Crimes no Brasil

10.novembro.2009 14:47:21

A geografia da violência

Divulgado em janeiro de 2008, com dados até 2006, o Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros é ainda hoje o levantamento de abrangência nacional mais recente sobre segurança nas cidades. Reúne os números, município por município e Estado por Estado, de homicídios; taxa de homicídios por 100 mil habitantes; homicídios juvenis; mortes por arma de fogo; e mortes no trânsito.

O blog preparou um mapa interativo com os dados do levantamento e, para entender seus padrões, conversou com o autor, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz. Argentino radicado no Brasil, Waiselfisz é diretor de pesquisas do Instituto Sangari – entidade parceira da Rede de Informação Tecnológica Latino-Americana e dos ministérios da Saúde e da Justiça na elaboração da pesquisa. Waiselfisz atualmente prepara uma nova edição do mapa, com divulgação prevista para daqui um mês.

O mapa da violência

Onde se mata mais

O mapa mostra uma forte correlação entre altas taxas de homicídio (por 100 mil habitantes) e:

1) zonas de grilagem e devastação; em particular, Waiselfisz chama a atenção para os municípios do arco do desmatamento amazônico.
2) zonas de fronteira; o sociólogo aponta cidades que estão em rota de contrabando e pirataria, como Foz do Iguaçu (PR) e Coronel Sapucaia (MS), a número 1 em taxa de homicídios.
3) polos de desenvolvimento local ou regional; Waiselfisz cita quatro exemplos em Pernambuco, Estado onde mora há 30 anos: o polo de agriculgura irrigada de Petrolina; o polo gesseiro de Araripina; o polo de confecções de Santa Cruz do Capibaribe; e o já tradicionalmente violento polígono da maconha.

Interiorização

A correlação entre violência e polos de desenvolvimento regional é expressão de um fenômeno relativamente recente: a interiorização da violência. “Até metade dos anos 90, os polos dinâmicos da violência se concentravam nas grandes cidades. A partir de 1999, começa um processo de estagnação nas capitais, e a violência segue crescendo no interior”, diz. São duas as razões: maior investimento em segurança nas regiões metropolitanas e o aparecimento de polos de atração econômica no interior. Uma terceira razão não explica o fenômeno, mas causa impacto nos números: com o surgimento de novos institutos médicos legais e a ampliação da rede básica de saúde, a violência nos grotões entrou no radar do Estado.

Litoral

O mapa também expõe uma alta vulnerabilidade em boa parte da faixa litorânea. Além da violência conhecida em grandes regiões metropolitanas estabelecidas no litoral, o sociólogo lembra também o mau desempenho de cidades de pequeno e médio porte alvo de turismo predatório.

Homicídios em queda

Na conta geral, o número de homicídios no País caiu de 50.980 em 2003 para 46.660 em 2006. É uma queda de 8,5%, que o sociólogo credita em parte à campanha pelo desarmamento e em parte a políticas de segurança em cidades de maior peso demográfico. Caso mais conhecido é o de São Paulo. A cidade melhorou 310 posições no ranking de homicícios por 100 mil habitantes, compensando, no plano nacional, o aumento da violência em outras regiões.

Quem se interessa pelo tema pode baixar o relatório final do Mapa da Violência (PDF, 1.9 Mb) e a planilha com todos os dados (EXCEL, 3,6 Mb).

Comentários (23)| Comente!

  • A + A -
23 Comentários Comente também
  • 10/11/2009 - 15:06
    Enviado por: André

    Muito interesante o estudo e a reportagem, e seria positivo se pudessemos fazer comparação com outros países, para saber como realmente estamos situado, frente a vizinhos sul e latino americanos, africanos e outros.
    obrigado

    responder este comentário denunciar abuso

  • 10/11/2009 - 17:11
    Enviado por: Antonio Catterpillar

    Muito interessante este estudo. Moro em São Paulo que tem 31,1 assassinatos por 100.000 e Curitiba, que eu acha um lugar bem mais tranquilo e seguro tem 44,7.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 11/11/2009 - 08:16
      Enviado por: INVESTIPOL

      Bom dia Antonio. Prezado leitor, não se deixe enganar por estes números. Eles não retratam a realidade plena, pois aqui em SP a SSP determina que sejam ‘mascaradas’ as estatísticas dos crimes ocorridos, conforme relata o Cel. Ricardo Jacob em seu blog (http://ricardojacob.org/?p=671). Lamentavelmente SP é uma cidade violenta. Por sorte hoje os ladrões parecem ter aprendido com os hackers, que quando começaram a atuar, detonavam os PC’s, e agora tiram proveito destes. Da mesma forma, antes os ladrões matavam suas vítimas muitas das vezes só pra ver pra qual lado ela ia cair, hoje eles as deixam vivas para poderem ser roubadas novamente amanhã. Tal fato também fez reduzir o nº de homicídios na cidade. E os estudos da violência somente se baseiam no nº de homicídios, não abordando outros crimes, tais como roubos, lesões corporais, estupros e outros.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 10/11/2009 - 17:26
    Enviado por: JOÃO SOARES

    Muito bom este estudo. Mostra com clareza as cidades mais violentas. Vemos, porém que é muito preocupante os altos precentuais de violência espalhados pelo Brasil pois não vemos a celebre “luz no fim do tunel”. Em outras palavras, nossos ilustres políticos são um bando de incompetentes, que só tem vistas para o lucro que o poder oferece. Cabe a nós do andar de baixo nos abaixar das balas, se pudermos.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 10/11/2009 - 20:52
    Enviado por: éttore

    muito interessante, mas esse grafico é relativo, pois nas regioes menos habitadas com certeza o indice será maior. Compare o numero total de habitantes de sao paulo e curitiba e veja pela proporçao onde a criminalidade é realmente maior…

    responder este comentário denunciar abuso

    • 11/11/2009 - 07:58
      Enviado por: Daniel Jelin

      Exato, Éttore. O gráfico é relativo mesmo. Representa o número de mortes por 100 mil habitantes. Mas é justamente isso que ajuda a entender fenômenos como a interiorização da violência, em geral mascarados quando considerados apenas o número absoluto de homicídios. A propósito: em números absolutos, São Paulo registrou 5575 homicídios em 2002 e 2546 em 2006. Em Curitiba, foram 530 homicídios em 2002 e 874 em 2006.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 10/11/2009 - 20:59
    Enviado por: Rômulo

    Pois é, eu, como morador de Curitiba, também estou incomodado com o resultado. E ainda tem gente que vota no Requião…

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 08:13
    Enviado por: Heraldo

    Sei que não dá para comparar a riqueza, a cultura e outras condições, mas apenas para referência: o Japão registrou 1134 homicídios no ano passado, em uma população de 130 milhões de habitantes, o que dá um índices de 0.9 por 100.000 ha.
    Talvez comparar com um caso no outro extremo, como o Japão, sirva para ver o que estamos fazendo de errado no Brasil.
    A Venezuela anda perto de 50 por 100.000, enquanto que o Uruguai e a Argentina estão aí pelos 4 a 5, o Chile um pouco abaixo de 2. Com cerca de 25 homicidios por 100.000 ha, o Brasil está entre os países mais violentos do mundo.
    Nota-se que estes índices caem com boa distribuição de renda, alto nível de educação e uma cultura que dá maior valor ao respeito ao próximo e ao coletivo.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 09:58
    Enviado por: joao venceslau

    Não acredito nesta reportagem pois aqui em SP a grande maioria não faz BO.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 11/11/2009 - 15:40
      Enviado por: Daniel Jelin

      caro joao, caro INVESTIPOL, quem se der ao trabalho de ler as notas técnicas da publicação verá que está baseada em dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), implantado nos anos 70 pelo Ministério da Saúde. E que, pela lei, nenhum sepultamento pode ser feito sem a certidão de registro de óbito. São os dados mais difíceis de mascarar. E ainda assim, notem que o levantamento também computa ‘mortes por arma de fogo’, sejam ou não homicídios, com resultados que reforçam o padrão geral da violência no País descrito pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 11/11/2009 - 11:13
    Enviado por: Fernando Trajano

    Seria importante que reportagens sobre o avanço da violência fosse realizadas, principalmente a que acontece no meio da classe média, pois infelizmente muitos consideram existir uma relação de pobreza com violência, tentando passar uma imagem de que somente os pobres praticam a violência, eles na verdade são o elo mais fracos e propicio a serem vítimas da violência. Outra sugestão seria a de trabalhar a violência como um todo e não apenas a urbana, no entanto é importante essas matérias, um abraço.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 14:55
    Enviado por: Adriano Rocha

    A pesquisa ajuda bastante a entender um pouco mais sobre a violência, todavia, esse mapa é calcado em crimes contra vida, notadamente homicídios que em sua esmagadora maioria ocorre em locais específicos e também por motivação específica. Seria excelente se um estudo como esse abordasse os outros delitos e um cruzamento de informações pontuasse a criminalidade de maneira mais abrangente. Assim poderíamos comparar os índices entre as cidades com um cenário mais próximo da real ambiência criminal.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 15:11
    Enviado por: Zetaa

    Excelente serviço do Estadão… Acima de tudo, ajuda a desmistificar algumas lendas, como a violência ser exclusividade de certas cidades famosas…

    No Rio de Janeiro, por exemplo, a situação melhorou apesar da histeria midiática; os índices mostram a redução de mais de 60 para 44 homicídios por 100 mil habitantes; índice menor do que dezenas de cidades do país…

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 15:13
    Enviado por: Zetaa

    Na verdade caiu para 37 em 2006, praticamente a metade…a média é que marcou 44…

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 15:17
    Enviado por: Yan

    só pra nã esquecer depois e ficar mais fácil de achar

    responder este comentário denunciar abuso

  • 11/11/2009 - 15:40
    Enviado por: Jorge de Deus

    Esse pais e uma vergonha sem comparacoes.
    Por que temos que comparar com outros paises, todos que ja viajaram para qquer parte do mundo sabem que nao existe pais tao violento qto o Brasil, aqui a violencia e corrupcao e endemica como em nenhum pais do mundo pode acreditar, nao adianta o governo mascarar as estatisticas pois a realidade esta ai na nossa cara e a violencia cada dia pior. Nao ha lei nesse pais e qdo ha somente esta do lado errado, aqui e onde o errado e o certo. Me da nojo dos governantes incompetentes que temos que nao conseguem nem dar um basta nessa violencia que assusta o Brasil e seus cidadaos.O ministro da Justica do Brasil deveria fazer um curso la fora na Europa pra aprender um pouco, ou se nao tem competencia como e o caso entao contratamos alguem de fora para colocar ordem no pais, ja vi que esse pais tem um nome: Circo Federativo do Brasil, onde voce e o palhaco !!!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 13/11/2009 - 12:16
    Enviado por: Rolando

    Bem informativo, mas vocês poderiam ter arranjado um mapa mais fácil de consultar ou então criar uma consulta através do nome do estado e da cidade.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 13/11/2009 - 17:35
    Enviado por: antonio pinheiro

    o brasil, infelismente não tem jeito de ser melhorado. a classe política dominante, só enxerga o rabo do vizinho
    temos códigos penal e processo penal, ultrapasados, necessitando de revitalização, mas falta estrutura moral à nossos políticos.
    que tal fazermos uma revisão constitucional, estabelecendo penalidades rigorosas para uma grande série de crímes tais como: latrocínio, assaltos a mão armada, sequestros, etc. o pedófilo e o estuprador merecem serem castrados cirurgicamente,
    quem comete crimes estando drogado ou alcoolizado, obrigatoriamente, deveria arcar totalmente com a recuperação de suas v´timas, inclusive indenizando-as. necessitamos de penalidades rigorosas, tais como pena de morte, prisão perpétua, penas acumulativas, acabando-se com essa palhaçada de a pseudo justiça, condenar um individuo a altas penas de prisão – 50, 60, 100 anos, mas a constituição estabelece pena máxima de 30 anos e o indíviduo condenado a tais penas, quando são passados 4 ou 5 anos, por bom comportamento nas prisões, onde fazem todos os favores sexuais a seus parceiros, transformam-se em mulheres ou adotam a tática de tornarem-se pastores evangélicos. logo que são libertados, vendo-se nas ruas, incidem novamente na criminalidade.
    reforme esse arremedo de constituição, estabelecendo: maioridade civil aos 16 anos, maioridade penal aos 12 anos, pena de morte, prisão perpétua, extinção de visitas intimas, sendo que estas são os maiores fatores para o ingresso de armas, drogas e celulares nas prisões

    responder este comentário denunciar abuso

  • 18/11/2009 - 15:56
    Enviado por: A geografia da violência (2) « Crimes no Brasil

    [...] Por sugestão de leitores, o blog preparou um mapa da violência no mundo, com dados de homicídios dolosos (por 100 mil habitantes) compilados pelo escritório da ONU para as drogas e o crime (UNODC). Para a maior parte dos países, há duas estimativas: uma mínima e outra máxima, conforme as fontes consultadas – e a relação completa de fontes consta do relatório, que pode ser baixado aqui: http://www.unodc.org/documents/data-and-analysis/IHS-rates-05012009.pdf (PDF, 341 Kb). [...]

    responder este comentário denunciar abuso

  • 20/11/2009 - 23:04
    Enviado por: Repórterdecrime

    Quem fala em histeria midiática no Rio está na verdade é um pouco mal informado. Em mil dias, houve nada menos que 20.000 mortes violentas (homicídios dolosos, latrocínios, mortes em confronto com a polícia e agentes da lei mortos.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 05/12/2009 - 07:36
    Enviado por: Andre Deak – Jornalismo Multimídia » MANY EYES: INFOGRAFIA DO ESTADÃO

    [...] certo mapa da violência no brasil, que a gente representou lá mesmo no blog, com dados até 2006 (http://blogs.estadao.com.br/crimes-no-brasil/2009/11/10/a-geografia-da-violencia/). um dia eu soube pelo jose roberto de toledo que a base havia sido atualizada com os dados de [...]

    responder este comentário denunciar abuso

Arquivo

Seções

Blogs do Estadão