ir para o conteúdo
 • 

Patrocinado por

01.abril.2012 11:24:26

Dias do Divino*

Para os que creem, dentre os quais me incluo, esta é semana gloriosa, por recordar o martírio, a morte e a ressurreição de Jesus. Para os apaixonados pelo futebol, e faço parte desse grupo fervoroso, serão dias especiais, porque depois de amanhã Ademir da Guia, o Divino, a lenda, o mito, o ídolo eterno do Palmeiras, completa 70 anos. Cristo e o craque são duas manifestações estupendas do amor de Deus pela Humanidade.

Ademir da Guia pertence a uma geração abençoada de artistas dos gramados nacionais, que teve ainda Gerson, Rivellino, Dirceu Lopes, Tostão, Garrincha, para ficar em pequena amostragem e para não arrancar lágrimas de nostalgia. E Pelé, o supremo. Não me ponho a tocar violino lamentoso aqui nem vou alardear como era grandioso e inigualável o futebol de minha juventude. Sou um irremediável saudosista, mas não tonto.

Cada época tem seus astros – e aqueles que nos fizeram sonhar na infância nos acompanharão pela vida toda. Nada, ou muito pouco, supera o impacto das descobertas dos primeiros anos, sobretudo no que se refere à paixão incomparável pelo joguinho de bola. Para a moçada de hoje Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo serão os semideuses para jamais esquecer. E isso é muito justo.

Ademir deslizava em campo e enganava adversários com falsa lentidão. Suas passadas eram tão largas, elegantes e sutis que davam a impressão de que se movia em câmera lenta, nem parecia sacudir a camisa verde que vestiu por 17 anos. No entanto, num piscar d’olhos saía da defesa, superava o meio do campo e aparecia na área para chutar a gol.

A bola ficava aninhada nos pés de Ademir, mimetizava com o corpo esguio de mulato sarará, era uma extensão dele. E jamais foi maltratada pelo filho de Domingos da Guia, o primeiro Divino. Ademir não dava de bico. Não há registro, em duas décadas de carreira, de que tenha feito um arranhão em alguma bola.

Ademir não era espalhafatoso nem presunçoso nos passes, nos dribles, nos lançamentos longos, nos deslocamentos, na domínio, no cabeceio. Era apenas perfeito. Era onipresente. Onde seus companheiros das duas versões da Academia do Palmeiras – nos anos 60 e 70 – o procurassem lá ele se encontrava, para acalmar, para ajeitar, para comandar, para criar e reger. Era maestro.

Ademir não era falastrão, não era posudo, nem dentro nem fora de campo. A voz mansa, o jeito discreto e polido escondiam inteligência, bom humor, ironia fina. Ademir não precisava sair em coluna social, não tinha necessidade de marketing para apregoar seu valor. Ele sabia que era bom. Ou melhor, ótimo, excelente, extraordinário. O maior camisa 10 do Palmeiras. Não houve, antes, um melhor do que ele. Não houve depois. Ainda está por vir o Messias que o substitua no Palestra Itália.

Ademir era respeitado por rivais, que não tinham coragem de dar-lhe botinadas. Não recebia vaias dos torcedores inimigos. Corintianos, são-paulinos, santistas no mínimo mantinham postura digna diante daquele herói. Conheço muitos que chegaram a aplaudi-lo e que não se conformavam por ser esquecido na seleção. Ademir estava acima da seleção.

Ademir virou estátua no Palmeiras, que no entanto não lhe concedeu jogo de despedida. Foi tema de poesia de João Cabral de Melo Neto (“Ademir impõe com seu jogo o ritmo do chumbo…”), teve vida e glória cantadas em filme (e vi muito marmanjo emocionar-se no cinema).

Ademir chega a 70 anos – e isso é só um mero registro, um número. Porque Ademir é eterno. Ademir é divino.

*(Minha crônica no Estado de hoje, domingo, 1/4/2012.)

 

Tags: , ,

Comentários (25)| Comente!

  • A + A -
25 Comentários Comente também
  • 01/04/2012 - 12:02
    Enviado por: Ezequiel-SP

    Da série provocações…..

    Desculpe-me a comparação esdrúxula:

    Ver o A.da Guia jogar é mais ou menos como fazer amor com a sogra. Tem seus méritos por ser mãe da nossa amada, mas….sem graça.

    Foi um Valdívia de outras épocas…..

    Abraços

    responder este comentário denunciar abuso

    • 01/04/2012 - 12:09
      Enviado por: RENATO CONSOLMAGNO

      Que horror! Você é um inconsequente ético! E pouco conhece de futebol! Deveria ter ficado calado! Isso não é uma provocação: é uma diatribe de um mal educado.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 12:38
      Enviado por: Antero Greco

      Ezequiel, tomo o que escreveu apenas como brincadeira. So pode ser isso. Tenho a impressao de que voce nao tem a minima nocao do valor do Ademir da Guia. No minimo por respeito, podia ter passado sem essa.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 12:47
      Enviado por: RENATO CONSOLMAGNO

      Caro Greco-Romano, com essa resposta, você apenas confirmou ser uma das referências éticas do nosso jornalismo esportivo. Como diriam os italianos, grande caratter! Bravo!

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 13:42
      Enviado por: santista do jabaquara

      Ezequiel, com certeza, vc deve estar brincando….
      Ademir da Guia, foi um dos maiores jogadores q o Brasil teve..
      quem nao se lembra daquele time do Palmeiras
      Leao, Eurico, Luiz Pereira, Alfredo e Zeca, Dudu e o DIvino, Edu, Leivinha, Cesar e Ney
      e o Fedato entrava sempre..
      com todo respeito aos palmeirenses, o Valdivia, nao chegaria a reserva do reserva desse senhor

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 19:02
      Enviado por: Belloni

      Comparar o Ademir com o Valkiria !!!!!!!???? Me desculpe , mas o senhor deve ter fumado um cigarrinho do diabo e temperado a comida com aquela farinha … faça-me o favor…

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 22:40
      Enviado por: Jose

      Esse só pode ser corinthiano e, para ele, evidentemente, craque é o Marcelinho, ou talvez a Vampeta.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 01/04/2012 - 22:47
      Enviado por: Jose

      Pois é, Ezequiel. Eis uma da série provocações:
      você sabe qual é o filme dos corinthianos?

      Eu, robô.

      responder este comentário denunciar abuso
    • 02/04/2012 - 06:16
      Enviado por: Ezequiel-SP

      Esse filme é do malufão:

      ” Eu, robô. Mas faço…”

      Abraços

      responder este comentário denunciar abuso
    • 02/04/2012 - 09:31
      Enviado por: Jose

      Não é do Maluf não. É do corinthiano. E os motivos são:
      (1) por roubar, e (2) por errar na conjugação, grafia e pontuação.

      :-)

      responder este comentário denunciar abuso
  • 01/04/2012 - 12:05
    Enviado por: RENATO CONSOLMAGNO

    Caro Greco-Romano, belíssimas palavras que nos emocionam. A entrevista do Divino para Geneton Moraes Neto na Globo News, parece ser feita de encomenda com o seu texto. Um personagem ímpar do esporte brasileiro, especialmente na ética. Abbracci!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 12:13
    Enviado por: edna r. lima

    Sou uma mulher que nunca assisti um jogo de futebol,mas hoje li esse texto com avidez,ansiedade e cumplicidade.Caro jornalista,você emocionou-me,foi também divino.Só não foi melhor que o ‘Divino”.
    Obrigada.Parabéns!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 14:18
    Enviado por: Adilson

    Belíssimo texto, Antero! Justa homenagem ao grande Ademir da Guia, o craque divino.

    Destaco a frase que mais me chamou atenção:

    “Ademir estava acima da seleção.”

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 14:36
    Enviado por: Pelium

    Antero:
    Sou torcedor do Guarani. Vi várias vezes Ademir jogar contra nós no Brinco(sem o atual tobogã). Quando o via em campo antes do jogo já sentia medo(e não admiração), porque sabia que por trás daquela pretensa lentidão havia um jogador extremamente cerebral, e que era incrivelmente objetivo. mas há também que se dizer que, tal como Pelé, jogou sempre cercado de craques, o que não diminui de forma alguma minha admiração por ele.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 14:59
    Enviado por: Diogenes da Lantterna

    Antero, o Divino Santíssimo brindou ao povo brasileiro futiboladistas com muitos craques inesquecíveis, além dos já citados por você, tais como, Luis Pereira, Roberto Dias, Nilton Santos, Falcão, Jairzinho 70, Pagão, Zito, Canhoteiro, Ronaldo, Renato Gaucho, Dario naturalizado Pereira, Leonidas da Dilva, Djalma Santos, Carlos Alberto, Daniel Alves, Zico, Socrates e outros quase esbarrando no nível. Ah,… e o Pelé de novo.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 15:55
    Enviado por: Nimbus

    A bola chamava Ademir de senhor, tal a elegância com que jogava.
    Clássico, elegante, inteligente, visão de jogo ímpar.
    Diz a lenda que Brandão dizia aos jogadores: “Se não souber o que fazer com a bola, passa pro Ademir que ele sabe.”
    Talvez alguém lembre de um gol primoroso que fez no Cejas, batendo de trivela do bico direito da área.

    Antero, acredite: joguei contra essa fera algumas vezes. Você para pra vê-lo jogar. Parece que desliza na grama tamanha a leveza com que conduz a bola.
    Coisa de 15 anos atrás, Ademir às vezes ia jogar no Clube Esperia, com uns amigos: Servílio, Leivinha (gordo, mais bebia que jogava), Dudu (cavalo, mais batia que jogava) Kaneko, Lalá (ex-goleiro do Santos), Namir da Guia, seu folho perna de pau. Mesmo contra aquele catado de amadores, homem era tão humilde quanto contra os profissionais.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 18:21
    Enviado por: J.Andrade

    Vi apenas uma vez, ao vivo Âdemir jogar, numa decisão S.Paulo x Palmeiras. Foi 0×0. Fiquei impressionado com isso que você escreveu: o senso de colocação dele. Estava na área de defesa do Palmeiras e num piscar de olho aparecia na área do adversário para receber a bola. Ditava o ritmo de jogo: onde a bola estava, ele estava do lado dela. Uma visão de jogo que nunca vi. Na tv seu jogo não tinha a mesma visão devido a visão restrita da telinha, mas ao vivo,um show de jogador. E não me lembro de ter levado algum cartão amarelo, vermelho então, nem pensar. E olha que sou corintiano roxo. Mas mérito a quem merece e Ademir merece sempre.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 22:49
    Enviado por: Jose

    Belo texto, Antero. Uma justa homenagem. Você, como o Ademir, desliza pelas palavras. Parabéns!

    responder este comentário denunciar abuso

  • 01/04/2012 - 23:04
    Enviado por: Alisson

    Antero,

    Como já te disse, pra mim, é uma honra ser leitor do teu blog. Muito legal o texto !

    Deus abençoe você e sua família. Feliz Tríduo Pascal !

    sds

    responder este comentário denunciar abuso

  • 02/04/2012 - 11:18
    Enviado por: Marcos Bandeira

    Bem lembrado Antero.
    Parabéns. Ademir é um dos eternos no futebol de hoje e de sempre.

    responder este comentário denunciar abuso

  • 02/04/2012 - 14:27
    Enviado por: Caio Frascino Cassaro

    Prezado Antero:
    Para nós, que vimos o Divino jogar, fica difícil ver a bola ser tão maltratada pelo bando de botinudos que povoam as “meia-canchas” dos times de hoje em dia. Foi um jogador espetacular, inigualável. O atleta que mais me lembrou Ademir da Guia no estilo, no trato refinado da bola e na categoria com que desfilava no campo com a cabeça erguida foi o grande Zidane. Para os meninos de hoje que não sabem, vale lembrar que jogavam simultaneamente aqui no campeonato paulista Pelé (o maior de todos), Ademir da Guia, Rivellino, Gerson e Pedro Rocha. Se fosse feita uma lista com os dez ou, vá lá, vinte maiores jogadores da época todos estariam inclusos. Esse era o padrão do futebol jogado por aqui, que contava, além dos quatro grandes, com times como a Portuguesa (Enéias, Cabinho, Ratinho, Lourivai, Leivinha), Ferroviária (Bazanni, Bazaninho), Juventus (Brida e Brecha, Wilsinho), Ponte Preta (Manfrni, Marco Aurélio, Dicá) e tantos outros. O Juca Kfouri outro dia falou da comparação Pelé – Messi, e fez menção ao fato de que os times do interior à época do Rei eram superiores aos Sevilha ou aos Valencia da vida. Normalmente não costumo concordar o o que ele diz, mas nessa questão está absolutamente correto. Vale lembrar que o Verdão era o único time que se ombreava ao Santos da época, tendo impedido o Peixe de conquistar doze títulos paulistas consecutivos, quebrando a sequência em 59, 63 e 66, as duas últimas já com o genial mestre da Guia. Finalizando, lembro um jogo histórico na final do troféu Ramón di Carranza, acho que em 74 ou 75, no qual o Palmeiras bateu o Barcelona de Cruyff e Neeskens por três a um (dois de Edu Bala e um de Leivinha), e as manchetes dos jornais espanhóis do dia seguinte se rendiam ao talento incomparável do Divino, qualificando-o simplesmente de “Gênio”.
    Obrigado pela coluna, Antero. Me fez lembrar de um tempo em que éramos os maiores entre os grandes.
    Um abraço

    responder este comentário denunciar abuso

    • 04/05/2012 - 16:52
      Enviado por: Paulo Matulovic

      Poxa, isso me dá vontade de trocar meus 27 anos por, incriveis, 55-60 anos!! Sim, assim eu poderia ter visto O Divino, Pelé, Gerson, Rivellino… ver a seleção de 70 e de quebra ter idade pra ver a de 82. Me contento por ter um craque: o Youtube! pq se depender de vida real… é marcio araujo, barcos…

      responder este comentário denunciar abuso
  • 29/12/2013 - 16:47
    Enviado por: Luiz Felipe

    Me surpreende que tenhas publicado essa matéria sem ter antes confirmado tudo o que escreveu!

    Concordo em tudo o que você fala sobre o Ademir, era um monstro, uma verdadeira divindade do futebol, além de uma personalidade fantástica!

    Entretanto, equivocou-se ao dizer que o Palmeiras não lhe concedeu jogo de despedida e você, na qualidade de jornalista, não pode dar-se ao luxo de omitir tal glorioso momento!

    Pra dirimir alguma duvida, segue link do baú do esporte, abordando o acontecido!
    Demorou cerca de 06 anos, mas o Palmeiras concedeu sim um jogo de despedida ao maior de todos!

    http://www.youtube.com/watch?v=-ZzrM8jGu1A

    Abraços

    responder este comentário denunciar abuso

    • 29/12/2013 - 19:04
      Enviado por: Antero Greco

      Luiz, mantenho o que escrevi. O Ademir se despediu no CANINDÉ, porque nunca lhe foi oferecida festa no PALESTRA. E o jogo de despedida só saiu por iniciativa de amigos deles, como o César Maluco, e não pela diretoria. Informe-se, também. Abraço e bom ano.

      responder este comentário denunciar abuso

Deixe um comentário:

Comentários recentes

  • Henrique: Antero, nossos três times eliminados nessa semana são exemplos de que só a camisa não basta. Flamengo e...
  • Cadu: O preconceito acaba em casa, quando vc criar para seu filho um ambiente em que trata todos com igualdade, ele...
  • Ednilson Sousa: Do jeito que existem torcedores retardados aposto que tem alguns do São Paulo jurando o Antonio...
  • nimbus: Havia uma expressão, hoje em desuso, macaco vê, macaco imita. Pois bem, macaco para mim são os que...
  • pasquale: Antero, vamos lá! Um “fonte”, que trabalha em um clube de futebol, rouba uma informação...

Arquivo

Seções

Blogs do Estadão

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo