ir para o conteúdo
 • 

Blog da Garoa

Outro dia, durante o último feriado, fui ao cinema no Conjunto Nacional, na Paulista, e vi um filme que tem tudo a ver com a alma desse blog. Woody Allen escreveu e dirigiu “Meia-Noite em Paris”, numa escancarada rasgação de seda ao passado da capital da França, paraíso de intelectuais e artistas norte-americanos no começo do Século 20.

Contar uma história a partir de um personagem que sai do presente em viagem ao passado não é novidade nem no cinema nem na literatura. Ainda na sala de projeção lembrei do livro do espanhol Paco Umbral “Las Señoritas De Aviñon”, que li nos anos 90, uma edição de 1996, no qual o autor cria um mundo parisiense de um garoto que cresce em meio a personalidades como poeta Rubén Darío e o pintor Pablo Picasso – que, aliás, no livro de Umbral, é amante de uma tia do narrador. Uma beleza.

Mas Woody Allen faz um filme que também é uma maravilha, com os atores Owen Wilson, Rachel McAdams e Marion Cotilliard nos principais papéis. Gil (Owen Wilson) volta no tempo e encontra uma Paris repleta de gente legal, festas, cultura biscoito fino. Gertrude Stein (Kathy Bates) e Dalí (Adrien Brody) estão perfeitos, entre tantos outros, como o Picasso (Marcial Di Fonzo Bo), novamente enroscado com uma amante (Marion Cotilliard), como no texto de Paco Umbral.

O filme de Allen é uma elegante homenagem ao passado glorioso francês, mas é também uma ode ao presente. Viver mirando adiante é bem mais legal quando podemos olhar para trás e curtir cada momento de nossa história. A “idade de ouro” é agora.

comentários (3) | comente

  • A + A -
24.junho.2011 00:39:00

Uma tarde em Valhala

 Outro dia, um amigo, que esteve em Nova York, comentou o alto fluxo de brasileiros em passeio pelas ruas da capital do mundo. “É um bom lugar para você exercitar seu português”, brincou ele ao lembrar da quantidade de gente daqui que anda por lá. Lembrei dele hoje ao visitar a exposição de fotografias de Andreas Feininger no Museu Lasar Segall.

É uma maravilhosa coletânea de imagens de uma Nova York em pleno rush nos anos 40, 50 e 60. O olhar de Feininger revela um ambiente absolutamente fascinante em preto e branco. Há imagens belíssimas, outras intrigantes – como a do cemitério judaico no Queens, de 1941. Há também os grandiosos navios, como o United States, de 1950, zarpando para a Europa.

Passeando pelas salas, “viajei” também na memória até uma descrição da cidade que li, certa vez, e que dizia: ” (…) ah, Nova York, os Estados Unidos são o Valhala do jornalismo”. É extrato de um texto de Gore Vidal, em 1876 (Editora Rocco, 1997). O escritor trata das impressões de um americano, Charles Schermerhorn Schuyler, que retorna à cidade, justamente em um navio, após 40 anos de vida na Europa.

 Aliás, outro dia, li uma entrevista da nova dama da notícia americana, Jill Abramson, primeira mulher indicada para o cargo de editor-chefe do centenário e poderoso The New York Times, sucedendo Bill Keller, o homem dos 18  prêmios Pulitzer. Encontrei lá citação semelhante àquela do mitológico lugar perfeito do senhor Schuyler - só que a senhora Abramson se referia ao próprio Times.

E, como uma coisa puxa outra, lembrei que Keller, como o Schuyler de Gore Vidal, tem uma Emma em sua vida. A do livro é filha do personagem; a de Bill Keller, sua mulher, Emma Gilbery Keller.

 Mas, voltando ao Museu Lasar Segall… Foi uma bela tarde. Um belo passeio, na companhia de minha mulher, pelas salas agradáveis do casarão Segall na Vila Mariana. Passamos alguns momentos numa mini Valhala.

sem comentários | comente

  • A + A -

Um dos mais agradáveis passatempos dos últimos dias na web tem sido o acompanhamento dos vídeos sobre os desfiles do São Paulo Fashion Week. É uma maravilha! Todo ano me divirto bastante com as imagens, tanto na internet quanto nas TVs. Tem o trabalho sério dos jornalistas especializados, gente ultraligada em moda, profissionais que fazem a cobertura do evento às ganhas.

Mas tem também o que mais chama a atenção a meros espectadores, gente que está nessa às brincas, que não tem outros interesses que não sejam os de curtir o show de beleza levada ao extremo nos desfiles por belas profissionais. As passarelas do SPFW juntam tudo de bom. Mulheres bem vestidas, glamour, boa música, um clima de extravagante sedução. Muito legal, com todo respeito.

sem comentários | comente

  • A + A -

Uma boa notícia!

Saiu o novo Guia dos Museus, agora na web. 

Aproveitem!!

http://www.museus.gov.br/noticias/guia-dos-museus-brasileiros/

comentários (3) | comente

  • A + A -

Arquivo

TODOS OS BLOGS