, aliás, Arnesto cobrou, mesmo sem estar com uma baita de uma “reiva”, satisfação do próprio músico pela “história mal contada”. A resposta veio pronta, como se preparada, na voz rouca característica dele. “Arnesto, meu amigo, se não tivesse mancada, não tinha samba. Segura essa pra mim!”.

Arnesto e Adoniran se conheceram em 1938, quando ambos trabalhavam nas rádios paulistanas. O primeiro bate-papo foi no estúdio da Record, no centro de São Paulo. “Ele logo me chamou de Arnesto”, costumava frisar. “E disse que meu nome dava samba.” A homenagem veio quase 20 anos depois, em 1955. “Foi a maior emoção da minha vida”, dizia ele, que sempre gostava de brincar que a música foi sua “segunda certidão de nascimento”, pelo poder que teve de “mudar” seu nome.

Relíquia. Até o fim da vida, Arnesto guardou, com orgulho daqueles de brilhar os olhos, um presente valioso que ganhou de Adoniran: a partitura número 001 – como ele mesmo reforçava, com os dois zeros antes do um – do Samba do Arnesto. Com dedicatória do amigo compositor: “Ao acadêmico Ernesto Paulella (sic), a quem dediquei esta composição quando do seu lançamento, em maio de 1955. Homenagem do autor, Adoniran.” Lúcido mesmo com a idade avançada, ele costumava cantarolar o samba que o consagrou com frequência, sempre que lhe pediam.

Autodidata por convicção, Arnesto nunca parou de estudar e era dono de rebuscado vocabulário – e um conversar repleto de inteligentes trocadilhos. Depois de dedicar-se ao comércio na maior parte da vida adulta, aos 60 anos realizou o sonho de ser diplomado em Direito. Advogou até os 90, quando, após sofrer um acidente vascular cerebral (AVC), decidiu “pegar mais leve” e se aposentar.

E a música? Se para o amigo Adoniran, era profissão, para Arnesto o violão jamais passou de hobby. “Sempre toquei ‘de ouvido’. Só agora, depois dos 90 anos, é que estou estudando teoria musical”, disse ao Estado na entrevista concedida em 2010.

Sua última aparição pública foi em evento organizado pela Secretaria de Estado da Cultura em homenagem ao centenário de nascimento de Adoniran Barbosa, em 2010, no Auditório Ibirapuera.

Ah, em tempo: Arnesto não morava no Brás – passou a vida na Mooca.

Veja também:

comentários (9) | comente

  • A + A -
9 Comentários Comente também
  • 26/02/2014 - 20:30
    Enviado por: Marcos Hirata

    Que delicia ler esta matéria. que história incrível ! Parabéns Edison Veiga !

    responder este comentário denunciar abuso

  • 26/02/2014 - 22:30
    Enviado por: Blumenópolis – Blumenau » Blog Archive » www.estadao.com.br - Blumenau

    [...] Inspirador do ‘Samba do Arnesto’ morre aos 99 anos em São Paulo [...]

    responder este comentário denunciar abuso

  • 27/02/2014 - 01:17
    Enviado por: Arihel Marreiro

    Vai furar o Carnaval, Arnesto! :(

    responder este comentário denunciar abuso

  • 27/02/2014 - 01:21
    Enviado por: JARDEL COELHO DA SILVA

    Ouço esta música desde criança. É incrível saber que o Arnesto ainda estava vivo. Que história bonita! Tanta coisa bacana podia passar na TV, no entanto………… .Gostava de ouvir de vez em quando o programa GRAMOPHONE da rádio Cultura 1200 AM, onde tocavam músicas da década de 30, 40…., mas infelizmente, tiraram o programa do ar. É incrível como neste País, as coisa boas acabam e só ficam as de má qualidade. Vai com Deus Sr. Ernesto! E que Deus permita que todos nós possamos chegar a uma idade tão bonita como os 99 anos que o senhor chegou! Um grande abraço a todos!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 27/02/2014 - 10:04
    Enviado por: Edison Loureiro

    Muito legal a reportagem, parabéns Xará! Eu sabia que a Rádio Record começou na praça da República e passou para o palacete Tereza Toledo Lara antes de ir para a região do aeroporto de Congonhas. Não sabia desta passagem pela Cons. Crispiniano. Saberia dizer qual era o prédio em que ficava?

    responder este comentário denunciar abuso

  • 27/02/2014 - 15:53
    Enviado por: Marcos Galvão

    Parabéns, Edison Veiga, que artigo excelente. Comovente e engraçada ao mesmo tempo, um tributo à Adoniran Barbosa e ao Arnesto.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 28/02/2014 - 11:21
    Enviado por: gabriel

    O Arnesto Adoniran João Rubimato nos convidou e até hoje o samba está vivo em Sampa como no Samba do Arnesto, que ajuda a temperar a vida dura desta Cidade de Adoniran

    responder este comentário denunciar abuso

  • 28/02/2014 - 12:00
    Enviado por: gabriel

    O Arnesto Adoniran João Rubinato nos convidou e até hoje o samba está vivo em Sampa como no Samba do Arnesto, que ajuda a temperar a vida dura desta Cidade de Adoniran

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

Comentários recentes

  • Marcos Miguel Azevedo: Parabens Edison ! Brilhante reportagem Marcos Azevedo Sinop -MT
  • Rafaela Bruno: Pessoal ta muito revoltado, isso sim. O nome da matéria foi usado por se referir a uma expressão...
  • Ricardo: Por favor, me contem então como vocês nunca furaram um farol vermelho, nem nunca beberam sequer uma gota...
  • Sidney Martucci: O antigo Jussara , atual Cine Dom José , foi aonde assisti na década de 60 a ” A hard days...
  • Beatriz Malamud: 9 e meia semanas de amor, com certeza!

Arquivos

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo