1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Quem Faz

PABLO PEREIRA. Formado pela PUC-RS em 1986, é jornalista do Estadão desde 2007. Foi Editor Executivo de O Estado de S.Paulo, do Jornal da Tarde e do estadão.com.br. Master em Jornalismo Digital pelo Instituto Internacional de Ciências Sociais (IICS), é repórter especial.

sábado 26/11/11 18:16

SP e o caranguejo de Hipócrates

Capa do livro do oncologista Paulo Hoff e outros 12 especialistas

. . A ilha de excelência brasileira chamada São Paulo tem, seguramente, a maior concentração de hospitais de alto padrão e de profissionais de altíssimo nível no exercício da medicina no País. São 105 hospitais e pelo menos 9 mil clínicas, segundo dados da Prefeitura. E um exemplo desse poderio no serviço médico e pesquisa é a Faculdade de Medicina da ...

Ler post
segunda-feira 21/11/11 19:03

Verão: praia ou montanha?

Tem gente que prefere areia, praia, sol de 40 graus, boa cerveja, guarda-sol. E, então,  se manda para o litoral paulista, Rio, Nordeste, Caribe - e vai curtir o verão. Tudo bem, cada um é cada um. Mas dá só uma espiada no que está acontecendo nas terras geladas do Canadá, no lado do Pacífico, um intrigante pedaço do mundo. O vídeo é do site da Grouse Mountain, parque existente dentro da cidade de Vancouver, que está abrindo a temporada ...

Ler post
domingo 20/11/11 08:51

Brasil atrai novas levas de trabalhador do exterior

Executivo brasileiro Artur Fuchs, CEO da Efacec, que retornou ao Brasil após duas décadas no exterior/Foto

No Século 19, ai pelos anos 1830/50, o Brasil viveu uma situação muito interessante, semelhante, em parte, ao que ocorre hoje, mais 160 anos depois. Precisava povoar sua imensa extensão territorial para crescer, se desenvolver, se proteger. E precisava, ainda mais importante, substituir a mão-de-obra escrava, que era uma mancha cruel na formação do País. A escravatura foi combatida por dentro na elite agrária de então, que dava suporte às estruturas de Estado, e de fora por opositores ferrenhos, brancos e ...

Ler post
segunda-feira 14/11/11 20:16

O dom de alegrar

Roda de chorinho em loja da Vila Mariana/Foto: Pablo Pereira

Responda rápido: o que têm em comum os padres Manoel da Nóbrega e Antonio Rodrigues (dos anos 1500) com Zequinha de Abreu, Antonio Rago e Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto, (dos 1900) e uma turma que se reuniu sábado pela manhã na Rua França Pinto, 42, na Vila Mariana?

Respondo eu, rápido: a música.

Sobrevive naquele endereço, onde há uma loja de instrumentos musicais, o maravilhoso dom de artistas que - desde as missas monofônicas dos mosteiros quinhentistas - fazem a alegria de São Paulo com saraus, rodas de modinhas e chorinho.

Quem passava na porta da Casa Vitale, quase esquina com a Avenida Domingos de Moraes, no sábado, ouvia cavaquinho, pandeiro e violão dando vida a chorinhos – que são os netos das modas portuguesas, que devem ser netas, ou tataranetas, do velho cantochão, o canto das igrejas, ouvido pela primeira vez pelos nativos de Piratininga ao ser tocado sob a “batuta” e inspiração dos religiosos Nóbrega e Rodrigues.

Em seu belo ensaio “Arranjos e timbres da música em São Paulo”, publicado no volume 1 de “A história da cidade de São Paulo” (Paz e Terra, 2004), o doutor José Geraldo Vinci de Moraes ensina isso tudo, e muito mais. Recorri ao livro para entender um pouquinho mais da raiz daquele som que dá um charme especial ao quarteirão de comércio perto da hora do almoço.

E lá estavam as citações do doutor Vinci de Moraes rementendo também aos idos de 1818, quando nesta mesma São Paulo “os botânicos alemães Spix e Martius” relataram ter feito o mesmo que muitos fazem aos sábados na Vila Mariana: curtir um sarau de modinhas.

Por ali, certamente, ao som do cavaco de uma mocinha, havia alguma coisa de um outro personagem paulistano, que viveu entre 1880 e 1935: Zequinha de Abreu. Segundo o estudo do doutor Vinci de Moraes, depois de fazer nada menos do que Tico-Tico no Fubá, em 1917, Zequinha chegou a São Paulo onde tocou em bares, cinemas e – olhem só! – em casas de instrumentos e partituras.

São Paulo tem cada coisa! Para ouvir, clique aqui.

Roda de chorinho em loja da Vila Mariana/Foto: Pablo Pereira

 

Ler post
sexta-feira 11/11/11 14:54

Pelé e a formação profissional nos esportes

Dois craques do esporte brasileiro, Pelé e Ary Graça, da Confederação Brasileira de Vôlei, foram chamados para debater no Museu do Futebol, no Pacaembu, o futuro da educação e do esporte no Brasil. Segundo os promotores do evento, marcado para dia 18, às 14h, é uma iniciativa da empresa Kroton Educacional,  que atua no setor de ensino. O ponto é a formação de profissionais para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.    

Ler post
sexta-feira 11/11/11 14:35

Nobre gesto do professor

Gravação de Paulo Liebert, com texto e edição de Gabriela Valente, da TV Estadão, mostra um ato admirável do professor Benedito Lima de Toledo, um conhecido do Garoa. Ele doou acervo riquíssimo para a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. O professor é uma autoridade em São Paulo. É um apaixonado pela formação da megalópole, como ele próprio definiu a mancha urbana paulistana que se alastra no rumo de outras cidades. Ouça a entrevista: Ler post

terça-feira 08/11/11 13:22

Governantes e governados

Os colegas jornalistas Bruno Ribeiro e Diego Zanchetta informam que a Prefeitura de São Paulo desistiu de impor novas faixas exclusivas para motos na cidade. E pode até acabar também com as duas que já foram riscadas no chão da Sumaré e na Vergueiro. É que os da Prefeitura chegaram à conclusão de que não só as faixas não reduziram os acidentes com motos no trânsito como aumentaram o número de vítimas. Ao ler a reportagem lembrei de uma passagem ...

Ler post
segunda-feira 07/11/11 11:25

O enigma SP

São Paulo provoca nas pessoas uma enorme variedade de sentimentos. Há gente que é absolutamente agradecida à cidade, ama de paixão esse espaço gigante, não a deixaria por nada. Outros, odeiam, querem se ver livres dela, ir embora, buscar sossego em outras paragens. É da vida. Trata-se de uma subjetividade ligada à reação de cada um ao que lhe acontece na existência em um determinado espaço geográfico. E o que dizer da interpretação dada a SP pelo artista Criolo? Ouça: