24.abril.2014 17:15:12

Dois lados

por Gabriel Perline

Com ou sem Copa, São Paulo sempre atrai turistas curiosos pela cidade. Mostramos aqui os melhores passeios clássicos – e também os mais alternativos

Por Gabriel Perline, Marina Vaz e Taís Toti

Quem mora aqui pode até se esquecer, mas São Paulo tem uma grande variedade de programas bacanas para se fazer. Prova disso é o resultado do prêmio Travelers’ Choice Destinos 2014, promovido pelo portal mundial de viagens TripAdvisor, que colocou nossa ‘selva de pedra’ pela primeira vez no topo da lista de destinos favoritos pelos turistas, gringos e brasileiros – desbancando até mesmo as praias dos vizinhos cariocas.

E para você cumprir bem seu ‘check-list’ de morador da cidade – ou para apresentá-la a algum amigo estrangeiro que esteja de passagem -, apontamos, é claro, os mais famosos ‘pontos turísticos’ daqui, obrigatórios em qualquer roteiro. Mas fomos além e iniciamos esta reportagem mostrando o ‘lado B’ de São Paulo, com opções de passeios que fogem do trivial.

Agora, é só comparar as atrações do ‘lado B’ e ‘lado A’, e começar a explorar a cidade com novos (ou velhos) olhos.


Lado B: Quer se sentir turista mesmo morando em São Paulo? Conheça algumas opções de programas que não estão no tradicional circuito de passeios pela cidade

  • Se é para conhecer uma igreja diferente, a Paróquia Nossa Senhora Mãe do Salvador, mais conhecida como Igreja da Cruz Torta, cumpre bem a função. Sem os vitrais e estilo tradicional das igrejas católicas, ela encanta pela arquitetura moderna e simples. Av. Prof. Frederico Hermann Júnior, 105, Alto de Pinheiros, 3031-8554.
  • A fachada modesta da cantina Luna di Capri a faz passar despercebida, mas seus pratos fartos e o bom atendimento tornam a visita indispensável. Prove o ‘Namorado à Fiorentina’ (R$ 45), massa recheada com mussarela de búfala e alcachofra, com molho branco e parmesão gratinado. R. Martinho Prado, 187, Bela Vista, 3258-6673.
  • O que chama mais a atenção na Livraria da Vila são, claro, as portas – estantes recheadas de livros. A bela arquitetura fez a loja figurar em listas de livrarias mais bonitas mundo afora. Passadas as portas, lá dentro há um belo acervo de livros e espaço aconchegante. R. Fradique Coutinho, 915, V. Madalena, 3814-5811. Outros endereços.
  • A ocupação do antigo prédio do Detran começou há mais de dois anos. Valeu esperar. Hoje, a nova sede do MAC-USP conta com 13 exposições simultâneas. O complexo arquitetônico, da década de 50, é assinado por Oscar Niemeyer. E, para quem gosta da união de arte e tecnologia, a mostra ‘Play!’, que vai até dia 4/5, ocupa a fachada do prédio da Fiesp, na Paulista. MAC-USP Nova Sede. Av. Pedro Álvares Cabral, 1.301, Ibirapuera, 2648-0258. 10h/18h (3ª, 10h/21h; fecha 2ª). Grátis. Fiesp. Av. Paulista, 1.313, metrô Trianon-Masp. 20h/6h. Grátis.
  • Um dos mais tradicionais bairros paulistanos, o Bexiga ainda preserva aquela antiga vibração boêmia que o tornou tão conhecido. Esqueça as cantinas italianas para turistas e fique nos botecos, como o Amigo Gianotti (R. Santo Antônio, 1.106, 3211-3256), que tem uma deliciosa e caprichada fogaça. A região também possui uma forte presença nordestina, o que garante mais opções gostosas para se comer e beber. Vá ao Rancho Nordestino (R. Manoel Dutra, 498, 3106-7257), e peça uma cerveja e um baião de dois.

Lado A: Clássico é clássico. E os tradicionais passeios ainda são obrigatórios para quem vem de fora – e, por que não, para quem quer conhecer melhor onde vive

  • Cartão-postal da cidade, a Catedral da Sé tem ‘muita história para contar’. Desde o século 16, passou por diversas transformações até que, em 1954, aderiu ao estilo neogótico pelas mãos do alemão Maximilian Emil Hehl. Sua imponência atrai admiradores de diversas religiões. Realiza missas diariamente. Pça. da Sé, s/nº, Centro, 3107-6832.
  • As longas filas para garantir uma mesa no Famiglia Mancini têm explicação: comida boa em porções generosas. As massas – cobertas por muito molho – são o carro-chefe, mas o filé à parmegiana (R$ 116, para duas pessoas) é excelente, assim como a perna de cabrito (R$ 186, para três pessoas). R. Avanhandava, 81, Bela Vista, 3256-4320.
  • Os pufes coloridos distribuídos pelos três andares são um convite extra à leitura. A Livraria Cultura, do Conjunto Nacional, ocupa uma área de 4,3 mil m2 e oferece mais que boas histórias: CDs, DVDs, HQs, aparelhos eletrônicos e um charmoso café no térreo. O Teatro Eva Herz fica no último andar. Av. Paulista, 2.073, 3170-4033.
  • Entre dívidas acumuladas e crises institucionais, o Masp segue firme como um dos ícones da cidade. Seu edifício-sede, projetado por Lina Bo Bardi e inaugurado em 1968, abriga um dos mais importantes acervos de arte ocidental do mundo. Mas, quando o assunto é interatividade, o Museu da Língua Portuguesa é sempre lembrado. Aberto há 8 anos, atrai muitos turistas (e estudantes). Museu da Língua Portuguesa. Pça. da Luz, s/nº, Centro, 3322-0080. 10h/17h (fecha 2ª). R$ 6 (sáb., grátis). Masp. Av. Paulista, 1.578, 3251- 5644. 10h/18h (fecha 2ª). R$ 15 (3ª, grátis).
  • Ah, a Augusta… a rua é tão importante para a cidade que já é tratada como uma região. E, apesar de ter passado de seus tempos de glória, ainda é uma opção garantida para se aproveitar a noitada. Uma das vantagens da Augusta é que você não precisa se planejar antecipadamente: dá para chegar lá e decidir na hora qual o melhor bar ou casa noturna para entrar. Mas, se quiser ir com destino certo, passe no bar da Hotel Tee’s (R. Matias Aires, 78, 3081-4426) e, depois, confira a programação do Da Leoni (R. Augusta, 591, 3926-3495).

Tags:

1 Comentário | comente

  • A + A -
1 Comentário Comente também
  • 25/04/2014 - 08:03
    Enviado por: josé midio lafani pinto

    muito bom e interessante o artigo sobre “o que fazer em sampa”, mas o que me impressiona, é como ainda “somos” subdesenvilvidos” culturalmente falando, me explico: seja Londres, Paris, como New York ou Tokyo,em todas elas e também em outras metropoles importantes mundo à fora,nos “guias” e artigos sobre turismo locais sempre se encontra informações sobre as “partes pobres” , Brooklyn, Belleville, East End, Asakusa, para sò citar uns poucos exemplos! E estão certos porque são sempre os lugares onde encontra-se a “verdadeira alma” de uma cidade, que em geral estão todas acometidas pela globalização, e tem sempre por assim dizer, um “padrão mundial”. Pois bem, em São Paulo, nunca se fala por exemplo, Da Moòca, e suas mais de 100 pizzarias! suas confeitarias quase centenarias com seus doces italianos incomparaveis! sem falar em aspectos arquitetônicos que em outras plagas não passariam desapercebidos!mas hà também, o Belénzinho, o Tatuapé, O Bràs!!,o Ipiranga; enfim esperemos que um dia alcacemos um nivél mais elevado ou pelo menos igual ao que se verifica là fora, nos paises desenvolvidos!Vocês do 4° poder, as mìdias tem uma força indiscutivél de formação de opinião, não desdenhem esta grande oportunidade, que lhes pertence, de fazer evoluir as “coisas”

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

 

Arquivos

Todos os Blogs