E&N Tempo Real
Filtro
Tamanho de texto: A A A A

Dólar fecha no menor nível desde julho de 2012, a R$ 2,002; BC faz leilão

28 de janeiro de 2013 | 17h10

Agência Estado

Fabrício de Castro, da Agência Estado

A atuação do Banco Central (BC) no período da manhã, que surpreendeu muitos profissionais da área de câmbio, determinou a queda do dólar ante o real nos mercados à vista e futuro, em meio à percepção de que a autoridade monetária está bastante preocupada com a inflação no Brasil. Ao vender 37 mil contratos de swap cambial tradicional, em um total de US$ 1,847 bilhão, numa operação que equivale à venda da moeda americana no mercado futuro, o BC rolou antecipadamente os contratos que vencem em 1º de fevereiro. Com isso, o dólar terminou o dia em baixa de 1,38% e fechou cotado a R$ 2,0020 no balcão, no menor patamar desde 2 de julho de 2012, quando estava em R$ 1,9890.

Na máxima do dia, vista pela manhã, a moeda americana marcou R$ 2,0370 (+0,34%) e, na mínima, verificada à tarde, atingiu R$ 2,0010 (-1,43%). Da máxima para a mínima, a moeda americana oscilou 1,77 pontos porcentuais no balcão. Pouco depois das 16h30 (horário de Brasília), a clearing de câmbio da BM&F registrava giro financeiro de US$ 2,468 bilhões, sendo US$ 2,113 bilhões. Já o dólar pronto da BM&F, com apenas quatro negócios, fechou em baixa de 0,81%, a R$ 2,01650. No mercado futuro, o dólar com vencimento em fevereiro era cotado a R$ 2,00250, em baixa de 1,52%.

Profissionais ouvidos pela Agência Estado interpretaram a atuação do BC como um sinal de que a inflação, de fato, incomoda. “O swap é mais uma indicação de que o Banco Central está interessado em deixar o câmbio numa banda bem estreita, com R$ 2,05 como teto das cotações”, comentou Maurício Nakahodo, consultor de pesquisas econômicas do Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ. “O leilão do BC não era esperado e sinaliza que, para ele, um dólar entre R$ 2,05 e R$ 2,10 não é mais desejável”, acrescentou Fernando Bergallo, gerente de câmbio da TOV Corretora.

Ao fazer a cotação no balcão se reaproximar de R$ 2,00, o Banco Central, na visão dos profissionais, alivia um pouco a pressão cambial sobre a inflação, em um momento em que vários índices de inflação mostram pressão sobre os preços. Hoje, por exemplo, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) anunciou a aceleração do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) para 1,04% na terceira quadrissemana de janeiro, ante taxa de 0,96% na segunda leitura do mês. Além disso, a Fipe elevou a previsão para o IPC no encerramento de janeiro, de 0,98% para 1,06%. No relatório Focus do Banco Central, a mediana das estimativas para o IPCA em janeiro subiu de 0,81% para 0,85%, enquanto a inflação prevista para 2013 avançou de 5,65% para 5,67%.

O movimento de baixa para o dólar ante o real foi intensificado pelo interesse, no mercado futuro, dos bancos, que seguem vendidos em dólar, faltando poucos dias para a determinação da Ptax que servirá de referência para a liquidação dos derivativos cambiais em 1º de fevereiro. Na prática, os bancos atuam para que o dólar permaneça em patamares menores, o que vai favorecer seus ganhos.

Neste contexto, alguns profissionais já enxergam espaço para que o dólar, no balcão, recue nos próximos dias a patamares inferiores a R$ 2,00, com o mercado também testando a disposição do BC em atuar novamente – desta vez, para segurar a moeda.

Tópicos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Blogs do Estadão