No sábado (21), começa a estação mais gelada do ano. E, para você se animar a sair de casa, indicamos 20 lugares bem aconchegantes

 

Murilo Bomfim e Rafael Abreu

 

Pode interagir

De nome curioso, o ‘Shabu-shabu’ (R$ 72) é uma opção do Shintori para os dias frios. Na mesa, finas fatias de contrafilé cru são mergulhadas pelo cliente em um caldo quente. É quase um fondue light: no lugar do pão, há também vegetais, tofu e shiitake. Ah, o nome do prato vem do som que a carne faz quando entra em contato com o caldo.

Al. Campinas, 600, metrô Trianon Masp, 3283-2455.

 

Perto do fogo

Na pizzaria Jullia, você pode ficar em mesas próximas ao forno, mas, se preferir o lado de fora, aquecedores mantêm o seu conforto. Prove a pizza ‘Marmo Jullia’, com queijo emmenthal, parmesão, fatias de berinjela e abobrinha (R$ 69).

R. Francisca Julia, 465, Santana, 2959-5077.

 

Baguncinha

Cheio de bugigangas antigas – muitas delas à venda das 12h às 19h –, o Caos surpreende, tornando-se confortável nas noites de quarta a domingo. Nesses dias, a loja se transforma em bar e recebe festas numa pista intimista.

R. Augusta, 584, Bela Vista, 2365-1260.

 

Quase secreto

No Cinesesc, bebida e cinema se encontram. Num pequeno bar voltado para a telona – visível através de um vidro –, dá para beber vinho (R$ 12, 350 ml) e comer quitutes durante a sessão, sem risco de incomodar ninguém.

R. Augusta, 2.075, Cerq. César, 3087-0500.

 

No embalo do jazz

No Madeleine, a decoração lembra a de uma casa na montanha. Do interior com tijolinhos – iluminado por velas e candelabros rústicos – às trepadeiras que envolvem a fachada do bar, tudo remete a um clima caseiro e confortável. Um tipo de ambiente que combinaria muito bem com um programa romântico. Para completar, lá tem apresentações de jazz, que começam sempre às 21h30, de terça a sábado (3ª a 5ª, R$ 20; 6ª e sáb., R$ 29).

R. Aspicuelta, 201, V. Madalena, 2936-0616.

 

Chá para todos

O ambiente do Tea Connection, com seus toques de madeira e algumas cadeiras estofadas, é tão aconchegante que você vai esquecer que o inverno chegou. E a seleção de chás também ajuda, claro. É possível optar por blends de chás pretos, vermelhos, amarelos (infusões sem cafeína) e verdes (R$ 9, cada). Um dos mais pedidos é o ‘Blueberry’: chá preto com gergelim e menta. Se for almoçar, há um menu do dia de 2ª a 6ª (R$ 31).

Al. Lorena, 1.271, Jd. Paulista, 3063-4018.

 

Luz baixa

Só de estar situado no subterrâneo do Astor, o Subastor já seria quentinho. A luz baixa, as cortinas vermelhas e o clima de adega fazem dele o lugar perfeito para beber drinques, como o ‘Gin Tônica Classic’ (R$ 28), com grapefruit e limão siciliano. A bebida pode ser gelada, mas ali não falta calor.

R. Delfina, 163, V. Madalena, 3815-1364.

 

Calor ibérico

A iluminação baixa e quente do Sancho Bar y Tapas quase transporta você para o calor do verão espanhol. Além da carta de vinhos, com rótulos portugueses, chilenos, argentinos e, é claro, espanhóis, há petiscos como o queijo brie empanado com geleia, servido no pão da casa (R$ 6,50).

R. Augusta, 1.415, metrô Consolação, 3141-1956.

 

Lá em casa

Galerias de arte são, em geral, brancas e minimalistas – dando lugar para o frio. Mas a Gravura Brasileira foge desse padrão. Montada em uma casa, só pelo piso de madeira, ela já dá uma sensação maior de aconchego. Até 18/7, a ‘SP Estampa’ exibe obras de artistas brasileiros.

R. Dr. Franco da Rocha, 61, Perdizes, 3624-9193. Grátis. 

 

Regado a vinho

Além do andar onde funciona um restaurante completo, o Bravin mantém um wine bar subterrâneo que tem tudo a ver com o inverno paulistano. No lounge, com poltronas capitonê e sofás macios, é servida uma seleção de 320 vinhos (R$ 23, a taça de tinto) e algumas entradinhas. A polenta com ragu de cogumelo e taleggio (R$ 21) combina perfeitamente com o clima da estação.

R. Mato Grosso, 154, Consolação, 2659-2525.

 

Tradição festiva

A Ceagesp abre espaço, de quarta a domingo, ao seu Festival de Sopas, que já está na 6ª edição. Com cardápio que varia a cada semana, o bufê livre (com cinco ou seis sopas) sai por R$ 29,90. Os antepastos são cobrados à parte. Até domingo (22) são servidas seis sopas: entre elas, a de chilli, uma homenagem à seleção mexicana.

Av. Dr. Gastão Vidigal, 1.946, V. Leopoldina, 3643-3700.

De canto

Assim que entrar no Drosophyla, vire à direita. Ali, está o cantinho mais aconchegante da casa. A área de piso elevado, com janela voltada para a rua, tem iluminação baixa e um grande e confortável sofá. Bom lugar para comer o Camembert assado da casa (R$ 39).

R. Pedro Taques, 80, Consolação, 3120-5535.

Pra virar freguês

“Meia-noite, em pleno Largo do Arouche, em frente ao mercado das flores, há um restaurante francês”, canta Criolo no bolero ‘Freguês da Meia-Noite’. Trata-se do La Casserole, que tem o prato certo para esquentar você – e o coração do personagem desiludido da música. Tradicional da cidade de Marselha, a ‘Bouillabaisse’ (R$ 69) é um caldo de peixes ao açafrão com camarão e mariscos.

Lgo. do Arouche, 346, República, 3331-6283.

 

Ponto certo

No casarão antigo que abriga o Zeffiro, a culinária italiana – famosa pelas porções quentes e generosas – é o carro-chefe. No cardápio da casa, as sopas são as mais indicadas para aumentar a temperatura. O caldo verde (R$ 24), a sopa de cebola com amêndoas e a de abóbora com carne seca (ambas R$ 28) e o tradicional capelete (R$ 28) são adequadamente fumegantes.

R. Frei Caneca, 669, Consolação, 3259-0932.

Sob medida

A doceria Made by Nina pensou bem no inverno para suas novas criações e uniu dois clássicos: fez sopas de chocolate belga (R$ 18, cada). A versão de frutas vermelhas leva framboesa e morango; a de castanhas (foto) é servida com um mix de nozes, castanha de caju e castanha do Brasil – todas elas com um toque de caramelo.

R. Jurecê, 433, Moema, 4324-5655.

Fim de expediente

A Donostia criou três opções invernais de happy hour, servidas das 18h às 20h. Numa delas, duas taças de vinhos da casa são acompanhadas por dois ‘pintxos’, aperitivos espanhóis (R$ 27,90).

R. Simão Álvares, 484, Pinheiros, 3034-0996.

Colado no palco

A pequenina Casa de Francisca tem iluminação indireta (com direito a velas) e deixa o público pertinho do artista, propiciando o calor humano. Na 4ª (25), 21h30, tem show da Luísa Maita.

R. José Maria Lisboa, 190, Jd. Paulista, 3052-0547.

Sopas da terrinha

O restaurante Tasca do Arouche, especializado em comida portuguesa, aquece seus clientes com delícias como o creme de aspargos (R$ 19) e a sopa de frutos do mar, com peixe, lula e camarão
(R$ 22). Para acompanhar, um vinho tinto como o Altas Quintas 600 (R$ 69, a garrafa) é uma ótima opção.

Hotel San Michel, Lgo. do Arouche, 212, República, 3224-1421.

Para se mexer

> Parque aquático no inverno? Sim! Parece loucura, mas no Wet’n Wild dá pra cair dentro d’água sem medo de ser feliz. É que lá tem a ‘Hot Land’, uma área (com duas atrações) com teto retrátil que barra a chuva e o vento.

Rod. dos Bandeirantes, km 72, Vinhedo, 4496-8000. 

> A adrenalina aumenta a temperatura do corpo, logo, as atividades físicas nos mantêm quentes. E o paintball tem uma vantagem: a roupa, mais pesada, esquenta. No Adrena Paintball, duas horas saem por R$ 60.

Rod. Fernão Dias, km 82, Guarulhos, 2206-2110.

 

Tags: , , , ,

1 Comentário | comente

  • A + A -
1 Comentário Comente também
  • 20/06/2014 - 20:21
    Enviado por: Cezar

    Na chamada de capa está escrito: ‘Dicas para você enfrentar o inverno’. Não seria melhor ‘Dicas para você CURTIR’ o inverno? Afinal, o inverno é uma estação do ano como as outras. Não tem essa conotação negativa.

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

 

Arquivos

Todos os Blogs