1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Como funciona a oração do papa

Daniel Martins de Barros

10 junho 2014 | 11:31

Um padre e um rabino foram assistir a uma luta de boxe. Ao entrar no ringue um dos lutadores faz o sinal da cruz, ao que o rabino perguntou para o padre: “O que significa aquele sinal?”. “Nada”, disse o ele, “se o sujeito não souber lutar”.

Famosa depois de fazer parte do filme O Vôo da Fenix, de 2004, lembro dessa piada diante da louvável iniciativa do papa Francisco de reunir, no Vaticano, os líderes israelense Shimon Peres e palestino Mahmoud Abbas, para conversar e orar pela paz. Vale a pena pensar se e como essa oração pode funcionar.

Vários estudos já foram feitos para tentar verificar o poder real da intercessão espiritual – na área da saúde, por exemplo, pesquisas realizadas procuraram descobrir se pacientes que recebem oração melhoram mais do que os outros. Mas os resultados são controversos, por várias razões. Em primeiro lugar, a metodologia é complicada: o padrão das pesquisas médicas é sempre comparar uma intervenção que se imagina eficaz com outras ineficazes, o chamado placebo. E como seria possível fazer uma oração placebo: pedir para Deus, mas sem fé? Nesse caso não seria uma oração legítima. E se compararmos pacientes que receberam oração com os que não receberam, podemos não estar fazendo as medidas corretas – as diferenças que porventura existissem poderiam não ser decorrentes da ação divina, mas da mentalização ou outras variáveis de confusão. Mas a maior dificuldade é compatibilizar o discurso religioso e o científico. A religião é um sistema fechado: por ser dogmática, não está aberta ser questionada e “provada falsa” – a cada resultado negativo, haverá uma explicação do tipo “não foi da vontade de Deus”. A ciência, por seu turno, tem o foco na negação das hipóteses, não em sua comprovação – e a cada resultado positivo haverá também uma explicação, seja sobre artefatos estatísticos ou tamanho pequeno da amostra. Como disse Dostoiévski, “O verdadeiro realista, caso não creia, sempre encontrará em si força e capacidade para não acreditar no milagre, e se o milagre se apresenta diante dele como um fato irrefutável, é mais fácil ele descrer de seus sentidos que admitir o fato. E se o admite, admite-o como fato natural, que apenas lhe fora até então desconhecido”.

Mas a oração do papa pode muito bem funcionar por outros meios.

Primeiro, porque orar implica em abrir espaço mental para determinado assunto, tanto racional como emocionalmente, trazendo o tema para o foco de nossa atenção, o que pode canalizar mais da nossa energia para buscar soluções. A expectativa de um resultado positivo, sabe-se bem, pode influenciar no resultado de diversos processos, aumentando a chance de realmente tal resultado ocorrer. Ao colocar a paz no Oriente médio como objeto de oração, o papa Francisco injeta mais força no assunto e de alguma forma aumenta as expectativas sobre ela. Além disso há o componente do compromisso público que é assumido com essa atitude. Ao unir em oração líderes católicos, judeus e muçulmanos, o Papa não só mostra que as religiões podem conversar – mais do que apenas conviver. Faz também com que as autoridades assumam publicamente a postura de pedir para que seu Deus os ajude a encontrar a paz, tornando mais constrangedor para eles futuramente trabalharem contra essa mesma paz que diante de todos pediram a Deus para promover.

Como o sinal da cruz do pugilista, só orar pela paz não vai valer muita coisa se os atores políticos não souberem como buscá-la efetivamente. Mas mesmo que não leve a guerra a nocaute, esse foi um golpe bonito de se ver.