ir para o conteúdo
 • 

Daniel Martins de Barros

06.fevereiro.2014 21:03:19

Justiça com as próprias mãos

O surgimento de grupos de justiceiros no Rio de Janeiro, revelados quando um garoto foi espancado e preso pelo pescoço a um poste, é um sinal de alerta que não pode ser negligenciado. Ele aponta numa direção muito perigosa, na qual as pessoas não reconhecem mais a noção de Estado, retornando da civilização à barbárie. Se parece exagero, é bom lembrar que para muitos o momento fundador da civilização é quando todas as pessoas abrem mão do uso da força física, delegando exclusivamente ao Estado essa prerrogativa. Fazer justiça com as próprias mãos seria, literalmente, barbaridade.

Ocorre que o senso de injustiça é muito arraigado em nós. Pesquisas com diversas espécies animais mostram que essa noção tem origens antigas na escala evolutiva: de ratos a gorilas, punir infrações parece ser útil há muitas eras. Noções de dano, contaminação, deslealdade e desobediência sinalizam em nós com muita força as sensações de certo e errado, automaticamente dando origem a desejos de vingança ou reparação. Mas ser civilizado significa exatamente conseguir conter tais impulsos primitivos, franqueando às autoridades superiores a efetivação da justiça.

Quando as pessoas sentem que podem – ou que até devem – tomar de volta a possibilidade de usar a força física, com a alegação de que estão fazendo justiça, a mensagem transmitida é que não se crê mais no pacto social. Quer por falta de ação do Estado, quer por excesso de violações com que se deparam, elas considerarem que seu senso de justiça não está satisfeito e resolvem agir por si mesmas. A gravidade está no fato de isso indicar uma situação de anomia, na qual os fundamentos da sociedade colapsam levando à ausência de regras e consequente incapacidade de adequação aos padrões de conduta.

Forma-se um círculo vicioso no qual as pessoas se sentem injustiçadas, não creem na ação do Estado e por isso rompem o pacto social, o que gera mais injustiça. É um dos poucos momentos em que não há muita margem para debate: tanto quem está à esquerda como quem está à direita concorda que a única saída é o resgate da legitimidade do Estado.

comentários (27) | comente

  • A + A -
27 Comentários Comente também
  • 06/02/2014 - 21:46
    Enviado por: Marcele Castro Da Veiga

    Não tem que prender no poste tem que matar.

    “…sofrerão penalidade de eterna destruição, banidos da face do Senhor e da glória do seu poder” – 2Tessalonicenses 1:9

    E quanto àqueles meus inimigos que não quiseram que eu reinasse sobre eles [no Amor Justo], trazei-os aqui, e matai-os diante de mim. E, dito isto, ia caminhando adiante, subindo para Jerusalém [Celestial Perfeita]” – Lucas 19:27

    Deveriam ter dado uns tiros na cabeça de todos esses bandidos pés de chinelo que roubam os pobres, que desgraçam os injustiçados e pessoas trabalhadoras, também em metralhar todos os injustos e outros como os banqueiros, acionistas e opressores administradores que também roubam, desfalcam de forma arbitrária e covarde com as manipulações a sociedade escravizada que está totalmente injustiçada na irracionalidade, por isso tem que matar mesmo, assassinar e destruir não é só prender em poste não, tem que homicidar, tudo o que não presta, assim se pratica Perfeitamente a Soberania da Justiça Divina sem hipocrisia, do humilhado, condenado e assassinado por governos opressores, empresários indecentes e outros hipócritas desde Israel, o Senhor do Amor Perfeito que nunca cometeu erro contra ninguém, também nunca cometeu as injustiças e outras irracionalidades de doentes mentais, esquizofrênicos que o mataram mesmo assim estupidamente então?

    responder este comentário denunciar abuso

    • 14/02/2014 - 12:18
      Enviado por: Fabian Renz

      Que horror cara, Lucas 19:27 tá dizendo que serão destruidos na volta de Jesus e não para a gente matar niguém, a gente precisa ajudar essas pessoas. por isso a morte de cruz, para essas pessoas poderem ser perduadas.
      Devemos resistir a vontade de vingar-nos e devemos expressar amor. A Bíblia diz em Mateus 5:38-39 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao homem mau; mas a qualquer que te bater na face direita, oferece-lhe também a outra.

      Devemos deixar a vingança nas mãos de Deus. A Bíblia diz em Romanos 12:19 Não vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira de Deus, porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor. Provérbios 20:22 Não digas: vingar-me-ei do mal; espera pelo Senhor e ele te livrará.

      A violência é contagiosa. A Bíblia diz em Provérbios 16:29 “O homem violento alicia o seu vizinho, e guia-o por um caminho que não é bom.”

      Deus é amor, não distorçe a palavra de Deus pois ele é Fato ontem, hoje, amanhã e sempre.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 14/02/2014 - 12:22
      Enviado por: Daniel Lourenço

      Misturando religião com justiça/estado: TERRORISMO.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 14/02/2014 - 13:18
      Enviado por: tiago coelho de araujo

      marcele castro da veiga… que lixo de comentário e que lixo de deus!!!

      responder este comentário denunciar abuso
    • 14/02/2014 - 16:28
      Enviado por: Huarley Alexandre de Aquino

      Precisamos realmente nos revoltarmos, pois justiça nesse país já não existe a muito tempo, não
      tem que ficar passando mão em cabeça de marmanjo, e quando digo marmanjo me refiro a maior de 10 anos, pois já sabe perfeitamente o que é certo e errado. Se a igreja e os direitos humanos querem proteger esses marginais, que vão para uma ilha deserta viver em orgias e carícias.
      Chega de sentimentos banais por lixos humanos que não tem mais concerto, pobreza não é sinônimo de malandragem, podemos escolher caminhos que dizem se é certo ou errado, se escolheram fazer errado, que vão queimar no inferno. Por mim já teriam aprovado a pena de morte a muito tempo, pois ai começaríamos pelos políticos para dar exemplo a esse país sem lei!

      responder este comentário denunciar abuso
    • 14/02/2014 - 19:40
      Enviado por: G.

      Deixe a justiça divina pra Deus. Ele pôs o bom e o mau na Terra igualmente. O defeito está na justiça dos homens. E são os “Homens Grandes” é que mandam e estão pouco se lixando pra nós, homens pequenos na escala da política e da organização do Estado. Esses grandões é que sempre passam ilesos. Roubam, matam, estupram…. e ainda saem por cima, pq nós somos injustiçados por quem é responsável por fazer a justiça. Se preso, tem $$ pra soltura. Se condenado a 30 anos, não passa mais q 6 meses em semi aberto…. em cela bacana….

      responder este comentário denunciar abuso
    • 15/02/2014 - 14:12
      Enviado por: Sandro Abel

      O bom e velho amor cristão!!

      responder este comentário denunciar abuso
    • 16/02/2014 - 00:02
      Enviado por: Alda

      Cara voce é louco… tem que ser internado urgente tipos como como você é uma ameaça a sociedade.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 06/02/2014 - 22:58
    Enviado por: Jorge Vitor

    Perfeito, parabéns! As pessoas não são más, mas todo espaço que está vazio tende a ser preenchido. É clara a omissão do governo, e até mesmo naquele local, onde diariamente há assaltos violentos e sempre se nota a ausência da polícia. No Rio de Janeiro, em vários locais, você sai de casa e é assaltado na porta, à domicílio. Não justifica, mas explica. Abraços.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 10:41
    Enviado por: Henrique Barros

    Quando sentimos que estamos completamente desamparados pelo poder público sentimos uma necessidade mórbida de praticar a justiça pelas próprias mãos. Quando uma pessoa é assaltada e não reage, após, sente uma sensação de incapacidade, de inferioridade que, muitas vezes, acompanha a vítima por um longo tempo, isso quando a terapia é necessária. Por isso, vibro quando um larápio é pego pela população no afã de fazer justiça. Dá uns bons tabefes no indivíduo e o amarra em um poste. Compreendo também que se a moda pega, muita injustiça acaba sendo cometida e isso é um perigo danado. Então ficamos entre a cruz e a espada. Fazer justiça ou não fazer. Mas enquanto isso inquéritos não são concluídos, investigações não são feitas, e a impunidade se alastra. Uma pesquisa feita sobre a criminalidade mostra que apenas 7% dos inquéritos são concluídos e os criminosos presos e julgados. Número bastante ínfimo para a realidade brasileira.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 11:04
    Enviado por: Rafael Mendes da Silva

    Nossa, olha o nível deste primeiro comentário…enquanto muitos continuarem utilizando um livro repleto de códigos de conduta tribais de 3000 anos atrás (a BÍBLIA, para quem não souber), creio não estarmos realmente muito longes da barbárie não….

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 11:44
    Enviado por: Marco Aurélio

    Não quero polemizar aqui, mas quero deixar registrado meu apoio a esses justiceiros, muita gente que fica criticando é porque nunca foi alvo de um assalto, ou de alguma espécie de violência, quem já passou por essa experiencia ruim, e depois foi a uma delegacia pra tentar resolver sabe como as coisas são. O governo, e a mídia ficam incentivando o crime, mostrando filmes, e reportagens onde o bandido sempre se sai bem, e isso associado a falta de educação de berço (sim, sou a favor das palmadas e do trabalho infantil sim, é minha opinião, fui criado assim e me orgulho disso, porque hoje sei dar valor as coisas e sei respeitar as pessoas), isso tudo coopera para que os jovens vejam a criminalidade como um meio de levar a vida.

    Isso está errado, pais e mães precisam voltar a ter autoridade pra ensinar seus filhos o que é certo e o que é errado, é preciso valorizar o trabalho e quem consegue as coisas pelo meio justo (trabalho honesto) e não valorizar os bandidos.

    Os justiceiros, nada mais são do que pessoas que estão fartas de serem injustiçadas, registro aqui meu apoio “aos justiceiros”, e não estou nem aí pra quem discorda.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 12:30
    Enviado por: Bárbaro

    Se for necessário fazer justiça com as próprias mãos para garantir a integridade e o direito de ir e vir com segurança de cada pessoa.. todos teremos que virar bárbaros.. Hoje o estado protege o vagabundo, apoiando e o chamando de coitado que não teve oportunidade. Mas cada um desses coitados tiveram a chance de frequentar uma escola pública e batalhar por uma vida digna. Ser pobre não é desculpa para ser vagabundo! Ser pobre e com poucos recursos não é desculpa para não ser um trabalhador honesto. Ser pobre, não querer estudar e muito menos trabalhar.. é ser VAGABUNDO!!
    O estado protege o vagabundo que rouba de pessoas honestas e trabalhadoras.. essas quais deveriam ser protegidas pelo estado, pois pagam impostos até pelo direito de viver…

    Aconteceu comigo certa vez, de estar indo para a faculdade no período de prova. Assustado eu pedi para que baixassem as armas para evitar uma tragédia.. A resposta curta e grossa do brigadiano foi… “Se não ta gostando vai ser pior pra você”…
    O que esperar de um Estado que fornece essa proteção? Esperar levar um tiro quando você é uma pessoa honesta? Ou então a colocação de drogas no seu carro para lhe incriminar por não gostar de ter 3 armas apontadas para você?

    Eu sou uma pessoa que não acredito no governo do Brasil e muito menos nos policiais de merda que temos.. Se for pro governo proteger e ajudar os vagabundos, talvez por eles mesmos se identificarem com o caso, deixando a população honesta desprotegida e impedida de qualquer reação… Prefiro ser um bárbaro e fazer um pouco de justiça, aqui chamada de injustiça.
    No final, talvez quem acha que é injustiça fazer os vagabundos sofrerem por estarem roubando, mereça sentir na pele um pouco da justiça que o governo oferece…
    Ladrão vagabundo merece ser preço e trabalhar na prisão em serviço pesado.. Se pessoas honestas encaram serviços pesados.. Porque na prisão o vagabundo não pode encarar isso?


    kkkk

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 12:56
    Enviado por: marcos

    Não existe polícia, não existe governo, viramos o País dos corruptos, dos funks, dos espertos ganhando dos trabalhadores,
    Existe uma carnificina no Brasil, 50.000 assassinatos por ano, 10 x mais que a guerra na Siria,
    Senadores foram no presidios de pedrinhas, mas nenhum na casa da familia da menina assassinada queimada em um Onibus!
    Barbarie? tentar se defender é isso? Autoridades? Aqui no Brasil? só servem para corromper e desviar verba, pois sabem que aqui, o bandido, o assassino, o corrupto não serão punidos, enquanto isso a população de bem continua sendo exterminada, debaixo da bandeira dessa falsa DEMOCRACIA!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 13:10
    Enviado por: Jaziel

    O mal é inerente ao ser humano, por isso, precisamos de leis, entretanto, quando estas leis não são aplicadas ou são brandas “seguindo determinadas cartilhas” o mal prevalece. E prevalecendo provoca na sociedade este sentimento que está tudo errado.
    Sobre processo evolutivo “para com isto” “chega desta besteira de que estamos aqui por acaso.” Esta besteira tem levado a humanidade a não se reconhecer como imagem e semelhança de Deus, por isso a vida humana vale tão pouco, não passa de um processo biológico evolutivo sem sentido nenhum, isto é uma degradação. Falando sério: Existem regras que devem ser seguidas que foram estabelecidas pelo Criador. E as coisas são simples: Obedecendo-as a sociedade é feliz. Desobedecendo-as a sociedade sofre. O que acontece hoje em dia?

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 14:00
    Enviado por: Ilda de Freitas

    Fazer justiça com as próprias mãos não é fazer justiça, é se entregar à barbárie! A revolta da população é compreensível mas tem que ser direcionada àqueles que deveriam zelar pela ordem, pelos valores da democracia e da ética. Com grande inquietude,vejo os “justiceiros anônimos” ganharem cada dia mais adeptos e isso é muito mais alarmante do que a própria violência de marginais.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 14:12
    Enviado por: leandro da silva

    Temos que colocar o bolsonaro pra presidente, o mesmo irá nos dar o direito de portar armas e em uma situação destas eu sentava-lhe o dedo neste filha da puta e depois iria jantar com meus familiares.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 14:44
    Enviado por: Jeferson Moreira

    O problema é que o cidadão está cansado de tanta impunidade, quando se assaltado,roubado, agredido, etc. não há respaldo das autoridades. Um paradoxo moral é sentir alegria quando um bandido é torturado pela poulação ou quando um assassino de criança é morto pelo tribunal do crime, não temos o direito de termos armas para termos uma chance de defesa quando invadem nossas casas e ameaçam nossa família, somos gados em um cercado esperando pelo abate sem sequer a dignidade de sermos caçados,a mercê da vontade de matar do bandido ou da “misericordia” que ele possa sentir de nos poupar. Se justiça com as próprias mãos é certo?? eis o problema, não se sabe mais, a sensação intima de todos é que ao menos alguma justiça foi feita, mesmo que não admitam.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 16:56
    Enviado por: everson

    De menor e vagabundo, já tem q tirar da sociedade, vagabundo bom é dormindo, à 7 palmos do chão…. Agora vem direitos humanos defender vagabundo? Justiça brasileira ficou pra trás, nos estados unidos policial q mata vagabundo ganha medalha, aqui no Brasil policial é tirado de circulação… Justiça aqui não funciona, as leis ultrapassadas ajudam o marginal, por isso justiça só com as próprias mãos e antes da polícia chegar meu amigo pq até eles não podem mais descer a borracha nesses vagabundos mais…. Pronto falei

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 17:02
    Enviado por: Robson

    Falar de segurança do alto de uma cobertura ou do minterior de carro blindado e acompanhado por seguranças é fácil, difícil é viver a insegurança das ruas, sair de casa sem saber se volta vivo, temer por seus filhos e filhas pois, na verdade saem mas não sabemos se volta pois algum “ANIMAL” que não deveria se quer ter nascido, pode estar a espreita para nos levar a dignidade, a vida, nossa e dos nossos entes queridos. Quanto a barbaria, esta já esta a solta nas ruas, latrocínios, assaltos, estrupos e tanta outras maldades, só não vê que não quer ver. Ação e reação, já que o estado não nos protege, e não protege, o povo começa a se autoproteger. Se os pseudos intelectuais estão preocupados com a reação do povo é fácil, comecem a se preocupar com os direito humanos do povo, povo trabalhador, ordeiro, honesto e não com os direitos a escoria, velho ditado, diga me com que andas e te direi quem és.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 19:05
    Enviado por: Thiago

    Desculpe amigo, mas a civilização é caracterizada por 3 elementos fundamentais: escrita saneamento e a formação da cidade. Logo, não se deixa de ser civilizado quem reproduz episódios como o do tema. Questão de ordem semântica.
    Agora, se você dissesse que a justiça com as próprias mãos colocasse o Estado em cheque, aí sim.
    Na ausência do Estado as pessoas têm, SIM, o direito e até o dever de garantir a ordem por si mesmas.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 19:07
    Enviado por: Paulo

    De fato, a aplicação da justiça com as próprias mãos se configura como barbárie. PORÉM, deixando de lado os moralismos, quantos marginais prejudicam e matam cidadãos sistemáticamente e circulam livemente sorrindo desafiadoramente?, Seus crimes nem sequer são investigados, os responsáveis dificilmente cumprem pena e, quando isso ocorre, logo ganham algum indulto ou prêmio. O fato é que a população está CANSADA de impunidade. Se roubam seu carro você faz um B.O. meramente como formalidade. Se tem seguro, ótimo, já sustentou os bancos e seguradoras. Se não tem, dane-se (para ser educado) Quantos carros são recuperados? quantos ladrões são presos? Quantos homicídios são esclarecidos e o culpado cumpre pelo menos metade da pena? Experimente fazer um B.O. de roubo de bicicleta ou de celular. ou então de furto !!!! Vão rir de você. Se a polícia investigasse, prendesse, a justiça julgasse e o sujeito pagasse pelo que fez, pouca gente se daria ao trabalho de amarrar alguem num poste ou coisa que o valha. A POPULAÇÃO BRASILEIRA NÃO É BÁRBARA. SÓ ESTÁ PERDENDO A PACIÊNCIA

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 19:34
    Enviado por: G.

    “Mas ser civilizado significa exatamente conseguir conter tais impulsos primitivos, franqueando às autoridades superiores a efetivação da justiça.”

    As “autoridades superiores” são mais bárbaras e primitivas que a civilização! Se está acontecendo isso, é pq a autoridade superior não dá conta… e nem se importa com a população! Não é esses “ratinho miguelado” q tem q ser presos em postes não! Acorrenta essa corja de políticos corruptos e safados nos postes que daí eu quero ver…. Ah… esqueci que não dá, né…. eles têm segurança particular….

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/02/2014 - 23:18
    Enviado por: Jaldomir

    Vai te catar, palhaço! Justiça é justiça, vem do que é justo. Esse lero-lero seu é papo de bandido.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 17/02/2014 - 10:59
    Enviado por: Danilo Godoy

    Excelente texto!!!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 21/02/2014 - 20:25
    Enviado por: Elidio

    uma pessoa não muda sua índole,se ela mata uma vez duas essa pessoa não tem recuperação não sei que governo acredita nisso e se ela é capaz de matar porque merece cuidados merecem ser linchados mesmo não tem nada de barbaridade eles são capaz de fazer pior vão para cadeia se alimentar as nossas custa e sai como se tivesse erguendo um troféu que matou mais um, e fazem tudo de novo.

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

  • Quem faz

    Quem faz

    Daniel de Barros

    Daniel de Barros é psiquiatra do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (IPq-HC), onde atua como coordenador médico do Núcleo de Psiquiatria Forense e Psicologia Jurídica (Nufor). Doutor em ciências e bacharel em filosofia, ambos pela USP.

Comentários recentes

  • Nicia cartao de credito bradesco: Oi eu adoro seu blogg. Eu certamente acabou de criar a minha propria pagina,...
  • Silvio: Caro Dr Daniel, esse artigo me fez lembrar de notícias sobre o neurofeedback, que é um treinamento cerebral...
  • Maria Leticia Nascimento: Uma breve contribuição para reforçar o artigo: Certa vez, num fim de tarde de um...
  • Daniel Martins de Barros: Não chego a contralto, mas não sou exatamente um barítono.
  • Charles: Artigo excelente, como sempre… mas fiquei curioso: o Sr. tem mesmo voz de mulher?

Arquivos

Todos os Blogs

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo