ir para o conteúdo
 • 

Conversa de Bicho

15.dezembro.2013 09:34:59

Hospitais veterinários particulares planejam oferecer implantes de marca-passo em cães

O coração batia devagar e o cansaço mal permitia à pequena Molly, de 6 anos, se levantar. O diagnóstico, bloqueio atrioventricular total, levava à indicação do implante de um marca-passo, que faria a correção do problema cardíaco e daria à paciente uma vida praticamente normal. Esse até seria um procedimento comum, se não se tratasse de um cão. Apesar de o implante de marca-passo em animais não ser uma novidade fora do País, ainda é um grande desafio por aqui, o que causa a morte de muitos cachorros por falta de locais que realizem a cirurgia.

ACOMPANHE O BLOG CONVERSA DE BICHO: FACEBOOK TWITTER

Nos EUA, por exemplo, o procedimento é realizado há mais de 20 anos, inclusive em clínicas particulares. Porém, no Brasil, o único hospital veterinário que fazia a colocação do marca-passo em cães era o da Universidade de São Paulo (USP), que há mais de um ano não realiza o procedimento porque o equipamento que auxilia os médicos a visualizarem onde o eletrodo está passando e sendo colocado no coração (o fluoroscópio) quebrou e não tem mais conserto.

MARCAPASSO_web.jpg

O marca-passo colocado em cães é o mesmo de uso humano.
Crédito: EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

De 2007 até outubro do ano passado foram feitos 23 implantes de marca-passo em cães na USP (7 só no último ano), todos com sucesso. Mas o número de pacientes com indicação para o procedimento é bem superior a esse. Só na universidade, em média, aparece um caso por mês.

“Vários pacientes vêm de indicações de veterinários externos. Havia uma fila de espera de dez cães quando tivemos de interromper as cirurgias, em outubro do ano passado, mas não sabemos se todos ainda estão vivos. Dependendo do tipo de arritmia, como o bloqueio atrioventricular completo, a expectativa de vida é muito curta”, explica Denise Schtwartz, professora do departamento de Clínica Médica do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP.

A cadela Molly estava na fila do implante da universidade e a sua dona, Solange Almeida Oliveira, de 47 anos, não sabia se iria conseguir salvar a melhor amiga.  “Fiquei apreensiva pelo risco anestésico da cirurgia, mas eu estava bem mais preocupada porque ficou muito claro que o único lugar que ela poderia passar pela cirurgia seria na USP. Como lá o equipamento estava quebrado, não havia nenhuma outra clínica que faria o implante”, lembra Solange.

MARCAPASSO2_web.jpg

Solange e Molly. Cadela da raça labrador recebeu um 
marca-passo em hospital particular.
Crédito: EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Além de o aparelho que auxilia os veterinários durante as cirurgias não funcionar mais, a universidade também esbarra em mais um problema: conseguir o marca-passo. O hospital depende de doações, muitas vezes de dispositivos que já não podem ser utilizados em humanos por causa da validade de esterilização do produto. Uma resolução da Anvisa não permite que esses materiais sejam reesterilizados ou recondicionados para uso em humanos pela empresas que os comercializam, por isso a USP eventualmente consegue doações para pesquisa clínica e reesteriliza para serem utilizados nos cães. Mesmo assim as doações são muito pequenas.

Ainda que a vida útil dos aparelhos doados seja menor do que a de um novo, com duração entre seis a sete anos, são viáveis para serem implantados em cães. Animais dessa espécie normalmente apresentam a doença quando já são idosos, com mais de seis anos de idade, e têm uma expectativa de vida de 14 anos. 

NOVIDADE

Clínicas particulares não ofereciam o implante pelo alto custo do marca-passo – o valor da colocação e do dispositivo poderia chegar a R$ 20 mil. Na USP, o dono do animal paga próximo a R$ 2,5 mil, o que inclui o eletrodo, o procedimento e as taxas. Além disso, para realizar o implante, o especialista em cardiologia precisa de treinamento específico e o hospital ter um fluoroscópio, que custa aproximadamente R$ 250 mil.

MARCAPASSO3_web.jpg

Primeira cirurgia em hospital veterinário particular foi realizada no Pet Care.
Crédito: EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Mas a boa notícia é que hospitais veterinários particulares começaram a demonstrar interesse em oferecer o implante. Foi justamente graças à realização de uma cirurgia de treinamento no hospital veterinário particular Pet Care que a labrador Molly foi salva. O procedimento foi conduzido pelo veterinário Romain Pariaut, da Universidade da Louisiana, com auxílio do presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária, Guilherme Goldfeder. O hospital pretende oferecer o marca-passo para seus clientes a partir do segundo semestre de 2014.

O Hospital Veterinário Santa Inês já faz estudos para o próximo ano também colocar à disposição o serviço. “É importante adotar procedimentos mais avançados porque medicamentos que aumentam a frequência cardíaca não devem ser usados por muito tempo. Oferecermos serviços desse tipo é um grande avanço e significa que a cardiologia veterinária no Brasil deixará de engatinhar”, afirma Ariane Pellegrino, veterinária especialista em cardiologia do Hospital Veterinário Santa Inês.

Para a dona da Molly, ter opções de onde fazer o implante do marca-passo é uma notícia que diminui a chance de uma dor no coração que não pode ser esquecida facilmente: a da perda de um ser querido. “Pode até ser caro, mas, se você levar em conta que é uma vida, não tem preço. Hoje meus cachorros são meus filhos, e é a mesma coisa de você ter de cuidar de um filho, não medimos esforços. Se fosse preciso pagar, eu lutaria por isso. O importante é ter alternativas”, completa Solange.

ACOMPANHE O BLOG CONVERSA DE BICHO: FACEBOOK TWITTER

marca_passo_canino.jpg

ACOMPANHE O BLOG CONVERSA DE BICHO: FACEBOOK TWITTER

Saiba mais sobre Fábio Brito no Google

VEJA TAMBÉM:

Moradora de um condomínio obtém na Justiça direito de andar com cachorro no chão

Programa permite fazer viagem virtual pelo corpo do cavalo

 

comentários (17) | comente

  • A + A -
17 Comentários Comente também
  • 15/12/2013 - 10:52
    Enviado por: Ademar

    Enquanto isso na cidade de São Paulo, um paciente humano não consegue realizar uma ressonância magnética um ano após a solicitação do ortopedista do AME. Ótimo tratar os cães e treinar veterinários para realizar procedimentos sofisticados, mas os humanos não podem ser preteridos.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 17/12/2013 - 15:54
      Enviado por: Dr. K Melo

      Tudo é uma questão de prioridade.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 10/01/2014 - 15:12
      Enviado por: Wallace

      É Ademar realmente veterinários tratam de animais. O que tem a ver uma coisa com a outra? Porque alguém não consegue uma ressonância, os veterinários deveriam ser proibidos de evoluirem em sua profissão? Veterinários só atendem animais, então seu comentário não faz nenhum sentido ao comparar “alhos” com “bugalhos”. Isso interferiria na saúde humana somente se o cidadão quisesse ter sua cirurgia feita por um veterinário (de repente seria até melhor do que por um médico cubano, né?!)

      responder este comentário denunciar abuso
    • 16/01/2014 - 09:18
      Enviado por: Marcia

      Sr Ademar, curiosamente, enquanto humano, o senhor e toda humanidade, em especial no Brasil, dispõe de saúde pública, que presta atendimento, ainda que de má qualidade, muito diferente dos animais que só podem contar em grande maioria com atendimentos particulares caríssimos.
      Então, que envoluam os tratamentos veterinários, ainda que tenhamos que pagar por isso. Assim como os animais, para ter acesso, seus donos devem pagar pelo exame, o senhor também tem a oportunidade de pagar por seu exame de Ressonância…..basta pagar.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 15/12/2013 - 12:13
    Enviado por: Hamlet

    Mas um veterinário não cuida de humanos e se tratando do equipamento deve-se separar as coisas não seremos radicais, pois problemas públicos já não é de hoje. Do que vai adiantar especialização se não ter como aplicar.
    Pelo que eu li e entendi o único meio de realizar este implante de marca-passo são em hospitais particulares.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 15/12/2013 - 12:30
    Enviado por: luiz

    Caminhamos para o momento em que os cães dominarão o mundo,enquanto humanos são colocados em condição animalesca em termos de saude.Vale lembrar que tambem tenho um cão,mas a coisa esta ficando perigosa.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 15/12/2013 - 17:41
      Enviado por: CLAUDIO

      Veja, o sr quer dizer que estão tratando de cães em lugar de humanos?? Será que foi isso que entendi? Por isso a situação está ficando perigosa?? O sr quer dizer que VETERINARIOS QUE CUIDAM DE ANIMAIS não podem evoluir em sua área com técnicas mais modernas? o que tem a ver salvar a vida de um cão com salvar a vida de um ser humano? o sr não percebe que são áreas totalmente diferentes? Um é tratado por médicos e outro por veterinários. Realmente fico pasmo com isso. Sou coronariopata há anos e sou tratado por médicos, Tenho dois cães que são tratados por veterinários. Adoraria que as técnicas evoluíssem no meu caso. Como também adoraria que evoluíssem no caso da raça animal. Uma coisa é uma coisa outra coisa é outra coisa.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 15/12/2013 - 12:43
    Enviado por: pedro

    PAÍS DOS ABSURDOS !!!!!!!!

    ” MACONDO “

    responder este comentário denunciar abuso

  • 15/12/2013 - 13:55
    Enviado por: Ana

    Só tem gente retardada que não sabe nada comentando aqui. Não é a toa que o país é o que é.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 15/12/2013 - 21:23
    Enviado por: Solange

    Muito informativa e esclarecedora a matéria, fiel aos fatos, espero que ajude muitos outros cachorros que estejam passando por esse problema. Só duas coisas me deixam tristes.
    Saber que será uma minoria de animais beneficiados por essa tecnologia, devido aos custos ainda altos.
    E ver que existem muitas pessoas que tem dificuldade de interpretar um texto com mais de um parágrafo e duas vírgulas.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 16/12/2013 - 14:41
    Enviado por: Ricardo

    Não tem nada a ver uma coisa com a outra ! Veterinários cuidam de vidas assim como médicos ! Esses casos são estudados em humanos pois o coração do animal é igual ao do homem e se podem evoluir em suas áreas, por que não !? Agora se o Governo não dá condições à população, por que outros profissionais da área da saúde não podem evoluir em suas áreas específicas ?! Deveria servir como incentivo que a esperança e interesse por cuidar de quem quer que seja ainda existe, aos que tem menos condições de tratar seus animais, podem recorrer a USP que tem um tratamento excelente com baixo custo. E quem tem condições de pagar tratamentos sofisticados não podem deixar de proporcionar isso ao seu pet, pensando em curar o mundo !

    responder este comentário denunciar abuso

  • 17/12/2013 - 15:57
    Enviado por: Dr. K Melo

    Será que dá prá implantar um destes no cachorro do meu chefe?

    responder este comentário denunciar abuso

  • 22/12/2013 - 15:32
    Enviado por: Rose

    Animais estão sendo mais valorizados que seres humanos.

    responder este comentário denunciar abuso

    • 10/01/2014 - 15:07
      Enviado por: Wallace

      O que tem a ver uma coisa com a outra? Pena desses analfabetos funcionais que não sabem interpretar um texto. Quer dizer então que porque a saúde humana está um caos, devido a desvios, desmandos e corrupção, os animais não tem o direito de terem suas vidas salvas por um procedimento? Procedimento esse que já é feito em humanos há décadas?? Médicos cuidam de humanos, veterinários de animais e uma coisa não exclui a outra.

      responder este comentário denunciar abuso
  • 31/12/2013 - 09:32
    Enviado por: Paulo

    Certo estava meu avô!
    Do alto de sua sabedoria de 95 anos dizia:
    “Meu neto, presta atenção, ainda vai chegar o dia que mais vai valer ser cachorro de rico do que filho de pobre”!
    Nada contra cães, tenho e adoro.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 07/01/2014 - 13:31
    Enviado por: Ernesto Jr

    Que maravilha!!!!!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 14/01/2014 - 22:47
    Enviado por: Solange

    Pois é… esse diz que me diz não me diz nada. Meu cachorro Max, um boxer lindo, precisa de um implante destes, no entanto, não há como fazer. Não posso pagar o procedimento no hospital particular, a USP nos deixa a desejar e meu cachorro vai parando a cada dia…

    responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

  • Quem Faz

    Quem Faz

    Fábio Brito

    O paulistano Fábio Brito é jornalista e pós-graduado em Gestão Empresarial. É especialista em bichos de estimação e apaixonado por todos os animais desde criança. Há 10 anos, cria cachorros da raça retriever do labrador.


Comentários recentes

  • Romulo: O homem inventa um grande inimigo de todos: fogos de artifício! Só servem para fazer barulho, colocar a...
  • Soraia Carvalho: Bom dia! Moro em Belo Horizonte , sou apaixonada por animais, em especial os cães. Quero saber se...
  • Fabiana Ferreira: Oi Priscila também estou procurando este curso, aqui em Belo Horizonte (eu moro em Contagem)....
  • Marcia: Sr Ademar, curiosamente, enquanto humano, o senhor e toda humanidade, em especial no Brasil, dispõe de...
  • Solange: Pois é… esse diz que me diz não me diz nada. Meu cachorro Max, um boxer lindo, precisa de um...

Arquivos

Seções

Todos os Blogs

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo