1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

PABLO PEREIRA. Formado pela PUC-RS em 1986, é jornalista do Estadão desde 2007. Foi Editor Executivo de O Estado de S.Paulo, do Jornal da Tarde e do estadão.com.br. Master em Jornalismo Digital pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais (IICS), é repórter especial.

quarta-feira 18/06/14

A pegadinha da compra de ingressos da Copa

Os jogos da Copa são uma beleza, uma goleada atrás da outra, clima de festa pelo país etc. Mas não se pode deixar passar a sensação de frustração com a tal venda de ingressos pela internet. O torcedor comum foi feito de bobo. Ficaram meses enganando o povo dizendo que só se conseguiria ingresso no site. O torcedor crédulo, enganado, ficou feito panaca. Passou horas diante do computador tentando comprar ingresso, sem conseguir.

Agora vem a informação ...

Ler post
segunda-feira 16/06/14

Turistas fazem a festa no Museu do Futebol

O Museu do Futebol, que funciona no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, é uma festa para os turistas que visitam a cidade nesta temporada de Copa. Só num dia, na véspera da abertura, na semana passada, passaram pelo museu 2 mil estrangeiros. Naquele dia, o Museu registrou 2.743 visitantes.

A procura é tanta que o pessoal do Museu teve de suspender o agendamento das visitas de grupos para poder dar conta da demanda. No ...

Ler post
domingo 15/06/14

A integração pela bola

A bola. A bola é o caminho. Tudo o que governantes tentaram dividir, com as guerras luso-hispânicas dos século 18 e 19, o massacre dos paraguaios (1870), o princípio dos macaquitos (1900), o Acre (1904) ao norte e Itaipu ao sul (1980), toda essa imensa desconfiança, o ambiente esportivo do futebol está unindo.

A integração latinoamericana ocorre pela bola. É ela que atrai até uma divertida mudança na língua. Ganha força nesta Copa do Mundo brasileira o curioso portunhol, livre manifestação oral de gentes que juntam idiomas de origem europeia para se entender na América do Sul. Demorou 500 anos. Mas está acontecendo.

A melhora da condição de vida dos brasileiros, que por séculos viveram de costas para os hispânicos, está ajudando o gigante Atlântico a enxergar o Prata, os Andes e até ver claramente o azul do Pacífico. Neste final de semana, o exótico Caribe também apareceu, trazido por alegres e amarelos colombianos.

O Brasil, com todos os seus problemas internos, suas chagas sociais expostas nas favelas e nas manifestações de rua, a violência, suas nuvens de mosquitos infectos espalhando doenças, sua elite chula, prepotente e descivilizada – que já apoiou ditadura e agora mostra sua cara de chiqueiro gritando palavrão em estádio -, felizmente, tem um outro lado agradável: a alegria daqueles que entendem a diversidade, a democracia e, sinceramente, amam a bola.

A bola não tem arestas. É a imagem do infinito. Os que amam a bola rolando vivem a plenitude da boa vizinhança, do carinho com quem é visita, do real entendimento da convivência para curtir a hora da festa. Mostram que integrar não é entregar, nem dominar. Cante seu hino, mas, depois do jogo, tome uma cerveja comigo. E vamos falar de bola. Sorrir não é aderir. Curtir não é capitular.

O time bom-de-bola de Felipão pode não levar a taça da Fifa no dia 13 de julho. Mas a bola, a ferramenta de trabalho de Robben, Pilro, Messi, Drogba, Campbell, Luisito, Honda, Neymar e Oscar, certamente, já proporciona a este país um dos mais belos momentos de sua história.

Além de um saudável chamamento à consciência política da população, que há um ano cobra, democraticamente, seus direitos, a bola está abrindo uma porta para a real e fraterna misturança sulamericana.

.

Ler post

quinta-feira 12/06/14

Antes do jogo, clima de otimismo em recepção de Dilma

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito Fernando Haddad (PT) chutaram um 3 a 0 como resultado do jogo de estreia da Copa contra a Croácia no Itaquerão. Na saída do hotel Marriot, ao lado do Aeroporto de Guarulhos, onde se encontraram no final da manhã com a presidente Dilma Rousseff e do presidente da Fifa, Joseph Blatter, Alckmin e Haddad eram a imagem do favoritismo da seleção de Felipão. Os dois acompanharam a presidente no ônibus ...

Ler post
quarta-feira 11/06/14

O discurso, a Copa e os perigos da dengue

No pronunciamento feito em cadeia de TV, na noite de terça, 10, a presidente Dilma Rousseff reclamou de gente que estaria bombando a existência da dengue até no inverno. É certo que no frio o mosquito não se prolifera tanto quanto nos meses de temperaturas mais altas. Mas usar a dengue como argumento para tentar desqualificar discursos de oposição num momento no qual há milhares de pessoas sofrendo os efeitos danosos da infestação já parece demais.

O ...

Ler post
quarta-feira 04/06/14

Comprar ingressos para a Copa, uma experiência frustrante

Eu não sei pelo amigo leitor, mas por mim foi frustrante. Desde 22h30 esperava pela hora 00h01 porque  o site da Fifa anunciava que então abriria acesso a mais uma rodada de venda de ingressos para a Copa. Bom, quatro horas depois, às 2h20, nada. Não se conseguia acesso. Na página aberta na tela do computador, só o recado abaixo:
xxxxxxxxxxxxxxxxx
2014 FIFA WORLD CUP BRAZILTM
EN FR ES DE PT

Obrigado por seu interesse na Copa do Mundo ...

Ler post
segunda-feira 02/06/14

Novidade na campanha eleitoral do belo e agradável Uruguai

Bateu um vento forte na política uruguaia neste final de semana e o cenário eleitoral em Montevidéu mudou. O candidato da Situação, Tabaré Vásquez (Frente Amplio), que tem a dianteira nas preferências para a sucessão de José Mujica, terá um inesperado adversário na eleição de outubro: o deputado Luis Lacalle Pou, candidato do Partido Nacional.

Lacalle Pou derrubou as pesquisas de opinião ao sair de 6% para 54% nas preferências da militância do partido, também conhecido como ...

Ler post
segunda-feira 02/06/14

O País dorme em berço esplêndido. E o crack, devastador, avança!

Outro dia, andei pelo interior do Nordeste mostrando que o crack já havia chegado aos rincões do país. Cidades com cerca de 5 mil, 10 mil habitantes, em distantes regiões nordestinas, já estavam contaminadas. Um quadro gravíssimo!

Pois, agora, os jornalistas Ricardo Brandt e Robson Fernandjes fazem um trabalho brilhante no interior do Estado de São Paulo.

O crack é uma droga devastadora. O crack mata! O crack é uma calamidade. O crack está ...

Ler post